A Finlândia é o país mais feliz do mundo. Eis porquê - TVI

A Finlândia é o país mais feliz do mundo. Eis porquê

  • CNN
  • Marja Heinonen
  • 3 abr 2023, 08:22
Helsínquia, Finlândia

OPINIÃO. Pelo sexto ano consecutivo, país nórdico foi classificado num inquérito internacional como o mais feliz do mundo.

Nota do editor: Marja Heinonen, autora de vários livros, tem mais de três décadas de experiência como jornalista e editora no seu país natal da Finlândia. Trabalhou também no meio académico e tem um doutoramento em comunicação. As opiniões expressas neste artigo são as suas próprias.

De acordo com o último Relatório da Felicidade Mundial, o meu país, a Finlândia, tem o povo mais feliz do mundo, designação que mantém há seis anos consecutivos. Imagino que esta notícia possa acabrunhar alguns norte-americanos, alguns dos quais gostam de falar do Sonho Americano e de descrever o seu país como o maior do mundo.

SAIBA MAIS
ESTES SÃO OS PAÍSES MAIS FELIZES DO MUNDO
Marja Heinonen / CNN

Desde 2002, o Relatório da Felicidade Mundial tem vindo a apresentar a felicidade relativa das pessoas em todo o mundo, utilizando análises estatísticas para ter em conta fatores como o Produto Interno Bruto per capita, os apoios sociais, a esperança de vida, a liberdade de fazer as suas próprias escolhas de vida, a generosidade da população em geral e as perceções do nível de corrupção na sociedade.

Os Estados Unidos entraram no 15º lugar entre os 149 países que participaram no inquérito. Isso foi uma anomalia? Não, a América não entrou na dúzia superior, pelo menos não nos últimos anos. No ano passado, foi o número 16. Em 2021, ficou em 14º lugar. No ano anterior, 2020, foi 18º.

Questionados ao longo dos anos sobre o seu próprio nível de satisfação com as suas vidas, os americanos fornecem consistentemente respostas que colocam os Estados Unidos na classificação de dois dígitos, atrás de vários países.

Tal como outros países nórdicos, a Finlândia tem instituições democráticas e de bom funcionamento que proporcionam aos seus cidadãos amplos benefícios e segurança. Os cidadãos dos nossos países confiam nas nossas instituições, algo que certamente não se pode dizer atualmente dos Estados Unidos, que, de acordo com algumas avaliações, correm o risco de perder a própria democracia que há muito tem sido o seu cartão de visita no palco global. (A propósito, entre os outros países nórdicos, a Dinamarca ficou em 2º lugar; a Islândia ficou em 4º; a Noruega ficou em 6º).

É claro que cada país tem uma história única e traçou um caminho singular para chegar ao seu atual nível de satisfação nacional - ou falta dele. A Finlândia e outros países nórdicos não têm as profundas divisões de classe e desigualdade económica vividas em alguns outros países - incluindo os Estados Unidos. Os nossos sistemas económicos não são construídos com base em ter-ou-não-ter, num modelo darwiniano de sobrevivência dos mais aptos que na realidade encoraja divisões de classe e lutas, recompensando os vencedores que muitas vezes parecem ter sucesso, e aproveitando-se dos menos afortunados.

Para aqueles de nós que vivem fora dos Estados Unidos, obviamente que parte do que sabemos sobre a América é baseado em generalidades - alguns podem mesmo chamá-las de estereótipos - que são partilhados em todo o mundo. E ainda assim, suponho que a maioria desses truísmos tem mais do que um núcleo de verdade.

O cientista político Ronald Inglehart propôs uma explicação sobre a razão pela qual os habitantes dos países nórdicos são os mais satisfeitos com a sua sorte na vida. Num relatório de 2020 intitulado “Excepcionalismo Nórdico” - parte do Relatório da Felicidade Mundial desse ano - ele afirma que os nossos países constituem “o principal exemplo de modernização bem sucedida, maximizando a prosperidade, a solidariedade social, e a liberdade política e pessoal”.

Outra característica da vida na América, vista do estrangeiro, é o seu enfoque exagerado no dinheiro - ganhá-lo, obter mais e agarrar-se a ele assim que o tiver. Eu costumava perguntar-me porque é que os meus amigos americanos gastavam tanta da sua energia mental a pensar em ganhar dinheiro. Cheguei à conclusão de que não tinham opção: nos EUA, o futuro depende muito da quantidade de dinheiro que se possui. Se não puder pagar as propinas escolares, para cobrir os seus custos de saúde ou para reservar fundos para os seus últimos anos, a vida pode ser de facto miserável.

Como é que o sistema nórdico conduz à felicidade nacional global? Deixem-me usar a minha própria experiência como exemplo.

O meu pai era um trabalhador da construção civil e a minha mãe trabalhava numa fábrica. Graças a um sistema educativo exemplar, consegui obter um doutoramento praticamente de graça. As minhas duas filhas tiveram acesso a uma das melhores formações do mundo - mais uma vez, praticamente sem custos. Como mãe solteira, não posso exagerar a importância de não ter de esgravatar o fundo dos meus próprios bolsos para lhes pagar por uma educação de qualidade.

