As vidas palestinianas são importantes para o mundo? - TVI

As vidas palestinianas são importantes para o mundo?

  • CNN
  • Hani Almadhoun
  • 12 nov 2023, 17:00
Faixa de Gaza

OPINIÃO || "A decisão da minha mãe de dormir na sala de estar com todos os netos para os manter por perto, quer nesta vida quer na outra, é uma expressão pungente do seu amor e do esforço que está disposta a fazer para os proteger."

Nota do editor: Hani Almadhoun é diretor de Filantropia da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados dos EUA. Cresceu em Gaza, onde a sua família ainda vive. As opiniões expressas neste comentário são da sua inteira responsabilidade.

 

Continuo à espera que alguém me acorde.

Enquanto assisto à surreal e assustadora devastação nas ruas de Gaza, onde vivem os meus pais, e à trágica perda de mais de 10 mil vidas palestinianas que se desenrola em tempo real, o meu coração continua a afundar-se.

Agarro-me à esperança de que algo, ou alguém, possa pôr fim a este pesadelo. Mas isso nunca acontece.
Em vez disso, dou por mim a chorar todos os dias pelas famílias afectadas e a afligir-me com as profundas injustiças que permitem a persistência de uma perda de vidas tão horrível.

A minha mulher e eu acordamos todas as manhãs na Virgínia [nos EUA], sabendo que não vamos ter boas notícias a cerca de seis mil quilómetros de distância, em Gaza. As últimas notícias aumentam o nosso desespero, deixando os palestinianos a suportar o peso destas atrocidades, enquanto o mundo assiste.

Sentimo-nos num estado inquietante, como se acordássemos de uma cirurgia, ainda anestesiados. Conhecemos o que nos rodeia, mas uma ação significativa parece-nos ilusória.

Destruição e caos no campo de refugiados de Al-Maghazi, em Gaza, a 6 de novembro. Belal Khaled/Anadolu/Getty Images

Ahmad, que é meu primo materno, perdeu os pais e todos os irmãos numa única explosão de bomba na segunda-feira. Pensar que uns meros quatro minutos em que ele esteve fora de casa fizeram a diferença entre a vida e a morte é algo que me arrepia até ao tutano.

Os meus colegas da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA) no terreno fornecem relatórios diários sobre baixas de pessoal, instalações atingidas ou danificadas por ataques aéreos israelitas e escassez de alimentos, água, medicamentos e combustível em Gaza.

O bloqueio paralisante de 16 anos imposto por Israel já significava que 75% da população de Gaza precisava de assistência alimentar da UNRWA para comer mesmo antes das últimas hostilidades.

Os nossos planos de fim de ano da UNRWA USA para assegurar patrocinadores para bolsas de estudo universitárias destinadas a estudantes refugiados academicamente dotados em Gaza foram alterados devido aos recentes acontecimentos. As instituições de ensino superior, incluindo a Universidade Al-Azhar, onde passei um semestre, estão agora em ruínas.

Os académicos e os estudantes de Gaza mudaram drasticamente o seu foco de atenção, deixando de contemplar as suas futuras carreiras para se concentrarem na sobrevivência básica.

A catástrofe que se está a desenrolar em Gaza levanta questões críticas sobre a relevância das leis humanitárias internacionais. Será que ainda são importantes? As vidas palestinianas são importantes para o mundo? Hani Almadhoun

A catástrofe que se está a desenrolar em Gaza levanta questões críticas sobre a relevância das leis humanitárias internacionais. Será que ainda são importantes? As vidas palestinianas são importantes para o mundo?

As palavras da minha mãe em Gaza captam o impacto dos acontecimentos desde 7 de outubro. Depois de dias de grande preocupação e de um bloqueio total das comunicações, ela confidenciou "Passamos os dias e as noites a olhar para o teto, imaginando que a qualquer momento vai cair uma bomba que nos transitar para o próximo capítulo".

É um testemunho sobre o medo persistente e da incerteza que paira sobre a minha família. A decisão da minha mãe de dormir na sala de estar com todos os netos para os manter por perto, quer nesta vida quer na outra, é uma expressão pungente do seu amor e do esforço que está disposta a fazer para os proteger.

O meu sobrinho de oito anos, Yazan, que encontra consolo na sua crença de que o cobertor da avó serve de escudo, é ao mesmo tempo comovente e emocionante.

Em tempos tão difíceis, são estes pequenos actos de amor e carinho que proporcionam um vislumbre de esperança e uma sensação de segurança, mesmo num mundo profundamente perigoso.

Tempos mais felizes: o escritor Hani Almadhoun (à esquerda) a comprar doces para Eid com a sua família na cidade de Gaza, durante uma visita a casa no verão. Foto Hani Almadhoun

O fardo colocado sobre os ombros jovens como os de Yazan é um testemunho doloroso dos desafios extraordinários que se colocam na atual Gaza. Ficar horas numa fila só para obter pão, agora um bem precioso numa zona de guerra que luta contra a escassez de alimentos e de água, é um reflexo das dificuldades diárias.

O meu sobrinho Omar disse-me: "Sempre que saio de casa, pergunto a mim próprio se voltarei para casa e encontrarei a minha família ilesa ou se serei azarado e estarei no sítio errado à hora errada".

Nestes momentos de profunda angústia e reflexão, é imperativo que a comunidade internacional, incluindo líderes como o Presidente dos EUA, Joe Biden, se unam e apelem urgentemente a um cessar-fogo.

Temos de garantir que os direitos humanos e as leis internacionais sejam respeitados, promovendo um mundo onde nenhuma vida seja considerada descartável, independentemente da nacionalidade ou da origem de alguém. Temos de lutar por um futuro em que o valor de cada indivíduo, incluindo os palestinianos, seja respeitado e protegido.

Se não nos mobilizarmos em prol dos civis que vivem na Faixa de Gaza, estaremos a empurrá-los ainda mais para o abismo do desespero e da falta de esperança.

Os palestinianos, cansados de viver durante décadas sob uma ocupação militar violenta, nunca desistiram. O direito internacional exige que mesmo uma potência ocupante garanta a saúde e a segurança da população ocupada e proíbe explicitamente a punição colectiva e/ou a transferência forçada.

No entanto, quando vejo a situação atual em Gaza e o ataque implacável a toda a população, não posso deixar de me perguntar se os militares israelitas pretendem uma rendição final para nos ensinar a nós e aos nossos filhos, como ensinaram aos nossos avós antes de nós, que somos um povo derrotado.

Deixei Gaza em meados de agosto e, ao sair do cruzamento de Rafah, disse aos meus amigos: "Tomem conta da pátria". Nunca esta frase me pareceu tão relevante.

Continue a ler esta notícia