Marcelo e Costa unidos no apoio à Ucrânia "pelo tempo que for preciso" face a "guerra injusta e imoral" - TVI

Marcelo e Costa unidos no apoio à Ucrânia "pelo tempo que for preciso" face a "guerra injusta e imoral"

  • Agência Lusa
  • 24 fev, 11:09
Marcelo brilha a falar ucraniano e assegura que Portugal vai apoiar sempre a independência da Ucrânia

Presidente da República e primeiro-ministro em funções divulgam mensagens oficiais de apoio a Kiev, no dia em que se marcam os dois anos da invasão russa de larga escala

Relacionados

O Presidente da República garantiu este sábado que Portugal manterá “pelo tempo que for preciso” o apoio a vários níveis à Ucrânia e condenou a “guerra injusta, ilegal e imoral” provocada pela invasão russa.

“Com os nossos parceiros europeus e da Aliança Atlântica, manteremos o apoio inequívoco, político, militar, financeiro e humanitário, pelo tempo que for preciso”, assegurou Marcelo Rebelo de Sousa numa mensagem publicada em português e ucraniano no site da Presidência na internet.

A Presidência da República adiantou à agência Lusa que hoje, dia em que se assinala o segundo aniversário da invasão pela Rússia, o Palácio de Belém vai estar, desde o pôr do sol, iluminado com as cores da Ucrânia.

Na sua mensagem, o chefe de Estado português manifesta, em nome dos portugueses e em seu próprio nome, a “profunda admiração pela coragem, determinação e resiliência exibidos” pelo povo ucraniano, qualidades que, recorda, teve oportunidade de testemunhar quando visitou a Ucrânia no verão passado.

“Nesta data, quero ainda prestar homenagem aos muitos milhares de vítimas mortais desta violenta guerra perpetrada pela Rússia”, refere Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente da República salienta ainda que Portugal mantém a sua “condenação absoluta da guerra injusta, ilegal e imoral” que continua a ser levada a cabo pela Rússia, em “violação flagrante” do Direito Internacional e da Carta das Nações Unidas.

“Não devemos, também, esquecer-nos dos milhares de crianças ucranianas que foram deportadas involuntariamente para a Rússia, apelando ao regresso em segurança de todos estes menores”, refere a mensagem.

Marcelo Rebelo de Sousa assegura também que Portugal mantém o “compromisso inabalável” para com a soberania e integridade territorial da Ucrânia e que as autoridades e os portugueses “continuarão a acolher em Portugal todos aqueles que aqui se quiserem abrigar”.

“O lugar da Ucrânia é na União Europeia”, salienta o chefe de Estado, que manifesta a sua satisfação pelas decisões do Conselho Europeu de conceder à Ucrânia o estatuto de candidato à União Europeia e de abrir as negociações de adesão.

“Apoiamos também a aspiração da Ucrânia em aderir à NATO, esperando que esse momento possa chegar em breve”, refere o Presidente da República, reiterando, no final do texto, que “até que a plena integridade soberana da Ucrânia seja restabelecida e a ordem internacional restaurada, Portugal continuará a oferecer o seu apoio, sem reservas”.

A ofensiva militar russa no território ucraniano, lançada a 24 de fevereiro de 2022, mergulhou a Europa naquela que é considerada a crise de segurança mais grave desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Os aliados ocidentais da Ucrânia têm fornecido armas a Kiev e aprovado sucessivos pacotes de sanções contra interesses russos para tentar diminuir a capacidade de Moscovo de financiar o esforço de guerra.

Lisboa ao lado de Kiev "pelo tempo que for necessário", diz Costa

Também hoje, o primeiro-ministro português afirmou que Portugal estará ao lado da “resistência heroica” do povo e das forças armadas ucranianas pelo tempo que for necessário, até que seja alcançada uma paz justa e duradoura.

Esta posição foi transmitida por António Costa em mensagens publicadas na manhã deste sábado na sua conta na rede social X (antigo Twitter).

“Há dois anos começou a guerra na Ucrânia - uma guerra trágica, injustificada, ilegal e da exclusiva responsabilidade da Rússia. Dois anos de resistência heroica do povo e das forças armadas ucranianas, de luta pela sua liberdade, soberania e integridade territorial”, escreveu o primeiro-ministro.

Nesta suas mensagens, divulgadas em português e inglês, António Costa salienta que “Portugal está firmemente do lado da Ucrânia, desde o primeiro momento”.

“Assim continuaremos, pelo tempo que for necessário, até que a Ucrânia possa viver numa paz justa e duradoura”, acrescentou.

O primeiro-ministro participa na segunda-feira, em Paris, na reunião de alto nível para apoio à Ucrânia e que foi convocada pelo Presidente de França, numa altura em que se assinalam dois anos do início da invasão russa.

De acordo com uma nota do gabinete de António Costa, o primeiro-ministro português foi convidado por Emmanuel Macron para participar nesta reunião de apoio a Kiev, que juntará vários chefes de Estado e de Governo no Palácio do Eliseu.

A reunião de Paris, segundo fonte do Eliseu citada pela EFE, "permitirá estudar os meios disponíveis para reforçar a cooperação entre os parceiros no apoio à Ucrânia".

Nos últimos dias, vários governos europeus insistiram na necessidade de coordenar melhor o fornecimento de equipamento militar à Ucrânia.

Nas últimas semanas, a Ucrânia assinou acordos bilaterais de segurança com o Reino Unido, a França e a Alemanha e está a negociar pactos semelhantes com outros países.

Em 01 de fevereiro, os líderes da União Europeia chegaram a um acordo sobre apoio financeiro de 50 mil milhões de euros à Ucrânia.

Continue a ler esta notícia

Relacionados