Nova vaga de antissemitismo ameaça abalar um mundo já de si instável - TVI

Nova vaga de antissemitismo ameaça abalar um mundo já de si instável

  • CNN
  • Stephen Collinson
  • 3 nov 2023, 09:00
Fotografias de mais de 1000 pessoas raptadas, desaparecidas ou mortas no ataque do Hamas são exibidas em cadeiras vazias no Auditório Smolarz da Universidade de Tel Aviv, em Tel Aviv, Israel, no domingo. Leon Neal/Getty Images

ANÁLISE || Num mundo ideal, as críticas à resposta militar de Israel centrar-se-iam apenas no seu governo e não se repercutiriam contra os judeus de todo o mundo - muitos dos quais se opõem à linha dura do governo do país. Mas, na prática, o antissemitismo pode tornar-se mais difundido nas próximas semanas

A História está a lançar avisos ao mundo.

Manifestações de antissemitismo têm sido muitas vezes o prenúncio de sociedades com grandes problemas e presságios de que o extremismo e a violência estão iminentes.

Assim, a onda de ódio global dirigida contra os judeus - intensificada pela resposta indiscriminada de Israel em Gaza aos horríveis assassínios de civis israelitas por terroristas do Hamas, a 7 de outubro - não deve ser vista apenas como uma reação ao facto de o Médio Oriente estar novamente a mergulhar na guerra.

O antissemitismo recente é também um reflexo das forças destrutivas que dilaceram as sociedades americanas e da Europa Ocidental, onde a estabilidade e a democracia já estão sob pressão.

Os ataques do Hamas - um pogrom contra os judeus que matou 1.400 pessoas, na sua maioria civis - deram início a uma sequência de acontecimentos que deixaram os judeus de todo o mundo a sentirem-se ameaçados. E agora que o Governo israelita procurou retaliar através de ataques aéreos e operações em Gaza contra o Hamas, as cenas de carnificina nas comunidades palestinianas ameaçam esvaziar ainda mais a simpatia pública por Israel no estrangeiro e, em alguns casos, contribuir para uma atmosfera que corre o risco de agravar o assédio ao povo judeu.

Nos Estados Unidos, vive-se um clima de medo crescente.

As escolas judaicas de dia cancelaram as aulas. As sinagogas foram encerradas. Os meios de comunicação social estão repletos de ódio contra os judeus, deixando uma comunidade que nunca poderá escapar ao seu trauma histórico a perguntar-se, mais uma vez, onde e quando poderá estar segura.

O ódio crescente é tangível. A ideia de que os judeus americanos que estudam na Universidade de Cornell poderiam temer tanto pelas suas vidas no campus da Ivy League, na zona rural de Nova Iorque, que nem sequer poderiam comer juntos em 2023, parece quase impossível de acreditar. Mas é o que acontece depois de terem sido publicadas ameaças de morte na Internet. As tensões já estavam altas depois de um professor de Cornell ter dito que estava inicialmente "entusiasmado" com os ataques do Hamas, num evento pró-palestiniano, porque o grupo tinha alterado o equilíbrio de forças. Mais tarde, pediu desculpa pela sua escolha de palavras. Na segunda-feira, a polícia intensificou as patrulhas e a governadora de Nova Iorque, a democrata Kathy Hochul, deslocou-se ao campus para afirmar que "não toleraremos ameaças, ódio ou antissemitismo". Mas um sentimento de medo invade Cornell, disse Molly Goldstein, copresidente do Cornell Center for Jewish Living. "Os estudantes judeus no campus neste momento estão incrivelmente aterrorizados pelas suas vidas", disse ela à CNN. "Nunca esperaria que isto acontecesse no campus da minha universidade".

As assustadoras ameaças online em Cornell, que são apenas uma parte da vaga de antissemitismo exacerbada pelas consequências da guerra de Gaza, fazem com que muitos judeus se interroguem se a sua segurança pode ser garantida nos Estados Unidos - quanto mais em Israel, onde os ataques destruíram a ilusão de segurança do povo judeu. Os protestos pró-palestinianos em algumas universidades ultrapassaram a linha do antissemitismo e levaram os republicanos e alguns democratas a avisar que os campus estão nas garras do radicalismo de extrema-esquerda.

Noutros locais, num dos muitos outros incidentes, a casa de um sobrevivente do Holocausto, em Beverly Hills, foi pintada com graffitis antissemitas onde se lia "F- Jews". Também se registaram vários casos de antissemitismo na Europa, que, no passado, foi frequentemente criticada pelos responsáveis norte-americanos por ter feito muito pouco para reprimir este flagelo, mesmo quando ele estava a propagar-se na América. Numa das cenas mais chocantes, uma multidão invadiu um aeroporto na região russa do Daguestão, de maioria muçulmana, onde um voo proveniente de Israel chegou no domingo, gritando: "Não há lugar para assassinos de crianças no Daguestão". São cenas com ecos arrepiantes dos anos 40 - uma década de destruição e carnificina que já foi evocada nos últimos 18 meses pela investida da Rússia contra civis na Ucrânia.

