Pai de Emily Hand descreve como a filha sobreviveu ao cativeiro do Hamas - TVI

Pai de Emily Hand descreve como a filha sobreviveu ao cativeiro do Hamas

  • CNN
  • Clarissa Ward, Brent Swails e Rachel Clarke
  • 29 nov 2023, 07:48

Thomas Hand pensava que a menina, que completou nove anos na Faixa de Gaza, tinha morrido

Relacionados

Emily Hand teve de correr de casa em casa, forçada pelo Hamas a deslocar-se quando as forças israelitas atacaram Gaza, disse o pai, Thomas Hand, à CNN Internacional.

"É aterrador. Ser puxada, arrastada, empurrada... provavelmente sob fogo de armas", disse.

É um dos pormenores que a filha está a partilhar lentamente sobre o que aconteceu depois de ter sido raptada a 7 de outubro e levada para Gaza, um lugar a que agora chama "a caixa".

"Ela está a falar lentamente, pouco a pouco", disse Hand.

"Só saberemos o que ela realmente passou quando ela se abrir", disse ele à CNN. "Eu quero saber tanta informação... mas temos de os deixar, quando estiverem prontos, revelar tudo."

Emily, que fez nove anos em cativeiro, esteve presa com a amiga Hila Rotem-Shoshani e a mãe de Hila, Raaya, antes de as crianças terem sido libertadas no sábado passado.

Raaya cuidava de Hila e Emily como se fossem suas filhas, disse Hand. E a separação de Hila da sua mãe duas noites antes da libertação das raparigas - em violação dos acordos celebrados entre o Hamas e Israel - foi "mais um passo de crueldade", afirmou.

Esta fotografia de setembro mostra Emily Hand perto do Kibbutz Be'eri (CNN)

Da morte ao cativeiro e à esperança

Emily estava a dormir em casa de Hila quando os terroristas do Hamas invadiram o Kibbutz Be'eri. Hand ficou preso em casa durante horas, sem conseguir contactar a filha, enquanto a comunidade era devastada - cerca de 130 residentes mortos e outros capturados.

Cerca de dois dias depois, os líderes do kibbutz disseram-lhe que o corpo de Emily tinha sido visto. Ele contou à CNN: "Eles disseram simplesmente: 'encontrámos a Emily. Ela está morta.’ E eu disse: "Sim!" E sorri porque essa era a melhor notícia de todas as possibilidades que eu conhecia... Por isso, a morte foi uma bênção, uma bênção absoluta".

Mas quase um mês depois, o exército israelita disse-lhe que era "altamente provável" que Emily estivesse viva e fosse refém do Hamas. Hand disse que os militares estavam a juntar informações. Nenhum dos restos mortais no Kibbutz Be'eri foi identificado como sendo de Emily. Não havia sangue na casa onde ela dormia. E os telemóveis da família de Hila tinham sido localizados em Gaza.

De um sentimento de que a morte seria uma bênção, passou a ter todo o medo das condições em que Emily estava a ser mantida. "O desconhecido é terrível. A espera é terrível", disse à CNN enquanto ela estava cativa. Mas havia também alguma esperança.

Celebração com vídeo de Beyoncé e cão da família

Oito semanas depois de ter visto a filha pela última vez, Hand foi informado de que Emily estava na lista do segundo grupo de reféns a serem libertados no âmbito das tréguas temporárias entre Israel e o Hamas.

Tentou conter o entusiasmo quando chegou à base para onde estavam a ser levados os reféns libertados. Houve um longo atraso e depois soube que ela estava com a Cruz Vermelha.

"De repente, a porta abriu-se e ela correu. Foi lindo, tal como eu tinha imaginado, corrermos juntos", disse Thomas. "Provavelmente apertei-a com demasiada força", acrescentou, dando a sua opinião sobre o agora icónico vídeo do reencontro, em que cumprimenta a filha com a alcunha de "Emush".

"Só quando ela se afastou é que pude ver que o seu rosto era cinzelado, como o meu, ao passo que antes era rechonchudo, feminino, um rosto de criança."

Tal como os outros reféns, Emily perdeu peso e Hand disse que nunca a tinha visto tão pálida.

