Sou israelita, sou de esquerda, sou soldado: luto em nome de um governo que não apoio, estou devastado com as mortes em Gaza. Mas estou do lado certo da História - TVI

Sou israelita, sou de esquerda, sou soldado: luto em nome de um governo que não apoio, estou devastado com as mortes em Gaza. Mas estou do lado certo da História

  • CNN
  • Ivana Kottasová e Adi Koplewitz
  • 5 fev, 10:03
Fotografia tirada de uma posição no sul de Israel, na fronteira com Gaza, mostra fumo a pairar sobre o território palestiniano durante os bombardeamentos israelitas, enquanto um tanque israelita toma posição a 16 de janeiro de 2024, no meio dos combates em curso entre Israel e o grupo militante Hamas. Menahem Kahana/AFP/Getty Images

Soldados israelitas debatem-se com a realidade da guerra em Gaza. À medida que o número de mortos aumenta, alguns apelam a um novo governo, outros dizem que lutar é a única opção. E há casos de quem pensa estas duas coisas ao mesmo tempo

Soldados israelitas com dificuldade em conciliar as suas opiniões políticas com a realidade da guerra

Amos Shani Atzmon diz que não culpa os palestinianos de Gaza por odiarem Israel neste momento.

"Eles têm boas razões. Quando se veem cidades a arder e a serem bombardeadas... Tive um amigo próximo que foi morto em Gaza e penso nas pessoas cujas famílias morreram nos bombardeamentos", afirmou.

Reservista das Forças de Defesa de Israel (FDI), Atzmon, de 26 anos, foi convocado poucas horas depois de o Hamas ter lançado o seu brutal ataque terrorista contra Israel, assassinando cerca de 1 200 pessoas e raptando outras 253.

Israel retaliou rapidamente contra o ataque de 7 de outubro com uma campanha maciça de bombardeamento aéreo, seguida de uma operação terrestre. Desde então, mais de 27 mil pessoas foram mortas em Gaza, de acordo com o Ministério da Saúde do enclave controlado pelo Hamas. De acordo com as agências da ONU, 400 mil habitantes de Gaza correm o risco de morrer à fome.

O ministério não faz distinção entre combatentes do Hamas e civis, mas afirma que cerca de 70% das vítimas são mulheres e crianças. Israel calcula ter morto cerca de 10 mil militantes do Hamas desde 7 de outubro. A CNN não está em condições de confirmar estes números de forma independente.

A comunidade internacional, incluindo alguns dos aliados mais próximos de Israel, está cada vez mais horrorizada com a escala da violência infligida aos civis em Gaza.

O Tribunal Internacional de Justiça (TIJ) considerou que é "plausível" que Israel esteja a cometer genocídio em Gaza e ordenou a Israel que "tomasse todas as medidas" para limitar a morte e a destruição causadas pela sua campanha militar, prevenir e punir o incitamento ao genocídio e garantir o acesso à ajuda humanitária. A decisão do TIJ não é uma decisão sobre se as acções de Israel constituem genocídio.

De qualquer forma, pouco mudou no terreno.

Atzmon diz que é o "tipo de esquerda" da sua unidade. Tal como dezenas de milhares de outras pessoas, passou a maior parte da primavera e do verão passados a protestar contra o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e os seus planos de reformulação do sistema judicial de Israel.

O governo de Netanyahu é o mais à direita da história de Israel, rejeitando a ideia de um Estado palestiniano e apoiando os colonatos judeus na Cisjordânia.

Atzmon quer que Israel trabalhe para uma solução de dois Estados. "O povo palestiniano nunca deixará de lutar contra nós enquanto não tiver a sua própria autonomia. E penso que o objetivo final tem de ser esse", afirmou.

As suas opiniões políticas são por vezes difíceis de conciliar com a realidade de ser um soldado, lutando em nome de um governo que não apoia. Diz que se tem debatido com isto desde que começou a formar as suas opiniões políticas por volta dos 15 anos, antecipando o serviço militar - algo que quase toda a gente em Israel tem de cumprir.

"Estou devastado com a morte de pessoas em Gaza, crianças, idosos. Homens normais (com 26 anos), como eu, não queremos morrer. Mas tenho o direito de me defender e de defender a minha família, os meus amigos, os meus entes queridos", afirmou, rejeitando a ideia de que o ataque terrorista do Hamas tenha sido um ato de "resistência" contra o bloqueio israelita. "Não estou a dizer que não se trata de uma situação complexa. Mas tenho a certeza absoluta de que estou do lado certo da história e que estou a tentar defender as pessoas."

"O que aconteceu nos kibutzim pareceu-me a coisa mais desumana que alguma vez testemunhei. Por isso, ao confrontar-me com este tipo de maldade, senti, e continuo a sentir, que entrar na guerra é a única maneira. Porque não se trata de pessoas com quem eu possa falar ou compreender", acrescentou.