SAIBA MAIS
FINLANDESES CONTINUAM A SER OS MAIS FELIZES E AGORA CRIARAM UM CURSO PARA ESTRANGEIROS

As propinas das creches são subsidiadas para todas as famílias na Finlândia. Antes de ir para a escola, as minhas meninas puderam frequentar uma creche pública maravilhosa e altamente profissional a um custo extremamente razoável, o que me permitiu trabalhar.

Depois há a questão das despesas médicas - uma enorme dificuldade financeira para muitas famílias americanas. Uma das minhas filhas teve uma doença crónica nos ossos desde pequenina, e o tratamento médico durou mais de uma década.

Estou grata por viver num país onde as despesas médicas da minha filha foram acessíveis e não arruinaram as nossas vidas. A maior parte das despesas foram suportadas pelo sistema de saúde pública. De facto, paguei menos de mil dólares pelas suas hospitalizações, visitas médicas e 10 aparelhos médicos personalizados que ela teve de usar ao longo de uma década para ajudar a corrigir a curvatura da sua coluna vertebral. Os nossos cuidados de saúde universais financiados pelos contribuintes são de alta qualidade, mas sem pilhas de papelada confusa ou contas enormes suportadas pelo paciente.

Tudo isto faz parte do nosso Estado-Providência, pelo qual os países nórdicos são famosos. Percebo que “Providência” é uma palavra maldita para muita gente nos Estados Unidos. Mas vários estudos confirmam que a generosidade do Estado-Providência tem um tremendo impacto positivo na satisfação da vida. A jornalista e escritora finlandesa Anu Partanen, que vive há anos nos EUA, partilhou comigo a opinião de que os americanos estão muito mais enredados em dependências pouco saudáveis do que se apercebem. Ela escreve sobre isto no seu livro "The Nordic Theory of Everything" [à letra, “A Teoria Nórdica de Tudo”].

Algumas pessoas nos EUA têm dito que querem menos envolvimento do Estado, não mais, e criticam a Finlândia por ser um “Estado ama-seca” socialista onde o governo tem demasiado a dizer sobre as particularidades da vida dos indivíduos. Na Finlândia, descobrimos que o governo liberta efetivamente os negócios para que eles se concentrem naquilo que eles fazem melhor: negócios. E isso provou ser uma bênção não só para a economia mas para a sociedade como um todo.

Partanen defende que, enquanto as empresas americanas lutam para administrar planos de saúde e encontrar trabalhadores qualificados, os governos nórdicos prestam serviços públicos de alta qualidade a todos os cidadãos e dão a todos uma educação de qualidade para que os empregadores não tenham falta de candidatos a emprego qualificados.

A sobrevivência ao nível mais básico e existencial está no centro da felicidade, e em algumas sociedades como os EUA, ganhar dinheiro suficiente para viver confortavelmente pode ser um assunto complicado. Além disso, porém, mais dinheiro não traz necessariamente mais felicidade, e pode fazer precisamente o contrário.

O economista Richard Easterlin observou, há anos, que o rendimento e a felicidade nem sempre estão ligados. Um ingrediente frequentemente negligenciado, mas importante e que faz uma enorme diferença em termos de aumentar o sentimento de satisfação de uma nação, é o nível de disparidade de rendimentos dentro da sociedade. Um país com diferenças de rendimento relativamente pequenas tem geralmente menos pessoas descontentes - talvez seja porque há menos necessidade de tentar “imitar o que os outros têm”.

Num país como o meu, onde não existem extremos tão grandes de riqueza ou pobreza como nos EUA, a oportunidade de se desencantar com a sua sorte na vida é grandemente diminuída. E aqueles que são infelizes o suficiente para caírem abaixo do limiar da pobreza na Finlândia sabem que existe uma rede de serviços de assistência social e ajuda pública para ajudá-los a recuperar.

É claro que todas estas despesas sociais têm um custo e os impostos sobre um trabalhador médio são consideravelmente mais elevados do que os impostos pagos nos EUA. Temos uma das taxas de impostos marginais mais elevadas do mundo - um nível de tributação que eu sei que alguns países considerariam inaceitável. Muito honestamente, para nós, finlandeses, a prosperidade nacional global e a relativa falta de agitação social parecem valer bem os impostos adicionais.

De acordo com dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico, o trabalhador individual médio na Finlândia suportou uma taxa média líquida de impostos de 30,8% em 2021, em comparação com a média da OCDE de 24,6%. Isto é mais elevado do que a maioria dos outros países, mas é o preço que decidimos pagar como sociedade para ter escolas de qualidade, infraestruturas públicas de baixo custo, cuidados de saúde pública e afins.

Sim, é verdade, não há equivalente finlandês do Sonho Americano, prometendo eventuais riquezas após uma vida inteira de trabalho duro. Em vez disso, aqui nos países nórdicos apercebemo-nos de que o segredo da felicidade se encontra numa espécie de igualitarismo e confiança nas nossas instituições. Isso conduz a uma coesão social - e a uma felicidade - que o dinheiro simplesmente não pode comprar.

Continue a ler esta notícia