“A minha vida não vale a pena sem a minha família”. Habitantes de Gaza presos fora do enclave temem pelas suas famílias - TVI

“A minha vida não vale a pena sem a minha família”. Habitantes de Gaza presos fora do enclave temem pelas suas famílias

  • CNN
  • Ivana Kottasová, Abeer Salman, Wisam Jafari, Jeremy Diamond e Matthias Somm
  • 16 out 2023, 08:03
Ataques aéreos israelitas continuam a provocar destruição e morte da Faixa de Gaza (AP)

Os homens no salão de casamentos do campo de refugiados de Dheisheh, na Cisjordânia, passam a maior parte dos seus dias e noites colados aos telemóveis, a fumar e a atualizar constantemente os seus feeds de notícias. Parecem exaustos, com os horrores dos últimos dias bem visíveis nos seus rostos.

Estes 180 homens - são todos homens - são refugiados de Gaza. Fazem parte dos cerca de 18 mil residentes do enclave que têm autorizações de trabalho israelitas e estão autorizados a atravessar a fronteira de um lado para o outro. Quando as Forças de Defesa de Israel (FDI) fecharam todos os acessos a Gaza, na sequência do ataque mortal do Hamas no passado sábado, estes homens ficaram retidos.

As suas mulheres e filhos continuam em Khan Younis, uma cidade no sul de Gaza que é agora o epicentro da sua própria crise de refugiados em rápida evolução, sem qualquer forma de sair.

As FDI têm estado a bombardear Gaza com ataques aéreos e artilharia, depois de os combatentes do Hamas terem encenado um ataque terrorista e lançado milhares de rockets que, até agora, mataram pelo menos 1400 pessoas. O grupo terrorista também raptou cerca de 150 pessoas no dia 7 de outubro, durante este ataque sem precedentes.

As forças armadas israelitas afirmam que o seu objetivo é destruir o Hamas e garantir que nunca mais possa levar a cabo um ataque deste tipo. Mas o número de civis afectados por esta campanha tem sido imenso. O Ministério da Saúde palestiniano em Gaza disse que 2 450 pessoas foram mortas nos últimos oito dias, o que é mais do que durante toda a guerra de 2014, que durou 51 dias.

A mulher e os cinco filhos de Ismail Abd Almagid - quatro raparigas e um rapaz - estão em Gaza, enquanto ele está no campo de refugiados. Tem vídeos de todos eles no seu telemóvel. Um deles mostra a sua filha mais nova, Misk, a comer um pedaço de manga. Quando passa o vídeo, as lágrimas começam a correr-lhe pela cara.

Tala, a sua segunda filha mais velha, foi ferida na guerra de 2014, quando a família estava em casa dos pais dele. "Ela adora patins, por isso disse-lhe que os traria quando voltasse", disse ele.

Abd Almagid, de 44 anos, disse à CNN que tenta manter-se sempre em contacto com a mulher, mas a comunicação tem sido difícil desde que Israel cortou o acesso de Gaza à eletricidade, alimentos e água.

Última atualização: 15 de outubro de 2023.
Fontes: Gabinete das Nações Unidas para a Coordenação dos Assuntos Humanitários; Forças de Defesa Israelitas; Ministério da Saúde palestiniano
Gráficos: Henrik Pettersson e Alex Leeds Matthews, CNN

"Os meus filhos dizem-me para rezar por eles. A situação é muito difícil por lá", disse ele. "Eu voltaria (para Gaza) agora mesmo... mesmo com tudo o que está a acontecer, levem-me para Gaza, eu vou convosco agora mesmo... a minha vida não vale a pena sem a minha família".

Neste momento, está em curso uma enorme deslocação da população em Gaza, com centenas de milhares de pessoas a dirigirem-se para sul, muitas delas para as ruas sobrelotadas de Khan Younis.

 

Continue a ler esta notícia