As marcas chinesas substituíram os iPhones e a Hyundai na economia de guerra da Rússia - TVI

As marcas chinesas substituíram os iPhones e a Hyundai na economia de guerra da Rússia

  • CNN
  • Michelle Toh
  • 5 mar 2023, 19:00
Stand de automóveis da marca russa Lada em Tolyatti. 1 de abril 2022. Foto: Yuri Kadobnov/AFP via Getty Images

ANÁLISE. Os fabricantes chineses já eram populares na Rússia antes da guerra. Agora, eles dominam quase tudo

No último ano, centenas de marcas globais fugiram da Rússia em resposta à invasão da Ucrânia. Isso obrigou os russos a encontrar alternativas para tudo, desde smartphones a carros.

As empresas beneficiadas: os concorrentes chineses. O gigante dos smartphones Xiaomi e o fabricante de automóveis Geely estão entre aqueles que viram aumentar as vendas nos últimos meses, mostram os dados da indústria.

Onde iPhones e Samsung Galaxies já foram bestsellers, modelos da Xiaomi e de outro vendedor chinês, Realme, estão agora no topo das tabelas de vendas, de acordo com a Counterpoint Research.

Os fabricantes chineses já eram populares na Rússia antes da guerra, sendo responsáveis por aproximadamente 40% do mercado de smartphones em dezembro de 2021. Agora, eles dominam quase tudo, representando 95% do mercado um ano depois, mostram os dados da Counterpoint.

Entretanto, a Samsung e a Apple - que normalmente detinham o primeiro e segundo lugar, respetivamente - viram a sua quota de mercado combinada cair de 53% para apenas 3% durante o período em que saíram do país.

Os consumidores russos voltaram-se para os smartphones chineses depois de as marcas globais se terem retirado.

Em dezembro de 2021, a Samsung e a Apple detinham, em conjunto, 53% do mercado russo de smartphones. Um ano mais tarde, representavam 3%, enquanto as marcas chinesas detinham a grande maioria do resto (cerca de 95%).

Vendas de smartphones na Rússia, quota de mercado por marca 

Em um ano, a Samsung perdeu 94% da sua quota de mercado na Rússia e a Xiaomi aumentou 112%. Fonte: Pesquisa de Contraponto. Gráfico: Carlotta Dotto, CNN

Uma história semelhante está a ser contada nas estradas da Rússia. No último ano, os fabricantes chineses de automóveis Chery e Great Wall Motor saltaram para as dez principais marcas de veículos de passageiros, enquanto a BMW e a Mercedes da Alemanha (MBGAF) desapareceram, de acordo com dados da S&P Global Mobility.

Os russos compraram um número recorde de automóveis chineses no ano passado, de acordo com o fornecedor de dados Autostat. As vendas de automóveis novos chineses no país aumentaram 7% em 2022, para 121.800 veículos, mesmo quando o mercado caiu, segundo um relatório do mês passado.

A Lada, a marca de origem russa que já era o fabricante de automóveis mais popular antes da guerra, também viu a sua quota de mercado crescer de aproximadamente 22% para 28% em 2022, de acordo com dados da S&P. (A Renault vendeu a sua participação na Lada em Maio.)

Os fabricantes de automóveis chineses entram nas 10 marcas de automóveis de passageiros mais vendidas na Rússia.

Os fabricantes de automóveis chineses Chery, Great Wall Motor e Geely tornaram-se populares, enquanto as vendas da BMW, Volkswagen e Mercedes caíram.

As 20 marcas de automóveis mais vendidas na Rússia 

Nota: Dados de registo russos para 2021-2022. As percentagens foram arredondadas. Fonte: S&P Mobilidade Global. Gráfico: Carlotta Dotto, CNN

Estas empresas são praticamente as últimas de pé. 

Tal como a Renault, os fabricantes mundiais de automóveis retiraram-se da Rússia após a invasão da Ucrânia, incluindo a Hyundai e a Kia, os outros grandes atores estrangeiros ali presentes.

"Deixou um enorme buraco no mercado", diz Tu Le, fundador da empresa de consultoria Sino Auto Insights, sediada em Pequim. "E os chineses estão contentes por preencher esse buraco".