E ficou chocado quando ela falou com ele.

"A parte mais chocante e perturbadora de a reencontrar foi o facto de ela estar apenas a sussurrar, não se conseguia ouvir. Tive de encostar o meu ouvido aos lábios dela", disse. "Ela tinha sido condicionada a não fazer barulho."

Uma fotografia de pai e filha divulgada pelas Forças de Defesa de Israel mostra um vislumbre da situação.

"Podia-se ver o terror com os olhos vidrados", disse.

Mas também viu um sinal da criança que conhecia quando lhe ofereceu o seu telemóvel na carrinha, à saída da entrega.

"A primeira coisa que ela fez foi pôr uma música da Beyoncé", disse, acrescentando que ela também estava a sorrir e a começar a rir novamente.

Ele tinha levado o cão da família, Johnsie, para a reunião, para oferecer e receber amor incondicional, caso Emily ficasse zangada com ele por não a ter ido salvar - um receio que ele tem desde que soube que ela estava viva.

Mas Emily disse ao pai que pensava que ele também tinha sido feito refém.

E quando ele lhe perguntou quanto tempo pensava que ela tinha estado desaparecida, ela respondeu "um ano".

"Para além dos sussurros, isso foi um murro nas entranhas. Um ano."

Emily Hand abraça o pai num hospital em Israel depois de ter sido libertada pelo Hamas em 25 de novembro (IDF)

Privação, mas agora recuperação

Os reféns tinham comida suficiente para sobreviver e muita água para beber, disse Hand. "Tomavam sempre o pequeno-almoço, às vezes o almoço, às vezes alguma coisa à noite.

Emily tinha tanta fome que aprendeu a gostar de comer pão simples com azeite.

Dizia que "ninguém nos batia" e Hand imagina que só a força das vozes era suficiente para a controlar. As crianças não podiam fazer barulho e pouco podiam fazer para além de desenhar e jogar às cartas.

Hand está muito grato pelo facto de Emily ter ficado com Hila e Raaya durante a maior parte do tempo, sentindo-se reconfortado por saber que Emily tinha alguém para cuidar dela. "Ela cuidava delas como se fossem os seus dois filhos."

Emily perdeu a mãe com cancro quando tinha apenas dois anos. E Hand teve de lhe dizer que a sua "segunda mãe" foi morta a 7 de outubro. Narkis Hand era a antiga mulher de Hand e mãe dos dois meios-irmãos de Emily.

"Foi muito difícil. Contámos-lhe e os olhinhos dela ficaram vidrados e ela respirou fundo", disse ele.

Para além da tristeza, da pele pálida e do rosto encovado, Emily regressou com a cabeça cheia de piolhos, disse Hand.

Mas está a regressar lentamente. Tenta esticar os dias com a família, mas quando finalmente se deita, dorme a sério.

E ainda não se fechou. "Ontem à noite chorou até ficar com a cara vermelha e manchada, não conseguia parar. Não queria ser consolada, acho que se esqueceu de como pode ser consolada", diz Hand.  "Foi para debaixo dos cobertores da cama, da colcha, tapou-se e chorou em silêncio".

Ela não queria ser tocada, por isso Hand esperou até que ela estivesse pronta. "Ela é uma menina muito determinada, muito forte, e eu sabia que o seu espírito a iria ajudar a ultrapassar isto."

Emily e Hila agora olham uma pela outra, diz Hand. Na segunda-feira, comemoraram o 13º aniversário de Hila com um bolo no hospital e também trouxeram um bolo para Emily, pelo 9º aniversário que perdeu em Gaza.

A atenção de Thomas está agora dividida. Tem de pôr a Emily boa. E fará tudo o que puder para que Raya regresse a casa e todos os outros reféns também. E espera que o apoio que sentiu enquanto Emily esteve desaparecida se mantenha forte.

"Temos de trazer a Raya de volta para a Hila, para a Emily, para a justiça", disse.

"Não nos deixem em silêncio agora", implorou ao mundo. "Tragam-nos para casa, tragam-nos para casa".

Continue a ler esta notícia

Relacionados