As armas falsas que a Ucrânia quer que a Rússia destrua - TVI

As armas falsas que a Ucrânia quer que a Rússia destrua

  • CNN
  • Melissa Bell, Daria Martina Tarasova e Pierre Bairin
  • 11 set 2023, 19:25
Ucrânia está a utilizar armas falsas para esgotar as reservas dos militares russos. CNN

Veja-se, por exemplo, o obus M777 de 155 mm. O modelo real custa vários milhões de dólares. A versão da Metinvest custa menos de 1000 dólares e não envolve nada mais sofisticado do que velhos canos de esgoto. Mas - e este é o ponto - custa às forças russas destruir com um ataque de drone tanto quanto a arma real

Relacionados

Foram criadas com um único objetivo em mente: serem destruídas o mais rapidamente possível. A empresa siderúrgica que está por detrás destas armas falsas tem um êxito notável: centenas delas foram atacadas pelas forças russas quase no mesmo instante em que foram lançadas.

Canhões ucranianos D-20, obuses M777 de fabrico americano, morteiros, radares de defesa aérea... a lista continua. Se está instalado e operacional na Ucrânia, é provável que a Metinvest o tenha copiado, ou esteja a fazê-lo, dentro do pequeno hangar que se situa, escondido, à beira de uma vasta zona industrial no centro do país. Aí encontrará um impressionante conjunto de réplicas da mais recente tecnologia americana e europeia.

A Metinvest fez uma série de réplicas da mais recente tecnologia americana e europeia de combate, incluindo canhões ucranianos D-20, obuses M777 de fabrico americano, morteiros e radares de defesa aérea. Obtido pela CNN

Antes da guerra, a empresa era o maior grupo metalúrgico da Ucrânia, mas não estava envolvida no fabrico de armas, de acordo com um representante da empresa que pediu o anonimato. De facto, continua a não ter, uma vez que a sua única incursão no mundo do armamento é esta linha lateral de armadilhas, notavelmente fiel à vida, mas não equipada nem com capacidade de tiro, nem com a etiqueta de preço elevado.

O objetivo, diz o porta-voz, é duplo: salvar vidas ucranianas e levar os russos a desperdiçar os seus próprios drones, projéteis e mísseis kamikaze, muito caros.

A ideia é que, a partir do céu, as armas falsas pareçam dignas de serem atacadas, sem custarem muito. E isso significou encontrar um equilíbrio na escolha dos materiais, complementando o contraplacado barato - que não emite a assinatura térmica correta para enganar os radares e drones russos - com metal suficiente para os enganar.

"A guerra é cara e precisamos que os russos gastem dinheiro a utilizar drones e mísseis para destruir os nossos engodos", explica o porta-voz da Metinvest. "Afinal de contas, os drones e os mísseis são caros. Os nossos modelos são muito, muito mais baratos."

Veja-se, por exemplo, o obus M777 de 155 mm. O modelo real custa vários milhões de dólares. A versão da Metinvest custa menos de 1000 dólares e não envolve nada mais sofisticado do que velhos canos de esgoto. Mas - e este é o ponto - custa às forças russas destruir com um ataque de drone tanto quanto a arma real.

"Depois de cada ataque, os militares entregam-nos os destroços dos troféus", explica o porta-voz da empresa. "Nós recolhemo-los. Se o nosso engodo foi destruído, então não trabalhámos em vão."

Inicialmente, as armas falsas eram bastante rudimentares, diz. Quando a guerra começou, os trabalhadores da empresa apressaram-se a fazer réplicas para serem enviadas para as linhas da frente, de modo a fazer com que a Ucrânia parecesse mais bem armada do que realmente estava. Mas à medida que a guerra foi avançando e o armamento que chegou ao país foi-se tornando cada vez mais sofisticado, o mesmo aconteceu com os engodos da Metinvest.

O verdadeiro teste agora - a medida do sucesso de cada arma falsa - é o tempo que permanecem no terreno. Se uma criação sobrevive mais tempo do que o esperado, os designers da empresa voltam à prancheta. Como resultado, o catálogo de armas falsas está a tornar-se impressionantemente longo e variado.

Se uma criação sobreviver demasiado tempo no terreno, os designers de armas falsas voltam à prancheta, resultando num catálogo longo e variado de armamento falso. Obtido pela CNN

"Não contamos o número de engodos produzidos, mas sim o número de engodos destruídos, e isso é o mais importante para nós", sublinha o porta-voz. "Quanto mais cedo os nossos engodos forem destruídos, melhor para nós."

Até agora, conta, foram destruídas muitas centenas e a empresa está a ter dificuldades em satisfazer a procura do exército. À CNN são mostradas fotografias das armas falsas no terreno, em várias fases da sua curta vida, e também uma imagem da qual se orgulham particularmente.

Nela vê-se, pendurada numa árvore algures na Ucrânia, uma efígie em tamanho real do presidente russo Vladimir Putin. 

É também o trabalho dos seus homens, assume com satisfação, e tal como as armas, espera que em breve seja coisa do passado.

Continue a ler esta notícia

Relacionados