Médicos de Gaza avisam: bebés e feridos de bombardeamentos que dependem de fornecimento de oxigénio vão morrer se não for fornecido combustível - TVI

Médicos de Gaza avisam: bebés e feridos de bombardeamentos que dependem de fornecimento de oxigénio vão morrer se não for fornecido combustível

  • CNN
  • Helen Regan e Rob Picheta
  • 25 out 2023, 13:59
Palestiniano ferido num bombardeamento israelita é levado para um hospital em Deir Al-Balah, no sul da Faixa de Gaza, quarta-feira, 25 de outubro de 2023. AP PhotoHatem Moussa)

ONU diz que a escassez de combustível vai parar as operações de ajuda em Gaza até ao final desta quarta-feira

As reservas de combustível vitais para o funcionamento dos hospitais e para o abastecimento de água em Gaza estão prestes a esgotar-se, segundo uma agência das Nações Unidas. Isso agrava a crise num território densamente povoado que já enfrenta graves carências.

O aviso da principal agência das Nações Unidas a trabalhar em Gaza, de que será forçada a suspender as suas operações na quarta-feira à noite devido à falta de combustível, surge no momento em que os ataques aéreos israelitas à faixa sitiada mataram mais de 700 pessoas em 24 horas, segundo as autoridades palestinianas.

"Se não recebermos combustível com urgência, seremos forçados a suspender as nossas operações na Faixa de Gaza a partir de amanhã à noite", escreveu a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Próximo Oriente (UNRWA) nas redes sociais. Gaza precisa de pelo menos 160 mil litros de combustível por dia para suprir as necessidades básicas, disse a porta-voz da UNRWA, Juliette Touma.

Os médicos dos hospitais sobrecarregados, à beira do encerramento, têm avisado repetidamente que as vagas de novos pacientes feridos nos bombardeamentos diários e os bebés que dependem do fornecimento de oxigénio morrerão se não for fornecido combustível.

O secretário-geral António Guterres apelou na terça-feira a "um cessar-fogo humanitário imediato", afirmando que "as claras violações do direito internacional humanitário" estão a ser testemunhadas em Gaza.

"Proteger os civis não significa ordenar a evacuação de mais de um milhão de pessoas para o sul, onde não há abrigo, nem comida, nem água, nem medicamentos, nem combustível, e depois continuar a bombardear o próprio sul", afirmou António Guterres.

Guterres classificou o assassinato e o sequestro cometidos pelo Hamas no dia 7 de outubro como "aterradores", mas afirmou que "não podem justificar a punição colectiva do povo palestiniano. Excelências, até a guerra tem regras".

"É importante reconhecer também que os ataques do Hamas não aconteceram no vácuo", disse Guterres. "O povo palestiniano tem estado sujeito a 56 anos de ocupação sufocante. Tem visto as suas terras serem constantemente devoradas por colonatos e assoladas pela violência; a sua economia sufocada; o seu povo deslocado e as suas casas demolidas."

Estas observações suscitaram uma reação furiosa por parte dos funcionários israelitas. O embaixador de Israel na ONU, Gilad Erdan, apelou a Guterres para que "se demitisse imediatamente" após os seus comentários e escreveu nas redes sociais que ele "não era adequado para liderar a ONU".

Na quarta-feira, Erdan afirmou que o seu país irá bloquear a concessão de vistos aos funcionários das Nações Unidas. Erdan disse ao canal da Rádio do Exército israelita que o seu governo já tinha rejeitado um pedido de visto do subsecretário-geral da ONU para os Assuntos Humanitários e Coordenador de Ajuda de Emergência, Martin Griffiths.

"É altura de lhes darmos uma lição", acrescentou Erdan.

O ministro dos Negócios Estrangeiros israelita, Eli Cohen, que esteve nas Nações Unidas na terça-feira, disse que não se iria encontrar com Guterres e que "não há lugar para uma abordagem equilibrada".

"O Hamas deve ser eliminado da face do planeta!" escreveu Cohen no X, antigo Twitter.

O Secretário-Geral da ONU, António Guterres, fala durante uma reunião do Conselho de Segurança na sede das Nações Unidas, a 24 de outubro. Seth Wenig/AP

Uma crise cada vez mais profunda

A deterioração do ambiente sanitário, a falta de saneamento e o consumo de água suja e salgada em Gaza estão a fazer temer uma crise sanitária em que as pessoas poderão começar a morrer de desidratação, à medida que o sistema de abastecimento de água entra em colapso e as bombas continuam a chover.

Segundo a UNRWA, apenas oito dos 20 camiões de ajuda humanitária que deveriam ter entrado em Gaza na terça-feira fizeram a viagem. Não foi apresentada nenhuma razão específica para que os outros 12 camiões não tenham passado pela passagem de Rafah.

