“Tenho pavor pelo meu filho que vai nascer”: as mulheres grávidas de Gaza preparam-se para dar à luz numa zona de guerra - TVI

“Tenho pavor pelo meu filho que vai nascer”: as mulheres grávidas de Gaza preparam-se para dar à luz numa zona de guerra

  • CNN
  • Mohammed Abdelbary e Nadeen Ebrahim
  • 22 out 2023, 09:00
Duas mulheres palestinianas observam a destruição maciça após os ataques aéreos israelitas no bairro de al-Rimal, na cidade de Gaza, a 10 de outubro. Mahmud Hams_AFP_Getty Images

"Vimos casas a ruir enquanto conduzíamos, pensando que podíamos morrer a qualquer momento". No caminho da fuga, viu refugiados serem atingidos por jatos israelitas "a poucos metros de distância". Abraçou-se ao filho "para morrermos juntos".

Khulood Khaled foi acordada pelo som dos ataques aéreos israelitas enquanto dormia ao lado do seu filho na semana passada. O fumo negro enchia o quarto, dificultando-lhe a respiração. Sentiu uma sensação de pânico, seguida de dores no abdómen. Pensou que estava a entrar em trabalho de parto prematuro.

Grávida de oito meses e preocupada com o feto, a jovem de 28 anos decidiu deixar a sua casa no bairro de al-Karama, no norte da Faixa de Gaza, no dia seguinte, enquanto os bombardeamentos continuavam.

"Vimos casas a ruir enquanto conduzíamos, pensando que podíamos morrer a qualquer momento", disse à CNN. No caminho, viu refugiados a serem atingidos por jatos israelitas "a poucos metros de distância". Abraçou-se ao filho "para morrermos juntos".

Khulood acabou por chegar à cidade de Khan Younis, no sul do país, mas agora sobrevive com "um pedaço de pão seco", uma vez que o território enfrenta uma escassez de alimentos e não tem eletricidade nem água corrente. "Não sei se o pão estará disponível amanhã", disse ela.

Cerca de 50 mil mulheres em Gaza estão grávidas, 10% das quais deverão dar à luz no próximo mês, segundo o Fundo das Nações Unidas para a População (FNUAP).

Essas mulheres enfrentam um "duplo pesadelo" após uma "semana horrível" de ataques aéreos israelitas, disse Dominic Allen, representante do UNFPA para o Estado da Palestina, à CNN no domingo.

Os habitantes da Faixa de Gaza têm enfrentado ataques aéreos israelitas em várias rondas de conflito ao longo dos últimos anos. Mas desta vez é diferente. Israel prometeu "vingança poderosa" depois de os militantes do Hamas que controlam o território terem lançado um ataque a 7 de outubro, matando 1.400 pessoas em Israel.

Entre 7 e 12 de outubro, Israel lançou seis mil bombas sobre o enclave, o que equivale ao número total de ataques aéreos sobre Gaza durante todo o conflito Gaza-Israel de 2014, que durou 50 dias. Parece estar agora a preparar-se para uma operação terrestre no enclave.

Israel impôs também aquilo a que chama um "cerco total" ao território, bloqueando o abastecimento de água, eletricidade, bens e combustível. As organizações de defesa dos direitos humanos condenaram esta medida como "punição colectiva" e "crime de guerra". Os habitantes locais afirmam que Khan Younis continua a ser alvo de ataques israelitas.

Muitos habitantes de Gaza responderam ao apelo de Israel para evacuarem o norte da Faixa de Gaza, com centenas de milhares a dirigirem-se para sul. Mas a deslocação não tem sido fácil para todos, incluindo os doentes, os idosos e as grávidas.

Alguns estão preocupados com a segurança das rotas de fuga. A CNN geolocalizou e autenticou vídeos do local de uma grande explosão na sexta-feira, ao longo de uma rota para sul.

Medo do que o futuro nos reserva

Nardeen Fares está grávida de nove meses do seu primeiro filho. Na sequência do apelo dos militares israelitas para que os civis fugissem, a jovem de 27 anos viajou na sexta-feira com o marido do bairro de al-Rimal, na Cidade de Gaza, para Khan Younis - a cerca de 34 quilómetros de distância ou 40 minutos de carro.

Com a data prevista para o parto a aproximar-se rapidamente, Fares diz temer o que o futuro lhe reserva.

"Neste momento, há um êxodo... metade da Faixa de Gaza está a mudar-se para Khan Younis", disse Fares à CNN na sexta-feira, por telefone, acrescentando que está agora a partilhar uma habitação de seis quartos com mais de 80 outras pessoas.

"Como uma mulher que está no último mês de gravidez, só Deus sabe quando isso vai acontecer e como será a situação nessa altura", disse Fares. "Com bombardeamento ou sem bombardeamento, não se sabe o que vai acontecer nessa altura.

