“A casa e a sala de estar estavam cheias de balas”: sobreviventes contam o horror do ataque do Hamas - TVI

“A casa e a sala de estar estavam cheias de balas”: sobreviventes contam o horror do ataque do Hamas

  • CNN
  • Becky Anderson e Zeena Saifi
  • 10 out 2023, 11:17
Conflito entre Israel e palestinianos do Hamas

A casa da família Shindler, no kibutz de Kerem Shalom, situa-se a poucos passos do local onde os militantes atravessaram a fronteira de Gaza

Os membros de uma família israelita que sobreviveram a um ataque do Hamas à sua casa descreveram o terror desencadeado pelos militantes islâmicos durante o seu ataque sem precedentes no sul de Israel, no sábado.

A casa da família Shindler, no kibutz de Kerem Shalom, situa-se a poucos passos do local onde os militantes atravessaram a fronteira de Gaza, lançando uma vaga de assassinatos contra civis.

“Acordaram-nos às 6:30, 'alerta vermelho'”, disse à CNN Revital Shindler, mãe de seis filhos pequenos. “Fomos à casa de banho. Começámos a ouvir tiros de todo o lado, e a casa e a sala de estar ficaram cheias de balas.”

“O meu marido ouviu ruídos em árabe dentro de casa. Foi imediatamente para o quarto seguro e segurou a maçaneta da porta para que ninguém pudesse entrar. Eles gritaram-nos 'somos soldados das IDF, queremos entrar'.”

“Ouvimos que tinham sotaque árabe e dissemos: 'Não vamos abrir a porta', e houve uma batalha de gritos.”

Segundo ela, os militantes atiraram uma granada contra a porta, fazendo o seu marido, Amichai, voar pelos ares.

Amichai Shindler, de 33 anos, sobreviveu à explosão e está a recuperar no hospital de Telavive, depois de lhe ter sido amputado um dos braços, informou a mulher.

Não é a primeira vez que a família experimenta a dor de um ataque terrorista. Há mais de uma década, perderam o irmão de 24 anos de Amichai, disse a sua mãe, Sagalit. Foi baleado por militantes durante um surto de tensão entre palestinianos e israelitas.

“Faz-me recordar 13 anos atrás, para lidar com este massacre, esta monstruosidade. É muito difícil e triste”, disse.

Apesar do horror do ataque de sábado, a família disse que se mantém otimista e espera que os feridos sobrevivam.

“Acreditamos que Amichai sairá vivo desta situação e que todos os outros feridos também sairão. Queremos paz, é tudo o que queremos”, disse Revital à CNN.

“Não temos medo, vamos continuar a viver nestes sítios. Não vamos fugir como eles querem porque esta é a nossa casa e não temos outra”.

Continue a ler esta notícia