Imagens do motim no aeroporto de Daguestão. Foto AP

Quase um século após a ascensão do nazismo e o início do Holocausto, que matou pelo menos seis milhões de judeus europeus, os descendentes dos mortos estão novamente a ser ameaçados por causa de quem são, da sua história e do seu culto. As nações que muitas vezes juraram "Nunca Mais" em eventos comemorativos do Holocausto enfrentam agora a responsabilidade de combater o antissemitismo no seu próprio país, tal como foram forçadas a mobilizar-se contra a retórica, a violência e o preconceito anti-muçulmanos após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 pela Al Qaeda - que também continua a ser uma ameaça hoje em dia, como o Presidente dos EUA, Joe Biden, observou no seu discurso na Sala Oval a 20 de outubro, após regressar de uma viagem a Israel. "Rejeitamos todas as formas de ódio, seja contra muçulmanos, judeus ou qualquer pessoa. É o que fazem as grandes nações, e nós somos uma grande nação", afirmou.

3 de outubro de 1938. Ocupação nazi da Checoslováquia. A multidão faz a saudação nazi às tropas alemãs, que entram em marcha à passo de ganso em Friedland, na região dos Sudetas. Esta região foi cedida foi à Alemanha depois dos acordos de Munique. Foto Keystone/Hulton Archive/Getty Images

Na segunda-feira, Biden revelou novas medidas para combater o antissemitismo nos campus universitários e altos funcionários sublinharam a necessidade de combater o ódio anti-judaico. "É perigoso, é inaceitável - em qualquer parte do mundo, certamente aqui nos Estados Unidos da América", disse John Kirby, coordenador de comunicações estratégicas do Conselho de Segurança Nacional, no programa "CNN This Morning".

A necessidade é grande desde que o diretor do FBI, Christopher Wray, alertou na terça-feira que o antisemitismo está a atingir "níveis históricos" nos EUA.

"De facto, as nossas estatísticas indicam que um grupo que representa apenas 2,4% do público americano é alvo de cerca de 60% de todos os crimes de ódio com base na religião", disse Wray sobre a comunidade judaica americana numa audiência no Senado.

Mas os esforços para combater a situação com mais segurança podem ser difíceis enquanto o horror no Médio Oriente continua a desenrolar-se.

Israel rejeita a ideia de que a sua ação em Gaza seja indiscriminada, afirmando que, ao contrário do Hamas nos seus ataques terroristas, não procura atingir civis e culpa o grupo militante por ter instalado as suas infra-estruturas militares em zonas altamente povoadas de Gaza. No entanto, os seus ataques militares causaram um grande número de vítimas civis e os habitantes de Gaza que foram aconselhados a evacuar não têm para onde ir, num território que enfrenta uma catástrofe humanitária devido à escassez de água, cuidados médicos e alimentos. A questão das tácticas israelitas voltou a ser levantada na terça-feira, depois de um ataque das Forças de Defesa de Israel ter provocado uma enorme explosão no campo de refugiados de Jabalya, no norte de Gaza, causando muitas vítimas, segundo as autoridades de ambos os lados.

Num mundo ideal, as críticas à resposta militar de Israel centrar-se-iam apenas no seu governo e não se repercutiriam contra os judeus de todo o mundo - muitos dos quais se opõem à linha dura do governo do país.

Mas, na prática, o antissemitismo pode tornar-se mais difundido nas próximas semanas.

Um problema cada vez maior nos Estados Unidos

O presidente norte-americano Joe Biden a ser recebido em Telavive com um abraço do primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu (Associated Press)

Nos últimos anos, o antissemitismo tem sido frequentemente impulsionado nos Estados Unidos por grupos de extrema-direita. O ódio do nacionalismo branco foi encapsulado pelo canto assombroso dos manifestantes em Charlottesville, Virgínia, em 2017: "Os judeus não nos vão substituir". O antigo Presidente Donald Trump, por seu turno, jogou com um tropo antissemita ao sugerir que os judeus americanos eram atormentados por uma dupla lealdade aos EUA e a Israel e que lhe deviam estar mais gratos pelas suas políticas em relação ao Estado judaico. Mas a reação ao agravamento da crise em Israel e em Gaza mostrou que o antissemitismo também está em ebulição na extrema-esquerda. Alguns manifestantes pró-palestinianos nos EUA, por exemplo, pareceram abraçar o Hamas, um grupo militante palestiniano classificado pelos Estados Unidos como uma organização terrorista que impôs a repressão aos palestinianos em Gaza e perpetrou os massacres israelitas.

Estudos académicos demonstraram que o antissemitismo aumenta frequentemente nos momentos de crise do conflito israelo-palestiniano. Isto sugere que se trata de uma força latente à superfície na sociedade norte-americana e que só precisa do impulso de um acontecimento para entrar em erupção. A Liga Anti-Difamação, por exemplo, registou um aumento de 400% nos incidentes antissemitas nos EUA desde 7 de outubro. Dito isto, organizações como a ADL também registaram um aumento do ódio contra os judeus americanos nos últimos anos, durante um período comparativo de calma no Médio Oriente, o que sugere que as forças internas e o aumento da retórica extrema e do ódio alimentado pela violência também estão a impulsionar o problema. A organização detalhou 3.697 incidentes antissemitas nos EUA em 2022, um aumento de 36% em relação ao ano anterior e o maior já registado.

