Alguém anda a raptar gatos no Barreiro e ninguém sabe porquê. Centenas já desapareceram - TVI

Alguém anda a raptar gatos no Barreiro e ninguém sabe porquê. Centenas já desapareceram

  • Agência Lusa
  • PP
  • 25 jun, 18:41
Gatos

Cuidadores denunciam que desde maio já desapareceram centenas de animais. Quem leva os felinos usa redes para os caçar

Cuidadores de colónias de gatos CED (Capturar – Esterilizar – Devolver) no Barreiro, distrito de Setúbal, denunciaram esta terça-feira o rapto de centenas daqueles felinos por um ou vários grupos de cidadãos não identificados.

Segundo revelou hoje à agência Lusa a cuidadora de animais Anabela Oliveira, os raptos de gatos, alguns testemunhados por cuidadores, têm sido levados a cabo por um ou mais grupos de cidadãos, que, munidos de redes, têm feito várias capturas que já reduziram drasticamente o número de felinos em diversas colónias do Barreiro.

“O que acontece é que, junto de algumas colónias de gatos, começou a aparecer uma carrinha com três ou quatro pessoas que capturam alguns felinos com uma rede e que depois os levam não se sabe para onde”, disse Anabela Oliveira, assegurando que, desde o passado mês de maio, já terão desaparecido centenas de gatos das colónias.

“Há colónias que tinham mais de 60 gatos e que estão com 30, outras que tinham 20 e agora só têm seis ou sete”, frisou.

Anabela Oliveira garantiu haver testemunhas de vários desses raptos de gatos, mas que nenhuma dessas testemunhas conseguiu ainda anotar a matrícula do veículo, ou dos veículos envolvidos, para comunicar às autoridades competentes.

Contactada pela agência Lusa, fonte da Câmara Municipal do Barreiro disse que a autarquia teve conhecimento dos alegados raptos de gatos através de diversos grupos de uma rede social e do contacto de uma cuidadora através da linha de adoção de animais.

A Câmara do Barreiro promete sinalizar estes casos de alegados raptos de animais junto da PSP e lembra que não tem competências de investigação.

Por outro lado, a autarquia barreirense apela aos cuidadores que têm conhecimento direto destes casos, para que eles próprios os comuniquem às autoridades.

Continue a ler esta notícia