O que é a passagem de Rafah, a última esperança dos habitantes de Gaza para escapar à guerra? E como funciona? - TVI

O que é a passagem de Rafah, a última esperança dos habitantes de Gaza para escapar à guerra? E como funciona?

  • CNN
  • Abbas Al Lawati, Mohammed Abdelbary e Rob Picheta
  • 3 nov 2023, 12:34
Palestinianos atravessam para o lado egípcio do posto fronteiriço com a Faixa de Gaza na quarta-feira, 1 de novembro de 2023. em Rafah na quarta-feira, 1 de novembro de 2023.(AP PhotoHatem Ali)

Relacionados

Um pequeno número de palestinianos e estrangeiros pôde finalmente sair de Gaza, depois de semanas de intensas negociações que resultaram na abertura parcial do posto fronteiriço de Rafah, com o Egipto.

A fronteira no sul do enclave sitiado tem sido vista como a última esperança de fuga para os habitantes de Gaza, numa altura em que as bombas de Israel chovem sobre a faixa.

Na quarta-feira, algumas pessoas saíram de Gaza através de Rafah, na sequência de um acordo mediado pelo Catar entre Israel, o Hamas e o Egipto, em coordenação com os Estados Unidos.

Pouco depois, os camiões de ajuda humanitária puderam começar a entrar em maior número no enclave na direção oposta - um desenvolvimento que também exigiu longas conversações.

Rafah é o único posto fronteiriço de Gaza que não é controlado por Israel, que fechou as suas passagens com o território após o ataque do Hamas a 7 de outubro. É um local crucial tendo em conta o agravamento da situação humanitária no território.

Eis o que precisa de saber sobre o assunto.

Qual é a situação atual em Rafah?

Durante as primeiras semanas da guerra entre Israel e Gaza, a passagem de Rafah permaneceu fechada, deixando os palestinianos sem saída do enclave.

Mas recentemente foi parcialmente aberta para permitir a entrada de um pequeno número de camiões de ajuda em Gaza. E, na quarta-feira, voltou a abrir para permitir a saída de um número limitado de cem palestinianos feridos e de cidadãos estrangeiros - os primeiros não reféns a serem libertados de Gaza desde os ataques do Hamas a Israel, em 7 de outubro.

Os palestinianos feridos foram rapidamente transferidos para hospitais no Egipto, enquanto as ambulâncias e os funcionários do consulado esperavam no lado egípcio para processar as entradas no país.

Numa primeira atualização na tarde de quarta-feira, as autoridades do lado palestiniano disseram que 110 titulares de passaportes estrangeiros tinham saído de Gaza. Ainda não era claro se todos os titulares de passaportes estrangeiros tinham atravessado para o Egipto.

Entretanto, os trabalhadores humanitários afirmaram que os abastecimentos que chegaram a Gaza são uma fração do que é necessário para os 2,2 milhões de pessoas amontoadas no enclave sob um bloqueio imposto por Israel e pelo Egipto. Israel tem dito repetidamente que o combustível seria desviado pelo Hamas para o seu próprio esforço de guerra.

O Programa Alimentar Mundial (PAM) descreveu a situação em Gaza como "catastrófica", devido à falta de alimentos, água, eletricidade e combustível, e apelou a que fosse autorizada a entrada de mais ajuda no território.

 

Como funciona a passagem de Rafah
Depois de Israel ter encerrado as suas passagens com Gaza, a passagem de Rafah, entre o Egipto e Gaza, é a única via viável para fazer chegar ajuda ao enclave palestiniano.

Porque é que a passagem é tão importante neste momento?

Situada no norte do Sinai egípcio, a passagem de Rafah é o único posto fronteiriço entre Gaza e o Egipto. Situa-se ao longo de uma vedação de 12,8 quilómetros que separa Gaza do deserto do Sinai.

Gaza mudou de mãos várias vezes ao longo dos últimos 70 anos. Ficou sob o controlo egípcio na guerra israelo-árabe de 1948 e foi capturada por Israel na guerra de 1967, após a qual Israel começou a instalar ali judeus e restringiu significativamente a circulação dos seus residentes palestinianos. Em 2005, Israel retirou as suas tropas e colonos do território e, dois anos mais tarde, a faixa foi tomada pelo Hamas.

Desde então, o Egipto e Israel impuseram controlos rigorosos nas respectivas fronteiras com o território e Israel bloqueia-o ainda mais, restringindo as viagens por via marítima ou aérea. Israel também cercou o território com uma vedação fronteiriça fortemente fortificada.

Antes da guerra que começou no início de outubro, Israel tinha dois pontos de passagem para Gaza: Erez, para a circulação de pessoas, e Kerem Shalom, para mercadorias. Ambos estavam sujeitos a fortes restrições e foram encerrados desde o início da guerra.

Assim, a passagem de Rafah para o Egipto é o único ponto de entrada do território no mundo exterior.

