29 documentos militares secretos da Rússia revelam doutrina do Kremlin para o uso de armas nucleares táticas - TVI

29 documentos militares secretos da Rússia revelam doutrina do Kremlin para o uso de armas nucleares táticas

Fiável e moderno, esta é a nova coqueluche da Força Aérea russa (Kremlin/AP)

Os mesmos documentos deixam ainda a descoberto uma desconfiança latente da Rússia em relação à China

Documentos militares secretos da Rússia divulgados pelo Financial Times (FT) revelam em que circunstâncias é que a Rússia admite usar armas nucleares táticas como retaliação a um ataque que sofra. Estas armas foram desenvolvidas para serem usadas contra a Europa e a Ásia, com um alcance mais limitado em comparação com armas nucleares estratégicas, que têm a capacidade para alcançar os Estados Unidos.

Os 29 documentos revelados quarta-feira pelo FT, datados de entre 2008 e 2014, indicam que Moscovo admite usar estas armas mais rapidamente do que “alguma vez admitiu publicamente”, de acordo com analistas e especialistas que tiveram acesso ao conteúdo da documentação.

Os critérios delineados pelo Kremlin para recorrer a estas armas vão de “uma incursão inimiga em território russo a gatilhos mais específicos, como a destruição de 20% dos submarinos de mísseis balísticos estratégicos”, indica o FT. Outro critério para o potencial uso de armas nucleares táticas é a destruição de três ou mais grandes navios de guerra russos, de três aeródromos, de 30% dos seus submarinos nucleares de ataque ou face a “um ataque simultâneo a centros de comando costeiros de primeira linha e de reserva”.

Os mesmos documentos deixam ainda a descoberto uma desconfiança latente da Rússia em relação à China, apesar da crescente aproximação entre Moscovo e Pequim nos últimos anos. De acordo com os analistas, há indicações de que o comando militar do leste da Rússia conduziu exercícios sob a hipótese de um ataque à China face aos receios de que Pequim aproveite o foco militar russo no Ocidente para tentar conquistar território no extremo oriente do país. O FT adianta que a Rússia continua a exercitar o seu músculo militar perto da China: em junho e em novembro do ano passado efetuou exercícios militares em regiões fronteiriças usando mísseis com capacidade nuclear.

No que toca à Ucrânia, que a Rússia invadiu no final de fevereiro de 2022, os critérios mínimos para o uso de armas nucleares táticas devem ser superiores, indica William Alberque, diretor de estratégias, tecnologia e controlo de armamento no Instituto Internacional de Estudos Estratégicos, citado pelo mesmo jornal – isto porque, adianta o especialista, Moscovo receia uma “escalada do conflito que leve à intervenção direta dos EUA ou do Reino Unido”.

As informações foram reveladas um dia antes do discurso do Estado da Nação proferido esta quinta-feira por Vladimir Putin, no qual o presidente russo disse que o Ocidente “está a preparar-se para atacar a Rússia”, avisando que tal terá “trágicas consequências” para o mundo inteiro e poderá desencadear uma guerra nuclear.

“Eles anunciaram a possibilidade de enviar contingentes militares ocidentais para a Ucrânia… As consequências de possíveis intervencionistas serão muito mais trágicas”, disse no seu discurso anual à nação, esta quinta-feira de manhã. “Eles deviam eventualmente perceber que nós também temos armas que podem atingir alvos nos seus territórios”, acrescentou Putin. “Será que não percebem isso??"

No mesmo discurso, o líder russo adiantou que "tudo o que o Ocidente inventa cria uma ameaça real de um conflito com recurso a armas nucleares e, portanto, a destruição da civilização”. Segundo a Reuters, um Putin "visivelmente zangado" sugeriu que os políticos do Ocidente devem lembrar-se do destino daqueles, como Hitler e Napoleão, que tentaram sem sucesso invadir a Rússia no passado. "Só que agora as consequências serão bem mais trágicas", adiantou. "Eles pensam que [a guerra] é um cartoon."

Continue a ler esta notícia

EM DESTAQUE