As férias, tal como as conhecemos, acabaram - TVI

As férias, tal como as conhecemos, acabaram

  • CNN
  • Bill McGuire
  • 29 jul 2023, 11:00
Incêndios em Rodes - Grécia (EPA)

OPINIÃO. as ondas de calor e os incêndios florestais em curso dão vislumbres do pior que está para vir nas próximas décadas.

Nota do Editor: Bill McGuire é Professor Emérito de Geophysical & Climate Hazards na University College London, no Reino Unido, e autor de “Hothouse Earth: An Inhabitant's Guide”. As opiniões expressas neste comentário são da sua inteira responsabilidade.

 

Turistas aterrorizados que estavam a passar férias na Grécia viram-se esta semana frente-a-frente com o futuro.

Com os incêndios florestais - impulsionados por um calor recorde, condições de fogo e ventos fortes - a assolar as ilhas de Rodes, Corfu e Evia, milhares de visitantes e residentes tiveram de fugir das chamas - muitos deles apenas com a roupa que tinham vestida.

Será um grande erro considerar estes acontecimentos como anómalos e continuar a fazer férias como habitualmente nos próximos anos. Pelo contrário, as condições meteorológicas extremas que se verificam no Sul da Europa este verão são um sinal de alerta - uma chamada de atenção para o facto de nem as nossas férias estarem ao abrigo das consequências crescentes do aquecimento global.

Este ponto de vista é reforçado por um novo estudo publicado no início desta semana, que mostrou que as vagas de calor na Europa e na América do Norte teriam sido praticamente impossíveis sem as alterações climáticas.

A praga de calor e incêndios que o nosso mundo está atualmente a viver é uma das consequências de um aumento de 1,2 graus Celsius na temperatura média global, em comparação com a época pré-industrial.

Um aumento de 2 graus Celsius, que atualmente se prevê que seja largamente ultrapassada até ao final do século, faria com que o número médio de dias de canícula sextuplicasse no sul da Europa - de modo a que uma onda de calor a cada 100 anos passe a ocorrer de dois em dois anos.

Mesmo no norte da Europa, o número de fenómenos extremos de calor triplicaria, passando a registar-se uma vez em cada cinco anos.

A realidade é que as ondas de calor e os incêndios florestais em curso nos dão vislumbres do pior que está para vir nas próximas décadas, à medida que o nosso planeta se torna cada vez mais quente - mas esta não é uma progressão natural, é um resultado direto das atividades poluidoras de carbono da humanidade.

As ações têm consequências. E é possível traçar uma linha reta desde os enormes volumes de dióxido de carbono bombeados quando milhões de pessoas partem todos os anos para as férias de verão, até ao calor, aos incêndios e a outros episódios de condições meteorológicas extremas que põem agora em perigo tanto as estâncias turísticas como aqueles que as visitam.

Os acontecimentos da última semana nas ilhas gregas deveriam, pois, fazer-nos refletir, não só sobre se devemos continuar a voar nas férias para locais que podem ameaçar-nos a nós e aos nossos entes queridos - mas também sobre o próprio objetivo de fazer férias.

Para muitos de nós, partir todos os anos para uma escapadela no estrangeiro tornou-se quase instintivo - é algo que fazemos sem pensar muito nisso.

Se o sul da Europa ficar fora dos limites devido ao aumento do calor, então a tendência de muitos será procurar outro lugar que pareça - pelo menos à primeira vista - menos arriscado. Mas esta não é a resposta.

O colapso climático deverá tornar-se omnipresente e afetar todos os aspetos das nossas vidas e meios de subsistência, e as condições meteorológicas extremas já podem ocorrer em praticamente qualquer lugar. Então, o que fazer?

No ano passado, os residentes do Reino Unido fizeram mais de 46 milhões de viagens para ir de férias para o estrangeiro. Isto não pode continuar, nem deve, tanto para a paz de espírito dos turistas, cada vez mais preocupados com o aumento das condições climatéricas extremas, como para o bem do planeta.

As férias no estrangeiro têm de ser dissociadas do transporte aéreo, o que significa - no que diz respeito à Europa - comboio, carro ou autocarro. Bill McGuire

As férias têm de regressar às suas origens ou, pelo menos, avançar nessa direção. Em particular, as férias no estrangeiro têm de ser dissociadas dos voos, o que significa - no que diz respeito à Europa - comboio, carro ou autocarro.

É claro que há problemas. Uma análise recentemente publicada pela Greenpeace revelou que viajar de comboio pela Europa é, em média, quatro vezes mais caro do que viajar de avião. Viajar por estrada demora mais tempo e é provável que implique horas de filas frustrantes nos portos.

Mas, pelo lado positivo, a própria viagem torna-se parte das férias. Evitam-se as confusões e os atrasos nos aeroportos e, o que é mais importante para o clima, as emissões de carbono são fortemente reduzidas.

Em todo o caso, o sector da aviação não está a ficar impune, à medida que as temperaturas sobem e os atrasos e cancelamentos se tornam muito mais comuns. No momento em que escrevo este texto, os aeroportos de Palermo e Catania, na Sicília, estão encerrados devido a incêndios florestais. Nos Estados Unidos, o impacto do calor extremo nos motores dos aviões, e na elevação que as asas proporcionam durante a descolagem, significa que os aviões têm de reduzir o peso, retirando carga de combustível, passageiros ou bagagem, ou esperar que as temperaturas desçam.

Talvez a solução seja concentrarmo-nos no que realmente queremos e precisamos de férias - um período de descanso e recuperação bem merecido que recarregue as baterias e nos prepare para a próxima ronda da rotinas diárias.

Deveríamos perguntar-nos se temos de experimentar o exótico e o desconhecido para o conseguir - especialmente quando as férias em terras distantes implicam um risco acrescido para a vida e a integridade física - ou se o podemos fazer mais perto de casa.

Talvez devêssemos tirar uma lição da pandemia, quando as férias foram praticamente obrigatórias. Há muito para admirar nos nossos próprios países, apesar de o clima também estar a mudar.

O Reino Unido, onde vivo, está longe de ser imune ao clima selvagem que o aquecimento global está a provocar, como testemunham as temperaturas de mais de 40 graus Celsius e os incêndios florestais destruidores do ano passado, e as ondas de calor severas tornar-se-ão mais comuns.

Se gostar do calor, cada vez mais não precisará de viajar, ele encontrá-lo-á. No entanto, a familiaridade e a conveniência de estar perto de casa podem trazer o seu próprio contentamento, conforto e bem-estar.

Além disso, poderemos apanhar banhos de sol com o brilho quente de sabermos que reduzimos a nossa pegada de carbono - tornando-nos parte da solução e não do problema.

Continue a ler esta notícia