De acordo com os dados das Nações Unidas, em julho deste ano, uma média de 27 mil pessoas atravessaram a fronteira por mês. Até esse mês, a fronteira esteve aberta durante 138 dias e fechada durante 74.

Os encerramentos dependem frequentemente da situação política e de segurança no terreno. Embora Israel não tenha controlo direto sobre a passagem, os encerramentos do Egipto coincidem frequentemente com o endurecimento das restrições impostas por Israel a Gaza.

Como é que o acesso ao posto de passagem de Rafah mudou ao longo do tempo?

Israel e o Egipto assinaram um tratado de paz em 1982, que levou o Estado judeu a retirar-se da Península do Sinai, que tinha capturado ao Egipto em 1967.

Israel abriu então a passagem de Rafah, que controlou até à sua retirada de Gaza em 2005. Entre essa data e a tomada de Gaza pelo Hamas em 2007, a passagem foi controlada pela União Europeia, que trabalhou em estreita colaboração com os funcionários egípcios.

Entre 2005 e 2007, cerca de 450 mil pessoas utilizaram a passagem, com uma média de cerca de 1.500 pessoas por dia.

Após a tomada do poder pelo Hamas, o Egipto e Israel reforçaram significativamente as restrições à circulação de mercadorias e pessoas que entram e saem do território. Mas em 2008, militantes fizeram explodir fortificações na fronteira com o Egipto, perto de Rafah, levando pelo menos 50 mil habitantes de Gaza a entrar no Egipto para comprar alimentos, combustível e outros bens.

Pouco depois da explosão, o Egipto selou a sua barreira com arame farpado e barricadas de metal.

Desde então, o posto fronteiriço de Rafah tem sido alvo de um controlo apertado, com acesso limitado e longos processos burocráticos e de segurança exigidos aos palestinianos que pretendem entrar no Egipto.

Pessoas entram no posto fronteiriço de Rafah, no sul da Faixa de Gaza, antes de atravessarem para o Egipto, em 1 de novembro de 2023. Dezenas de titulares de passaportes estrangeiros retidos em Gaza começaram a deixar o território palestiniano devastado pela guerra em 1 de novembro, quando a passagem de Rafah para o Egipto foi aberta pela primeira vez desde os ataques do Hamas a Israel em 7 de outubro. Foto de Mohammed Abed /AFP via Getty Images

Como é normalmente atravessar a fronteira de Rafah?

O movimento através de Rafah em dias normais é extremamente limitado; apenas os habitantes de Gaza com autorização e os cidadãos estrangeiros podem utilizá-lo para viajar entre Gaza e o Egipto.

Os habitantes de Gaza que desejam atravessar a fronteira têm frequentemente de esperar muito tempo. Jason Shawa, um americano palestiniano de Seattle que vive em Gaza, diz que o processo tem demorado, no mínimo, 30 dias, mas que o tempo de espera pode durar até três meses.

Segundo ele, os viajantes precisam de uma autorização de saída do Hamas e de uma autorização de entrada do Egipto. O processo exige que ele apresente seus documentos a um escritório do governo do Hamas para obter uma autorização de saída do território. Alguns dias mais tarde, recebia uma mensagem de texto a indicar-lhe o dia em que podia partir, o que podia acontecer até três meses mais tarde.

No dia da partida, um autocarro levava os viajantes do lado palestiniano da fronteira para o lado egípcio, onde esperavam horas até que as autoridades egípcias recebessem e processassem os pedidos de visto. Muitos viajantes são recusados nesse local, disse Shawa, acrescentando que os palestinianos são regularmente maltratados.

Porque é que o Egipto está relutante em abrir a passagem aos habitantes de Gaza?

O Egipto, que já acolhe milhões de migrantes, está inquieto com a perspetiva de centenas de milhares de refugiados palestinianos atravessarem o seu território. Mais de 2 milhões de palestinianos vivem em Gaza.

O Presidente egípcio, Abdel Fattah el-Sisi, afirmou recentemente que o seu país está a tentar ajudar - dentro dos limites.

"É claro que somos solidários. Mas atenção, enquanto simpatizamos, temos de usar sempre a nossa mente para alcançar a paz e a segurança de uma forma que não nos custe muito", afirmou.

Muitos também se indignaram com a ideia de transformar a população de Gaza em refugiados mais uma vez, deslocando-os de Gaza. A maioria dos habitantes de Gaza está registada pela ONU como refugiados, cujos antepassados vieram de zonas que hoje fazem parte de Israel.

"Penso que se trata de um plano dos suspeitos do costume para tentar criar questões de facto no terreno. Não há refugiados na Jordânia. Não há refugiados no Egipto", afirmou o rei Abdullah da Jordânia.

O Egipto apelou a Israel para que permita a entrada de ajuda humanitária através de Rafah, mas ainda não cedeu aos apelos dos EUA para que seja criado um corredor seguro para os civis dentro do território egípcio.

Primeiros feridos retirados da Faixa de Gaza pela passagem de Rafah, a 1 de novembro. Foto: AP

 

Continue a ler esta notícia

Relacionados