Porque é que o Egito não abre a fronteira aos seus vizinhos palestinianos - TVI

Porque é que o Egito não abre a fronteira aos seus vizinhos palestinianos

  • CNN
  • Ghaith al-Omari e David Schenker
  • 25 out 2023, 21:00
Ataques em Gaza por Israel (ver descrição e crédito na foto)

OPINIÃO || As posições do Egito refletem preocupações sérias e legítimas. Uma década após o início da guerra civil síria, o Egito afirma acolher nove milhões de refugiados de diferentes países.

Nota do Editor: Ghaith al-Omari é membro sénior do Washington Institute for Near East Policy e antigo conselheiro dos palestinianos durante as conversações sobre o estatuto permanente entre Israel e a Organização de Libertação da Palestina. David Schenker é diretor do Programa de Política Árabe do Instituto de Washington e antigo secretário de Estado adjunto dos EUA para os Assuntos do Próximo Oriente. As opiniões expressas neste comentário são da sua inteira responsabilidade.

 

O Egito ressurgiu como um ator central no Médio Oriente graças à Guerra Israel-Gaza. A cimeira que o Cairo organizou no sábado para um conjunto de líderes árabes e europeus foi o exemplo da sua influência renovada. Embora não tenha produzido uma declaração unificada das partes, sublinhando os desafios de encontrar um terreno comum, o Cairo foi o ator crucial na reunião dos principais líderes, depois de vários países árabes se terem recusado a reunir com o Presidente dos EUA, Joe Biden, no início da semana.

No entanto, a importância do Egito não o limita a ser um líder entre os países árabes aliados do Ocidente. O país é um parceiro fundamental para a administração Biden em todas as questões relacionadas com Gaza, porque o seu controlo da passagem de Rafah - atualmente o único ponto de entrada na conflituosa Faixa de Gaza desde que Israel fechou todas as passagens nas suas fronteiras após o ataque terrorista de 7 de outubro do Hamas - permite ao Egipto ditar e influenciar as condições em que a assistência humanitária pode entrar no território palestiniano.

É compreensível que Washington, que fornece ao Egito mais de mil milhões de dólares por ano em assistência militar, esteja frustrado com o facto de o Cairo não permitir que os cidadãos americanos e outros nacionais saiam de Gaza através da passagem, uma vez que o Egipto parece ter condicionado a sua saída à entrada de ajuda. Também é compreensível que os grupos humanitários estejam frustrados com o facto de o Egipto não abrir a sua fronteira para um corredor humanitário que permita a saída de centenas de milhares de habitantes de Gaza deslocados internamente, que tentam refugiar-se no sul da Faixa de Gaza, onde se situa Rafah, enquanto os combates mais intensos se desenrolam no norte.

Mas as posições do Egito refletem preocupações sérias e legítimas. Em primeiro lugar, o receio de um fluxo maciço de refugiados se a passagem for aberta. Uma década após o início da guerra civil síria, o Egito afirma acolher nove milhões de refugiados de diferentes países, sem que se vislumbre um horizonte de repatriamento para a maioria deles. Para o Egipto, um dilúvio de refugiados palestinianos colocaria não só desafios humanitários e económicos - o Egipto atravessa atualmente uma crise económica devastadora - mas também desafios políticos e de segurança.

Na quarta-feira, o Presidente egípcio Abdel Fattah el-Sisi, em declarações incaracterísticas e explícitas, avisou que a transferência de palestinianos para o Sinai transformaria a península numa plataforma de lançamento de ataques contra Israel, provocando represálias israelitas, desencadeando uma guerra entre os dois países e pondo em causa a paz mais longa entre Israel e qualquer país árabe.

Além disso, o movimento de refugiados palestinianos para fora de Gaza evocaria memórias da deslocação em massa que acompanhou a criação de Israel em 1948. O Egito receia que tal eventualidade ponha fim a qualquer perspetiva futura de paz israelo-palestiniana baseada numa solução de dois Estados, provocando um vazio diplomático e inflamando a opinião pública árabe.

