Um barco de patrulha da guarda costeira grega disparou esta quinta-feira tiros de aviso para dissuadir um navio da guarda costeira turca que alegadamente tentava abalroá-lo no mar Egeu oriental, disseram as autoridades de Atenas.

A declaração da guarda costeira grega, em altura de elevadas tensões entre os dois países vizinhos, refere que "a tripulação disparou tiros de aviso num setor seguro e o navio da guarda costeira turca retirou-se" em direção à costa da Turquia.

Os tiros foram disparados para o ar, segundo a mesma fonte, que não fez qualquer menção a feridos ou danos em qualquer dos navios, no incidente a sudoeste do ilhéu grego de Farmakonissi, dentro das águas territoriais da Grécia.

Não houve reação imediata por parte da Turquia.

Grécia e a Turquia, rivais regionais históricos e aliados da NATO, têm vivido um crescendo de tensão ao longo dos últimos três anos.

A guarda costeira grega disse que o seu navio tinha estado numa missão para identificar três barcos de pesca turcos em águas gregas ao largo de Farmakonissi e que a tripulação grega abriu fogo depois de "ser incomodada" pelo barco da guarda costeira turca, que fez "manobras perigosas com a intenção de abalroar" o navio grego.

Os dois países, que estiveram à beira da guerra três vezes desde 1974, têm disputas de décadas sobre as fronteiras do mar Egeu e a ilha de Chipre, dividida pela guerra no Mediterrâneo Oriental.

As relações deterioraram-se rapidamente nos últimos anos, com os fluxos migratórios da Turquia e a prospeção de gás em águas disputadas a alimentarem a desconfiança existente e as queixas históricas entre gregos e turcos, que remontam há séculos.

As autoridades turcas acusam também a Grécia de militarizar as suas ilhas orientais do mar Egeu, e o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, tem aludido repetidamente à invasão da Grécia nos últimos meses.

A Grécia contrapõe que precisa de defender as suas ilhas de um possível ataque turco.