O ministro da Economia admite que o IAG, o grupo que detém a Iberia, é uma das opções de topo para a privatização da TAP. Em entrevista ao El Economista (acesso livre, conteúdo em espanhol), António Costa Silva defende que a companhia aérea portuguesa está “saudável” e “criou condições para a Iberia entrar na privatização”.

As ligações da Iberia com os três aeroportos continentais do país (Lisboa, Porto e Faro), bem como com a Madeira, são um dos pontos a favor da companhia, face a opções como a Lufthansa ou a Air France-KLM. “A conectividade com o hub aeroportuário de Barajas iria potenciar o turismo e a economia do país — e não só a TAP como também a Ibéria têm aqui um papel importante”, reitera Costa Silva.

O governante reforça a importância desta ligação, salientando que é necessário “lidar com a conectividade aérea porque há estudos que revelam que a falta dela condiciona a nossa economia face ao resto da Europa, visto que somos um país periférico”. A conectividade ferroviária também está a avançar, nomeadamente entre Porto e Vigo, mas Costa Silva adianta que estão a “estudar outras ligações”.

Na entrevista ao jornal espanhol, o ministro da Economia falou também sobre os vistos gold, apontando que o Executivo está a analisar a continuidade desta medida, que quer “redirecionar para aquisição de casa no interior do país”. Costa Silva assegura ainda que o Governo vai “continuar a trabalhar em reformas que atraiam mais capitais estrangeiros para o país”.

ECO - Parceiro CNN Portugal / Mariana Espírito Santo