Esta preocupação é de tal forma generalizada e profunda na região que, mesmo quando as baixas civis palestinianas aumentaram após 7 de outubro, outros países árabes apoiaram o Egito na sua veemente oposição à abertura do Sinai aos refugiados. De facto, depois de concluir uma visita a várias capitais árabes, o Secretário de Estado Antony Blinken disse à Al-Arabiya TV que ouviu "de praticamente todos os (...) líderes com quem falei na região que essa ideia não tem qualquer hipótese de arrancar e, por isso, não a apoiamos".

Além disso, o Egito tem defendido em privado que o conflito israelo-palestiniano é, em última análise, um problema de Israel e que este último deve suportar quaisquer custos políticos ou territoriais da sua resolução. Durante a administração Trump, uma proposta americana de construção de infraestruturas no Sinai para servir Gaza foi rejeitada pelo Cairo, partindo dos receios egípcios de que uma ladeira escorregadia pudesse levá-lo ao conflito israelo-palestiniano.

O Egito receia também que a abertura da passagem possa permitir a entrada do Hamas e dos seus simpatizantes. O Hamas é um ramo da Irmandade Muçulmana, o mais sério rival político interno de Sisi. E o Egipto tem enfrentado o terror islâmico na Península do Sinai desde a revolução de 2011 que derrubou o regime de Mubarak.

Por todas estas razões, pouco depois de o Hamas ter tomado o controlo de Gaza em 2007, o Egito fechou a fronteira. Em 2018, de acordo com a Human Rights Watch, o Egito arrasou toda a cidade de Rafah, no Sinai, do lado egípcio da fronteira, destruindo milhares de casas e deslocando 70 000 pessoas, para criar uma zona tampão com quase um quilómetro de largura, a fim de impedir a circulação de armas e de terroristas em túneis entre o Egipto e Gaza. Para enfatizar a questão, o Egipto chegou mesmo a inundar esses túneis. Dois anos mais tarde, em 2020, o Egipto construiu um muro de betão armado de 6 metros que chega a 16 metros abaixo do solo.

Este muro ajudou a garantir que a guerra em Gaza não se alastrasse para o Egito. No entanto, à semelhança de outros Estados do Médio Oriente, o que se passa em Gaza está a ter um impacto no Egito, onde existe um importante reservatório de apoio aos palestinianos. Pela primeira vez, desde os tempos de Mubarak, o governo egípcio organizou protestos anti-Israel para tentar antecipar-se à opinião pública no apoio aos palestinianos e controlar melhor as manifestações.

O apoio muito firme dos EUA a Israel, que reflecte a política americana de longa data, ainda mais acentuado pela natureza brutal do terror do Hamas e pelas próprias convicções de Biden a esse respeito, criou inevitavelmente tensões adicionais no mundo árabe. A opinião de que os EUA são cúmplices do sofrimento humano em Gaza é amplamente defendida no mundo árabe, em parte por compaixão e em parte por oportunismo político. Este facto, naturalmente, complica o compromisso do Egito com os EUA e ajuda a explicar por que razão a reunião com Biden na semana passada foi cancelada, depois de terem circulado relatos (mais tarde desmentidos) de que Israel tinha como alvo um hospital em Gaza.

No entanto, a forma delicada como os EUA abordaram o cancelamento, enquadrando-o como uma resposta ao período de luto anunciado pelos três países árabes e expressando simpatia pelas vítimas, ajudou a aliviar a pressão sobre Sisi, que teria sido criticado pelo seu público por aparecer com o presidente dos EUA em momentos tão carregados, e foi sem dúvida apreciado no Cairo. A política subsequente dos Estados Unidos, centrada na entrega de ajuda a Gaza, também demonstrou o seu apoio à posição do Egito, o que permitiu obter alguma boa vontade do Cairo.

Ainda assim, se Washington está empenhado nos objectivos de apoiar Israel na sua campanha para degradar, se não mesmo erradicar, o Hamas e, ao mesmo tempo, prestar apoio humanitário fundamental aos civis palestinianos, os EUA terão de se coordenar com os seus aliados árabes. Por razões geográficas, históricas e de peso diplomático, o Egito é a peça fundamental.

Continue a ler esta notícia