Ainda assim, a política cada vez mais tensa e dividida nas nações ocidentais já abaladas pelo extremismo torna quase impossível o tratamento diferenciado da questão israelo-palestiniana. O diálogo tóxico nas redes sociais e a inundação de informações inexactas agravam o problema, enquanto os partidários predispostos a apoiar Israel ou os palestinianos equiparam frequentemente as acções do Hamas e do governo israelita a civis que não têm qualquer controlo sobre elas.

A par das ameaças e do assédio de que foram alvo os judeus nas últimas semanas, os americanos ficaram também traumatizados com o chocante esfaqueamento fatal de um rapaz de 6 anos de Chicago, de origem palestiniana, alegadamente pelo senhorio da sua família, que está a ser investigado pelo Departamento de Justiça como um crime de ódio. A morte sem sentido recordou o alcance assassino dos antagonismos históricos no Médio Oriente e sublinhou a magnitude da enorme tragédia humana da região, em que os civis - israelitas e árabes - são frequentemente apanhados em acontecimentos horríveis em que não têm qualquer papel ou responsabilidade.

A história do Médio Oriente é um labirinto moral

A questão israelo-palestiniana é de uma complexidade histórica, geográfica e política tal que é fácil para os políticos internos do Ocidente agarrarem-se a qualquer aspeto do conflito para fazerem avançar os seus próprios objectivos políticos. Cada assassínio, guerra, massacre ou conflito lança as sementes dos seus sucessores na região.

Esta realidade está a refletir-se na política interna gerada pelo conflito nos EUA e na Europa.

Desde os ataques em Israel, os manifestantes que defendem os direitos dos palestinianos e se preocupam com as baixas civis nas áreas urbanas e nos campos de refugiados de Gaza têm sido frequentemente acusados pelos meios de comunicação conservadores de apoiar os terroristas. No passado, os apoiantes mais empenhados de Israel tentaram muitas vezes, e de forma incorrecta, classificar qualquer crítica a Israel por parte de políticos ou jornalistas como antissemitismo. Alguns elementos da esquerda, ao apelarem a um cessar-fogo imediato nos últimos dias, pareceram questionar o direito de Israel a defender-se, depois da terrível carnificina de civis.

As ameaças antissemitas, por seu turno, surgem frequentemente da ideia de que todos os judeus, por definição, devem de alguma forma partilhar a responsabilidade pelo que é visto como a negação do estatuto de Estado palestiniano ou pelas políticas de construção de colonatos em terras palestinianas na Cisjordânia, prosseguidas por sucessivos governos israelitas.

Na segunda-feira, o líder da maioria no Senado dos EUA, Chuck Schumer, tentou identificar o momento em que a oposição às políticas israelitas se transforma em antissemitismo. "Estou doente e assustado com as notícias que chegaram da Universidade de Cornell", disse o democrata nova-iorquino, alertando para o facto de as ameaças serem "absolutamente revoltantes", mas não isoladas. "Temos de condenar todas as formas de ódio. Ninguém nega que as pessoas de boa vontade podem ter divergências sobre o conflito no Médio Oriente, mas a linha vermelha é ultrapassada quando essas divergências conduzem à violência ou a ameaças de violência".

Uma lição que os americanos aprenderam nos últimos anos é que o seu país não está imune à agitação política e ao ódio que muitos pensavam não ter lugar no século XXI num país moderno, democrático e desenvolvido. Afinal de contas, os Estados Unidos sofreram recentemente um ataque da máfia ao Congresso, alimentado por falsas alegações de eleições roubadas.

O antissemitismo não é exceção.

"Muitos de nós não esperávamos ver estes acontecimentos a desenrolarem-se aqui mesmo, na América - mas o facto é que podem acontecer aqui", disse Jonathan Greenblatt, diretor executivo da Liga Anti-Difamação, a Kasie Hunt no programa "State of the Race" da CNN Max, na segunda-feira.

"Uma multidão que atravessa um aeroporto na Rússia à procura de judeus para linchar é aterradora, mas é igualmente aterradora a situação de um estudante de Cornell que encontra nos quadros de mensagens gerais estas mensagens para 'cortar a garganta aos judeus'".

"Isto é antissemitismo, isto está a ameaçar os judeus em todo o mundo".

A História não acaba. Apenas adormece e depois repete-se.

Um monumento em forma de menorá [candelabro de sete braços, um dos principais símbolos do Judaísmo] danificado na entrada do complexo memorial do Holocausto Drobytsky Yar em Kharkiv, Ucrânia, a 27 de março de 2022. O monumento está no local de um assassinato em massa de judeus durante a Segunda Guerra Mundial. Foto: Sergey Bobok/AFP/Getty Images

 

Continue a ler esta notícia