Desde o início do cerco israelita, há duas semanas, seis hospitais de Gaza foram obrigados a fechar devido à falta de combustível, informou a Organização Mundial de Saúde na terça-feira.

Entre os que correm o risco de morrer ou de sofrer complicações médicas encontram-se "1000 pacientes dependentes de diálise" e "130 bebés prematuros", bem como outros pacientes vulneráveis "que dependem de um fornecimento estável e ininterrupto de eletricidade para se manterem vivos", afirmou a OMS em comunicado.

Os pacientes recebem tratamento no Hospital Nasser em Khan Yunis, Gaza, em 24 de outubro de 2023. Mustafa Hassona/Anadolu/Getty Images

As Forças de Defesa de Israel (FDI) excluíram, na terça-feira, a possibilidade de permitir a entrada de combustível em Gaza, afirmando que o Hamas iria cooptar combustível para as suas infraestruturas operacionais e para continuar os seus ataques com rockets.

Israel também contestou a existência de escassez de combustível em Gaza. Em reação ao post da UNRWA no X sobre a escassez de abastecimento, as IDF publicaram uma fotografia aérea do que diziam ser tanques de combustível em Gaza, afirmando que tinham mais de 500.000 litros de combustível. A CNN não conseguiu verificar a alegação das IDF.

Os dirigentes israelitas prometeram aniquilar o Hamas em resposta aos mortíferos ataques terroristas e sequestros de 7 de outubro, em que 1 400 pessoas, na sua maioria civis, foram mortas e mais de 200 foram feitas reféns.

Na sequência do ataque, Israel lançou um bombardeamento aéreo sustentado sobre Gaza que, segundo as autoridades sanitárias palestinianas, já matou mais de 5.000 pessoas.

Mais de 700 pessoas foram mortas em Gaza nas últimas 24 horas, o número diário mais elevado desde que os ataques israelitas contra alvos do Hamas em Gaza começaram há duas semanas e meia, de acordo com o Ministério da Saúde palestiniano em Ramallah, na terça-feira.

Entre os mortos contam-se 305 crianças, 173 mulheres e 78 idosos, segundo o ministério.

Cerca de dois milhões de pessoas estão amontoadas na faixa costeira de 365 quilómetros quadrados que constitui Gaza, metade das quais são crianças.

Não há consenso internacional

À medida que a crise humanitária em Gaza se agrava, a comunidade internacional tem-se esforçado por chegar a um consenso.

Os EUA refutaram os apelos a um cessar-fogo entre Israel e o Hamas, com o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, John Kirby, a dizer à CNN, na segunda-feira, que o Hamas tem de libertar primeiro os reféns detidos em Gaza.

As conversações para garantir a libertação de um grande número de reféns detidos pelo Hamas em Gaza estão em curso, informou a CNN na terça-feira, citando duas fontes familiarizadas com o assunto e um diplomata ocidental familiarizado com as deliberações, mas as conversações estão a ser complicadas por uma série de factores.

Os Estados Unidos, Israel, o Qatar, o Egipto e o Hamas estão envolvidos nas deliberações em curso. Até à data, foram libertados quatro reféns - dois americanos e dois israelitas. Mas a esperança agora é chegar a um acordo para que um grupo maior de reféns seja libertado de uma só vez.

Até à data, Israel tem adiado a incursão terrestre em Gaza e os EUA têm pressionado Israel a adiar a libertação de mais reféns detidos pelo Hamas.

O ministro dos Negócios Estrangeiros Cohen afirmou na terça-feira, à margem da ONU, que a missão de Israel é trazer os reféns para casa.

"Enquanto estamos aqui, há bebés que estão em cativeiro, gémeos, sobreviventes do holocausto, e nós temos uma missão: Trazê-los para casa", disse Cohen.

Os conselheiros militares norte-americanos também instaram os israelitas a evitar um ataque terrestre total em Gaza e a afastar Israel do tipo de combate urbano brutal em que os Estados Unidos se envolveram contra os insurrectos durante a Guerra do Iraque, num esforço para evitar que os israelitas se atolassem em combates sangrentos, casa a casa, disseram à CNN várias fontes familiarizadas com o assunto.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, pareceu dizer aos soldados na terça-feira que uma ofensiva terrestre ainda estava em curso, dizendo: "estamos perante a próxima fase, ela está a chegar".

 

Abeer Salman, Hamdi Alkhshali, Kareem El Damanhoury, Eyad Kourdi, AnneClaire Stapleton, Mariya Knight, Richard Roth, Chris Liakos, Maya Szaniecki, Tamar Michaelis, Eve Brennan, Vasco Cotovio, Julia Puckette, Clarissa Ward, Jomana Karadsheh, Amy Cassidy, MJ Lee, Kaitlan Collins, Kevin Liptak e Alex Marquardt contribuíram para esta reportagem.

Continue a ler esta notícia