Lutar por um produto

Xiaomi, Realme and Honor, a marca de baixo custo anteriormente propriedade do gigante tecnológico chinês Huawei, "reagiram rapidamente para agarrar a oportunidade", diz Jan Stryjak, director da Counterpoint Research. Aumentaram os envios para a Rússia em 39, 190 e 24% respetivamente no terceiro trimestre de 2022, em comparação com o trimestre anterior.

A Xiaomi tem sido o principal beneficiário, tendo duplicando a sua quota de mercado ao longo do ano. A empresa sediada em Pequim é agora o principal vendedor russo de smartphones, em grande parte devido à sua popular linha Redmi, uma gama acessível de aparelhos conhecidos pela sua elevada qualidade das câmaras. 

Sacrificar o serviço

Em resposta ao êxodo empresarial, a Rússia introduziu soluções para manter alguns bens nas prateleiras.

No ano passado, o governo autorizou as chamadas "importações paralelas" de smartphones, que permitiram a entrada de mercadorias de países vizinhos, como o Cazaquistão.

A prática permitiu aos principais retalhistas russos continuar a vender telefones Samsung e Apple após a suspensão dos envios diretos, escreveu o analista da Counterpoint Research Harshit Rastogi.

Mas as medidas vêm com potenciais problemas. Os utilizadores que compraram estes telefones poderiam ter problemas ao descarregar aplicações móveis que estavam bloqueadas na Rússia, e os serviços de fornecedores oficiais não estavam "garantidos", observa Harshit Rastogi.

Da mesma forma, as pessoas têm comprado carros vendidos no país através de importações paralelas, mesmo sabendo que não terão acesso a garantias, segundo Tatiana Hristova, directora de investigação automóvel da S&P Global Mobility.

"As pessoas estão prontas a fazê-lo porque, bem, não há outra escolha", diz.

Ansiosos por se agarrarem a marcas premium, alguns russos têm comprado Mercedes e Audis em férias no Cazaquistão ou Uzbequistão, cenas que lembram o colapso da União Soviética nos anos 90.

"Se queria ter um carro que não fosse um Zhiguli [da era soviética] ... pagava a alguém que ia à Europa de autocarro, comprava um carro para si e trazia-lo para a Rússia", diz Tatiana Hristova.

Tempos difíceis para os consumidores 

Embora as marcas chinesas estejam a colher os frutos do embargo ocidental, o mercado russo está a encolher à medida que a sua economia entra em queda.

No ano passado, as vendas de smartphones russos caíram 33% para 21 milhões, de acordo com a Counterpoint Research. Em comparação, o mercado europeu de smartphones caiu 20%.

O mercado automóvel russo registou uma evolução ainda pior, diminuindo quase 60% em 2022 em comparação com o ano anterior, de acordo com o Autostat.

Tatiana Hristova considera que, para muitos consumidores russos, as decisões sobre produtos de grande valor estavam "provavelmente em espera neste momento", particularmente porque podem enfrentar potenciais ondas futuras de mobilização militar.

A grande questão agora, segundo os analistas, é se o mercado mudou para sempre.

Se a guerra na Ucrânia terminar, a Apple e a Samsung irão provavelmente reconstruir as operações no país - e recuperar rapidamente as vendas de smartphones, diz Jan Stryjak.

Ainda não se sabe o que pode acontecer no mercado automovél, embora algumas empresas já tenham deixado claro o seu interesse em regressar.

Na sua decisão de sair da Rússia no ano passado, a Renault deixou a porta aberta para voltar, com a opção de comprar de volta o seu interesse no Lada até 2028, observa Tatiana Hristova.

Mesmo assim, com o regresso das marcas internacionais, os jogadores chineses poderiam manter a sua posição, especialmente dado o tempo que poderia levar para reconstruir as cadeias de abastecimento.

Muito provavelmente dependerá do tempo que a guerra se arrastar.

"Dizê-lo pode soar um pouco duro, mas as marcas russas e as marcas chinesas são uma espécie de substituições para os verdadeiros jogadores", diz Le, da Sino Auto Insights.

"Os substitutos podem tornar-se os jogadores permanentes".

Continue a ler esta notícia