Viagem de Joe Biden a Israel é considerada de alto risco - TVI

Viagem de Joe Biden a Israel é considerada de alto risco

  • CNN
  • Jennifer Hansler, Kevin Liptak, MJ Lee e Kayla Tausche
  • 17 out 2023, 08:15
Joe Biden (AP)

Embora a Casa Branca tenha afirmado repetidamente que não há planos para enviar tropas americanas para Israel - em parte porque Israel não o quer - existe a possibilidade de os meios aéreos e navais dos EUA se envolverem ainda mais se eclodir uma guerra em várias frentes.

O Presidente Joe Biden fará esta semana uma visita extraordinária a Israel em tempo de guerra, procurando demonstrar um apoio firme ao país, que está a trabalhar para eliminar o Hamas, ao mesmo tempo que pressiona para encontrar formas de aliviar o sofrimento humanitário em Gaza.

O duelo de objectivos, explicitado pelo seu principal diplomata na segunda-feira à noite, acarreta riscos significativos para o Presidente dos EUA, que procura evitar o agravamento da crise no Médio Oriente.

Os assessores disseram que Biden manifestou um forte interesse em fazer a viagem depois de ter sido convidado no fim de semana pelo primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, que Biden conhece há quatro décadas. Biden passou a segunda-feira a deliberar sobre a viagem na Casa Branca com os seus principais conselheiros em matéria de segurança nacional e de informações.

Entretanto, em Telavive, o secretário de Estado Antony Blinken convocou uma maratona de sessões com altos funcionários israelitas para discutir a abertura de Gaza à ajuda humanitária e evitar que os civis sejam apanhados na resposta de Israel aos ataques terroristas.

Ao anunciar a viagem de Biden na quarta-feira, após mais de sete horas de negociações, Blinken disse que os Estados Unidos e Israel "concordaram em desenvolver um plano que permitirá que a ajuda humanitária de nações doadoras e organizações multilaterais chegue aos civis em Gaza".

O Presidente dos EUA também viajará para a Jordânia, onde se encontrará com o rei Abdullah II, o presidente Abdel Fattah el-Sisi do Egipto e o presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmoud Abbas. Nos últimos dias, o principal diplomata dos EUA reuniu-se separadamente com os três líderes - e todos condenaram a situação em Gaza.

Os riscos de segurança de uma visita diplomática a Israel foram claramente ilustrados na segunda-feira, quando Blinken, durante a sua reunião com Netanyahu, foi forçado a abrigar-se no local depois de as sirenes aéreas terem alertado para a aproximação de rockets. Fontes oficiais da Casa Branca afirmaram ter ponderado cuidadosamente os riscos de uma visita presidencial e consideraram-na suficientemente segura para ser executada e anunciada com antecedência.

A visita do Presidente terá por base a visita de sete países e vários dias de Blinken ao Médio Oriente, num momento em que os Estados Unidos tentam encontrar um equilíbrio delicado entre o apoio inabalável às operações militares de Israel e a atenuação da catástrofe humanitária em Gaza, impedindo que a guerra se estenda a outras frentes.

Biden irá "deixar claro que queremos continuar a trabalhar com todos os nossos parceiros na região, incluindo Israel, para obter assistência humanitária e, mais uma vez, para fornecer algum tipo de passagem segura para os civis saírem", disse o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, John Kirby, na segunda-feira à noite.

Antes da visita de Biden, não era claro se tinham sido feitos progressos na abertura da passagem de Rafah no Egipto - a única via viável de acesso a Gaza. Blinken disse que o acordo para trabalhar no plano foi feito a pedido dos EUA, e eles "saúdam o compromisso do governo de Israel em trabalhar neste plano".

"É fundamental que a ajuda comece a chegar a Gaza o mais rapidamente possível", disse Blinken, referindo que os EUA partilham "a preocupação de Israel de que o Hamas possa apreender ou destruir a ajuda que entra em Gaza ou impedir que esta chegue às pessoas que dela necessitam".

"Se o Hamas impedir, de alguma forma, que a assistência humanitária chegue aos civis, inclusive confiscando a própria ajuda, seremos os primeiros a condená-lo. E trabalharemos para evitar que isso aconteça novamente", afirmou.