Centenas de pessoas foram assassinadas em Be'eri, Nir Oz, Kfar Azza e noutros kibutzim perto do perímetro de Gaza.

Atzmon afirma que quer Netanyahu, que está a ser julgado por suborno, fraude e quebra de confiança, afastado do cargo - e quanto mais cedo melhor. "Ele devia ter-se demitido no dia 7 de outubro. Queria acordar no dia 8 e vê-lo na televisão a dizer às pessoas: 'Falhei convosco e peço desculpa. Vou demitir-me", mas isso não aconteceu", disse, acrescentando que teria gostado de ver quase qualquer outra pessoa no cargo.

 

Amos Shani Atzmon, reservista das IDF, fotografado em Jerusalém a 31 de janeiro de 2023, poucos dias depois de regressar de uma missão em Gaza. Ivana Kottasová/CNN

Estudando para se tornar assistente social, Atzmon é apaixonado pelas suas convicções políticas. No entanto, como soldado, tem lutado lado a lado com pessoas cujas opiniões não podiam estar mais longe das suas.

O serviço militar é obrigatório para todos os cidadãos judeus e para os cidadãos drusos e circassianos de Israel. Os cidadãos árabes e os judeus ultra-ortodoxos estão isentos do serviço militar, embora possam optar por alistar-se.

As rigorosas leis de recrutamento significam que o exército é politicamente tão diverso como a sociedade israelita. Pessoas que, de outra forma, não se cruzariam, são subitamente empurradas umas para as outras e obrigadas a ultrapassar as suas diferenças.

Emmanuel, um reservista de 35 anos que serve atualmente numa unidade de combate na Faixa de Gaza e arredores, é tão apaixonadamente de direita como Atzmon é de esquerda.

Ao contrário de Atzmon, Emmanuel ainda está no ativo e está oficialmente proibido de falar com os jornalistas. Por isso, pediu à CNN para não publicar o seu nome completo.

Emmanuel acredita que Israel terá de controlar Gaza durante muitos anos, concordando com Netanyuahu, que disse querer que Israel tenha "responsabilidade global de segurança" na faixa durante um "período indefinido" após o fim da guerra.

Emmanuel diz que a Cisjordânia pode servir de modelo para o futuro de Gaza. O facto de se referir à região pelo seu nome bíblico e aos antigos reinos israelitas - "Judeia e Samaria" - é apenas um pequeno lembrete de que, nesta região de divisões e complexidades, as palavras que se escolhem falam muito das convicções de cada um.

A utilização do nome bíblico da antiga pátria do povo judeu é uma forma de o governo israelita tentar legitimar os colonatos judeus na Cisjordânia ocupada, que são considerados ilegais pelo direito internacional.

Atzmon, por outro lado, chama-lhe Cisjordânia e diz ter "muita certeza" de que está sob ocupação.

"Os palestinianos deveriam controlar a sua própria área, como fazem em (algumas partes) da Judeia e Samaria, mas onde Israel tem acesso a todas as aldeias e cidades", disse Emmanuel à CNN numa entrevista telefónica, falando a partir da sua base perto da Faixa de Gaza. "Se quisermos entrar em Ramallah, não há problema. Se entrarmos em Ramallah, neutralizamos a ameaça".

Alguns dos parceiros de coligação de Netanyahu vão um pouco mais longe, propondo a construção de colonatos judeus em Gaza.

A questão dos colonatos judaicos na Cisjordânia é já uma grande falha na sociedade israelita e nas relações diplomáticas do país. A ideia de construir colonatos em Gaza alarmou os aliados de Israel, com o principal diplomata dos Estados Unidos a censurar os planos.

Até agora, o próprio Netanyahu tem rejeitado a ideia de novos colonatos em Gaza como "irrealista", dizendo numa declaração em inglês que "Israel não tem intenção de ocupar permanentemente Gaza ou de deslocar a sua população civil".

Mas Emmanuel apoia essa ideia.

"Temos de criar novos colonatos. Não porque queiramos eliminar os palestinianos. Não. Temos de ter uma vitória clara sobre os nossos inimigos que toda a gente compreenda. Este é o preço que pagam se se meterem connosco", afirmou. 

De acordo com as Nações Unidas, estima-se que mais de 1,9 milhões de pessoas em Gaza, ou seja, quase 85% da população, estejam deslocadas internamente. Os esforços para os forçar a abandonar permanentemente as suas casas constituiriam uma violação do direito internacional - e são um dos argumentos apresentados pela África do Sul no seu processo no TIJ contra Israel. 

"E a segunda razão é a segurança. Sabemos que, na Judeia e na Samaria, é mais fácil controlar a segurança na zona se existirem colonatos", afirmou.