Fares receia que os hospitais de Khan Younis não estejam equipados para a tratar se entrar em trabalho de parto, dado o grande número de pessoas que estão a chegar à cidade. Khan Younis tinha uma população de pouco mais de 400 mil habitantes antes da guerra. Dada a proximidade da cidade com a fronteira egípcia, é o destino de eleição de muitos dos que fogem do Norte.

Nardeen Fares, 27 anos, tira uma selfie com o marido no Porto de Gaza, perto da Cidade de Gaza, na Faixa de Gaza, em maio de 2023. Nardeen Fares

Israel afirmou no domingo que calcula que 500 mil habitantes tenham deixado o norte de Gaza em direção ao sul.

Dez membros de uma única família foram mortos na segunda-feira depois de um ataque aéreo israelita ter atingido o bairro de Al Kizan, disseram à CNN os médicos do Hospital Nasser da cidade, acrescentando que 23 outras pessoas ficaram feridas.

A médica diz ter ouvido dizer que os hospitais da cidade quase não estão a funcionar e que os serviços médicos "quase desapareceram" devido à falta de combustível.

A Organização Mundial de Saúde alertou na semana passada para o facto de o sistema de saúde em toda a região se encontrar num ponto de rutura, acrescentando que o impacto será devastador para os doentes mais vulneráveis, incluindo os feridos que necessitam de intervenções cirúrgicas que salvam vidas, os doentes internados em unidades de cuidados intensivos e os recém-nascidos que dependem de cuidados em incubadoras.

Allen, do FNUAP, disse que as mulheres grávidas em Gaza estão a "enfrentar desafios impensáveis", afirmando que as histórias que tem ouvido de Gaza são "angustiantes".

"Imagine-se a passar por esse processo na fase final e no último trimestre antes do parto, com possíveis complicações, sem roupa, sem higiene, sem apoio e sem saber o que o dia seguinte, a hora seguinte, o minuto seguinte trará para si e para o seu filho por nascer", exortou Allen.

A Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA) alertou que a situação humanitária em Gaza está a atingir níveis catastróficos, com o Secretário-Geral da ONU, António Guterres, a avisar no domingo que o Médio Oriente estava "à beira do abismo".

À beira da fome

Mona Ashour, grávida de sete meses, ficou no norte da Faixa, mas não por opção.

A sua família não tem meios financeiros para viajar para sul, disse ela em mensagens transmitidas à CNN pelo seu primo Hashem Al-Saudi, acrescentando que, mesmo que pudessem viajar, a família de quatro pessoas não tem ninguém com quem ficar no sul.

Ashour reduziu a sua alimentação ao mínimo indispensável, uma vez que as reservas de alimentos e de água estão a diminuir devido ao bloqueio de Israel. Ela sabe que isso pode afetar o seu filho que ainda não nasceu, o que lhe causa muito stress.

Ashour tem duas filhas e a família vive numa casa com um telhado improvisado feito de painéis de estanho, o que a deixa exposta a estilhaços de potenciais mísseis israelitas.

"Preciso de muitos suplementos nutricionais", disse ela, acrescentando que o seu marido, que costumava trabalhar com um salário diário antes da guerra, já não os pode comprar.

O gabinete de imprensa da Autoridade Palestiniana afirmou na segunda-feira que Gaza está "à beira de uma verdadeira fome, uma vez que os bens armazenados estão a esgotar-se e não chega qualquer ajuda", acrescentando que mais de meio milhão de pessoas foram deslocadas no enclave.

Grupos de ajuda humanitária e a ONU apelam à entrada de ajuda em Gaza, parte da qual chegou ao norte do Sinai egípcio, mas ainda não entrou em Gaza através da passagem de Rafah, controlada pelo Egipto.

Depois de se ter reunido com o Presidente egípcio no âmbito de uma visita guiada à região, o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, afirmou no domingo que a passagem - que é a única via de entrada e saída de Gaza - "será aberta". Não disse quando.

Durante o fim de semana, foram colocadas placas de betão no lado egípcio da passagem, bloqueando todos os portões, disse um funcionário palestiniano da fronteira à CNN no sábado.

Na segunda-feira, o ministro dos Negócios Estrangeiros egípcio, Sameh Shoukry, disse que não houve progressos nos esforços para abrir a passagem e culpou Israel pelo seu contínuo encerramento.

Khulood, que fugiu do norte de Gaza, disse que não saberá para onde ir quando chegar a altura de dar à luz.

"Tenho medo. Pelo meu filho, pelo meu feto e por mim própria", disse à CNN. "Não quero morrer. Quero ver o meu filho crescer... mas já não há vida aqui. Gaza tornou-se uma cidade fantasma".

 

Reportagem adicional de Kareem Khadder, Abeer Salman, Chloe Liu e Niamh Kennedy

Continue a ler esta notícia