Biden, disse, "aguarda com grande expetativa a oportunidade de discutir o assunto" durante a sua visita.

Uma visita de "importância estratégica"

Ao ponderar o convite de Netanyahu com a sua equipa, Biden teve em conta tanto o simbolismo de uma visita como os seus aspectos práticos. Além de uma demonstração de apoio a Israel, a viagem enviará um aviso a outros intervenientes na região, nomeadamente ao Irão e ao seu representante Hezbollah no Líbano, para que não se envolvam mais no conflito.

Mas também ligará Biden mais estreitamente à resposta israelita em Gaza, incluindo as preocupações com uma crise humanitária crescente, e poderá funcionar como um apoio tácito às decisões de Netanyahu.

A pressão sobre Biden para que encoraje a contenção foi evidente na segunda-feira em frente à Casa Branca, onde um grande protesto liderado por grupos judeus progressistas o exortou a pressionar por um cessar-fogo. Cânticos altos podiam ser ouvidos do lado de dentro dos portões.

O conflito está a obrigar a uma nova avaliação das prioridades imediatas da administração Biden em matéria de política externa, com a realidade a impor-se: a recrudescência da violência no Médio Oriente ocupará agora a maior parte do tempo do Presidente, pelo menos a curto prazo.

Reunido na Sala Oval na segunda-feira, Biden discutiu os últimos desenvolvimentos no terreno com os principais conselheiros de segurança nacional, incluindo os dois principais funcionários dos serviços secretos da administração.

Embora Biden tenha evitado encorajar um cessar-fogo - a palavra não foi usada na resposta da administração até agora - ele emitiu avisos cada vez mais fortes sobre a proteção da vida civil, inclusive durante suas ligações telefónicas com Netanyahu. Biden e Blinken, dizem os conselheiros, mantiveram uma posição moral elevada e cimentaram a credibilidade junto dos israelitas, mantendo-se solidários com as necessidades civis e humanitárias, ao mesmo tempo que reforçaram o seu compromisso com o Estado de segurança.

Viajar pessoalmente para Israel pode proporcionar a Biden - que há muito defende a importância de reuniões presenciais - uma melhor oportunidade de transmitir esses pontos de vista ao seu homólogo israelita, um líder com quem acredita ter um profundo entendimento. Antes do início da guerra em Israel, Biden e Netanyahu estavam a planear visitar-se pessoalmente na Casa Branca, um convite pessoal que Biden fez quando os dois se encontraram pela última vez em Nova Iorque.

Já nos seus telefonemas, os dois discutiram a importância de respeitar as regras da guerra. Numa entrevista que foi para o ar no domingo, Biden fez a sua declaração mais pública a apelar à contenção, dizendo que seria um "erro" Israel tentar reocupar Gaza.

Falando aos jornalistas na segunda-feira, um porta-voz das Forças de Defesa de Israel disse que a visita de Biden teria "importância estratégica" para todo o Médio Oriente.

"O mais alto representante dos EUA vem a Israel para um relatório completo sobre a guerra no Médio Oriente e todas as medidas que temos de tomar", disse o Contra-Almirante Daniel Hagari aos jornalistas, quando questionado anteriormente sobre uma possível visita do presidente dos EUA.

"Neste momento, estamos a concentrar-nos em Gaza e nas medidas que vamos tomar para nos prepararmos para a guerra e é assim que vamos progredir", acrescentou.

A última vez que Biden fez uma viagem de última hora e altamente secreta ao estrangeiro foi em fevereiro, quando visitou Kiev, na Ucrânia, por altura do aniversário de um ano da invasão russa.

Joe Biden em fevereiro de 2023 com o casal Zelensky. EPA

Com apenas um pequeno grupo de alguns dos seus conselheiros mais graduados a par dos planos com antecedência - e, em última análise, com apenas um repórter e um fotógrafo a reboque - o presidente atravessou discretamente de comboio a fronteira entre a Polónia e a Ucrânia para entrar numa zona de guerra ativa.