As divisões e discussões no seio da sociedade israelita sobre o futuro de Gaza e da Cisjordânia tornaram-se ainda mais profundas e acesas desde os ataques de 7 de outubro.

No entanto, nem toda a gente se envolve.

Para o soldado de combate Mendel, de 19 anos, as divergências políticas parecem, nesta altura, um pouco sem sentido.

"A política... não tem importância nenhuma. Estamos no exército e estamos lá para proteger as pessoas e protegermo-nos uns aos outros. E não importa o que pensas, nem o teu aspeto, nem de onde vens", disse à CNN numa entrevista realizada num centro de retiros de Jerusalém gerido pela Never Alone, uma organização que presta apoio a "soldados solitários" sem família em Israel.

Americano de Long Island, Mendel decidiu alistar-se nas IDF depois de viver em Israel durante alguns anos.

Ao contrário de Emmanuel e Atzmon, Mendel não tem experiência militar anterior. Foi recrutado apenas alguns meses antes do início da guerra e, desde então, foi destacado para Gaza como parte do Batalhão Netzah Yehuda - uma unidade das IDF especificamente concebida para acolher militares religiosos. Pediu também à CNN para não publicar o seu nome completo devido ao seu serviço ativo.

Mendel diz que, quando foi recrutado, não pensava que iria participar numa guerra. Mas as coisas mudaram a partir de 7 de outubro. 

 "Ainda estão a fazer reféns lá. O que é que querem que façamos? Se recuarmos e eles ainda tiverem os nossos reféns? O que farias se fosses tu? O que é que gostariam que a vossa família fizesse se fossem vocês?"

Conversações difíceis

De acordo com as FDI, 224 soldados israelitas foram mortos em Gaza desde o início da operação terrestre no final de outubro.

Entre eles, disse Atzmon, estava o seu melhor amigo, que foi morto numa batalha no sul de Gaza no final de dezembro.

Atzmon diz à CNN que os dois tiveram muitas conversas sobre a guerra e os civis apanhados nela - algo que ele considera parte do seu dever como soldados.

"É nossa obrigação pensar e discutir o assunto, porque a distância entre lutar pelos nossos entes queridos e matar pessoas por vingança é muito, muito pequena", disse durante uma entrevista em Jerusalém na quarta-feira, poucos dias depois de regressar do seu destacamento.

E diz acreditar que os soldados e as forças armadas em geral têm de estar sempre a falar sobre o que é uma força proporcional.

"Porque se não o fizermos, se entrarmos em Gaza e fizermos o que quisermos por pura vingança, então seremos tão maus como o Hamas. E não vamos ser. Não vou deixar que me transformem num assassino", afirmou.

Mas muitos fora de Israel argumentam que os limites da proporcionalidade foram ultrapassados. Numa demonstração sem precedentes de dissidência coordenada, mais de 800 funcionários dos Estados Unidos e da Europa assinaram uma crítica contundente à política ocidental em relação a Israel e a Gaza, acusando os seus governos de possível cumplicidade em crimes de guerra.

Emmanuel diz que também simpatiza com os civis inocentes. Mas acredita que a única opção é travar a guerra da forma como está a ser conduzida atualmente.

Os sucessivos governos israelitas estão errados ao acreditarem que manter Gaza isolada e sob bloqueio "resolverá" a situação.

"Não acredito que Churchill ou Roosevelt tenham pensado que podiam gerir Hitler. Não há como controlar os nossos inimigos. Ou os deixamos destruir o nosso país ou os derrotamos", disse. "E para que fique claro, não estamos em guerra com o povo palestiniano em Gaza. A nossa guerra é contra o Hamas. Ninguém quer matar um civil inocente, uma mulher inocente, uma criança inocente - mas se temos de travar uma guerra, há baixas. "

Mendel, de longe o mais jovem do trio, diz que sente fortemente a injustiça "horrível" de pessoas inocentes morrerem.

"As guerras não deviam acontecer, (o Hamas) não devia ter começado isto e nada disto teria acontecido", disse. "E não acho que o facto de a ter começado justifique a morte de civis, mas é uma guerra e a guerra é uma coisa horrível e brutal, mas ou é isso ou eles teriam massacrado o resto de nós com sorrisos na cara".

Acima de tudo, ele diz que só quer que a guerra acabe. Diz que tem saudades da família, especialmente da mãe.

"Ela é a melhor de todas", desabafa. "E faz o melhor challah do mundo", acrescenta, referindo-se ao pão trançado tradicional judaico servido em ocasiões especiais.

Mendel tem ainda cerca de dois anos de serviço militar. Se a guerra vai acabar na altura em que ele terminar, isso ninguém sabe.

Continue a ler esta notícia