A sua breve visita constituiu uma notável demonstração de solidariedade para com o povo ucraniano e o seu presidente, Volodymyr Zelensky, que a Casa Branca esperava que se traduzisse também num forte grito de guerra para que os aliados dos EUA continuassem a apoiar a causa da Ucrânia.

Mas, ao contrário da sua visita à Ucrânia no início do ano, a sua deslocação a Israel esta semana marca uma decisão notavelmente rápida de visitar o país apenas alguns dias após o início da guerra. Aqueles que conhecem a relação de décadas de Biden com Netanyahu dizem que é evidente que a resposta da administração aos ataques do Hamas está a ser moldada em grande medida pela amizade pessoal de Biden com Netanyahu - e pelo seu desejo de demonstrar o seu apoio inequívoco ao primeiro-ministro.

Os funcionários americanos passaram grande parte do fim de semana a observar com crescente preocupação o potencial de alargamento da guerra e a enviar sinais públicos e privados ao Irão para que se mantenha fora do conflito.

Oficiais dos EUA dialogam com os seus homólogos na região

Desde o seu primeiro telefonema com Netanyahu no fim de semana passado, Biden manifestou a sua preocupação com a possibilidade de se abrir uma frente a norte ao longo da fronteira de Israel com o Líbano, onde o Hezbollah, apoiado pelo Irão, tem vindo a envolver-se esporadicamente com as forças israelitas.

O conselheiro de segurança nacional dos Estados Unidos, Jake Sullivan, disse no domingo que a administração estava empenhada na diplomacia de bastidores com Teerão para enviar a mesma mensagem que tem transmitido publicamente sobre a não escalada da crise.

"Retoricamente, estão a subir o tom", disse uma pessoa próxima da situação. "Mas estão a apoiá-lo com hardware."

Para Biden e a sua equipa, os riscos de um conflito mais alargado incluem o potencial de um maior envolvimento dos meios militares americanos na defesa de Israel. Embora a Casa Branca tenha afirmado repetidamente que não há planos para enviar tropas americanas para Israel - em parte porque Israel não o quer - existe a possibilidade de os meios aéreos e navais dos EUA se envolverem ainda mais se eclodir uma guerra em várias frentes.

No fim de semana, Biden ordenou o envio de um segundo grupo de porta-aviões dos EUA para o Mediterrâneo oriental, reforçando o que ele e outros responsáveis descreveram como uma postura de dissuasão. A força militar destina-se a enviar um sinal ao Irão para que se mantenha afastado.

No entanto, nos bastidores, Biden e a sua equipa estão a discutir as várias possibilidades em caso de escalada da crise.

"Não podemos excluir que o Irão decida envolver-se diretamente de alguma forma. Temos de nos preparar para todas as contingências possíveis", disse Sullivan na CBS.

O surto de violência está a forçar a administração Biden a envolver-se estreitamente com - e a apoiar-se fortemente em - atores da região com historial de violações flagrantes dos direitos humanos.

Os funcionários dos EUA têm discutido ativamente com os seus homólogos do Egipto a criação de um corredor humanitário que permita aos civis - incluindo centenas de cidadãos americanos - escapar aos ataques contra-ofensivos de Israel que chovem em Gaza. Mas esses esforços ainda não deram frutos.

Durante o fim de semana, o sul de Gaza foi palco de cenas de caos e confusão, onde as famílias que tentavam sair descobriram que a passagem de Rafah, entre Gaza e o Egipto, continuava fechada, apesar de lhes ter sido dito anteriormente que haveria uma janela de meio-dia para sair.

A questão tinha sido um dos principais tópicos de discussão entre Blinken e el-Sisi, e após o seu encontro pessoal, Blinken prometeu no domingo que "Rafah estará aberta".

A viagem frenética de vários dias de Blinken à região também incluiu uma paragem na Arábia Saudita, um país que Biden, como candidato presidencial, prometeu tornar um "pária" no cenário global após o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi. O secretário de Estado reuniu-se com o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman, o líder de facto do país, que os serviços secretos americanos concluíram ter aprovado a operação para matar Khashoggi.

Este cortejo direto e rápido com os líderes mais fortes da região é um sinal claro da determinação da administração em evitar que o conflito se alastre para além das fronteiras de Israel.

Continue a ler esta notícia