Depois de Prigozhin, quem é que vai pôr a cabeça acima do parapeito na Rússia de Putin? - TVI

Depois de Prigozhin, quem é que vai pôr a cabeça acima do parapeito na Rússia de Putin?

  • CNN
  • Nathan Hodge
  • 26 ago 2023, 17:39
Yevgeny Prigozhin (AP)

Relacionados

Os destroços do jato privado Embraer de Yevgeny Prigozhin foram retirados do local do acidente e os gravadores de voo foram recuperados, mas o fumo metafórico ainda não se dissipou em Moscovo após a presumível morte do chefe dos mercenários Wagner.

Ainda não sabemos o que fez cair o Embraer Legacy 600 de Prigozhin - a análise dos peritos aponta para a possibilidade de uma explosão - e talvez nunca venhamos a saber. Para usar um termo inexato, a maior caixa negra desta catástrofe aérea é o aparelho de Estado do presidente russo Vladimir Putin, que não é conhecido pela sua transparência.

Isso, por sua vez, aponta para uma questão muito maior: como é que o horizonte russo vai mudar após a saída do homem que representou o desafio mais sério ao governo de Putin em mais de duas décadas?

Putin deu a sua própria opinião, referindo-se obliquamente às contribuições de Prigozhin para a guerra na Ucrânia.

"Conheci Prigozhin durante muito tempo, desde o início dos anos 90", disse Putin na quinta-feira. "Era um homem de destino difícil, que cometeu erros graves na vida e que conseguiu os resultados necessários, tanto para si próprio como, quando lhe perguntei, para uma causa comum, como nestes últimos meses. Era um homem talentoso, um homem de negócios talentoso".

Mas a verdadeira mensagem que Putin estava a enviar, depois de esperar um dia inteiro após o acidente, parecia dirigida à elite russa: os erros podem ser fatais.

O Kremlin negou veementemente as especulações de que o estado russo estivesse envolvido no acidente.

"Tudo isto é uma mentira absoluta", disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov. "Agora, é claro, há muita especulação em torno desta catástrofe e da trágica morte dos passageiros do avião, incluindo Yevgeny Prigozhin."

Mas nem toda a gente é suscetível de ser persuadida. Em julho, na sequência do motim abortado de Prigozhin, o presidente dos EUA, Joe Biden, brincou numa conferência de imprensa ao referir que, se fosse Prigozhin, "teria cuidado com o que comia, estaria atento ao menu".

Brincadeiras à parte, Biden estava a falar a sério. A marcha dos homens de Prigozhin sobre Moscovo constituiu uma ameaça direta ao Estado e uma afronta pessoal a Putin, que há muito cultiva uma imagem de czar, de senhorio e de quase-infalibilidade.

Então, quem é que se atreveria agora a pôr a cabeça fora do parapeito? Os aspirantes a Prigozhins - e parece que não há nenhum no horizonte imediato - devem ter cuidado para não ultrapassarem as linhas vermelhas reais ou aparentes.

Vale a pena lembrar que Prigozhin nunca teve um nome particularmente reconhecido na Rússia, pelo menos não antes da invasão da Ucrânia. Mas os êxitos do grupo Wagner no campo de batalha aumentaram o seu perfil público e a televisão estatal russa elogiou os seus mercenário pela captura da destruída cidade de Bakhmut, no leste da Ucrânia.

Isso mudou no final de junho, depois de a marcha do grupo Wagner sobre Moscovo ter levantado a inquietante possibilidade de uma guerra civil na Rússia. Prigozhin pode ter considerado a rebelião dos mercenários como um "protesto", mas a revolta afectou seriamente o seu prestígio. O instituto de sondagens independente Levada-Center realizou uma sondagem em julho que concluiu que a aprovação pública de Prigozhin tinha caído a pique após a revolta.

Mas isso não significa que Prigozhin não tenha círculos eleitorais fiéis. As ações do grupo Wagner eram seguidas de perto por um círculo de bloggers nacionalistas e Prigozhin - que recrutava combatentes nas prisões russas e usava a mesma linguagem salgada dos condenados - parecia ter conquistado o respeito de muitos dos seus combatentes.

Será que a aparente morte de Prigozhin ameaça mobilizar os seus seguidores, constituindo um potencial desafio para o Estado? Nesta fase, não. Os mercenários foram convidados a assinar contratos com as forças armadas após a revolta e Igor Girkin, um ultranacionalista que criticou abertamente Putin, foi parar à prisão. Precedentes foram criados.

Os fãs e apoiantes de Prigozhin não deixaram de depositar flores à porta da sede da Wagner em São Petersburgo, a segunda cidade da Rússia e a cidade natal de Putin e Prigozhin, após o acidente de quarta-feira. Matthew Chance, da CNN, chegou mesmo a testemunhar uma das recordações mais macabras do local: uma marreta, símbolo da brutalidade Wagner, aninhada entre os ramos de flores.

Mas os ramos de flores - assim como as marretas - podem ser eliminados. Vale a pena recordar um assassinato político que abalou a Rússia em 2015, o do carismático opositor Boris Nemtsov, que foi morto a tiro à vista do Kremlin. Durante anos, os admiradores de Nemtsov continuaram a deixar flores no local da ponte onde ele foi morto. As autoridades locais varreram sempre as flores e não existe nenhum memorial permanente ao político assassinado.

Os apoiantes não violentos de Nemtsov eram uma classe de pessoas muito diferente dos soldados a pé de Prigozhin, munidos de espingardas, na Ucrânia e noutros locais: Nemtsov, que investigava a guerra secreta de Putin no leste da Ucrânia quando foi morto, era o rosto do ativismo liberal russo em apuros.

Alexey Navalny, que sucedeu a Nemtsov como o líder da oposição mais galvanizador da Rússia, está atualmente numa colónia prisional russa, juntamente com muitos outros que se opuseram pacificamente à guerra de Putin na Ucrânia. Numa publicação a partir da prisão sobre a morte de Prigozhin, que ele especulou ter sido obra de Putin, Navalny avisou que o líder do Kremlin tinha lançado as bases para uma possível guerra civil na Rússia.

"Estes são os ingredientes utilizados para criar o prato chamado 'guerra civil'", escreveu. "Eles criaram um bando. Armaram o bando. Dissolveram o bando. Mataram os líderes".

Não surgiram provas que apontem para o envolvimento do Kremlin ou dos serviços de segurança russos no acidente. Mas a vida e o destino de Prigozhin puseram a nu as fissuras no seio do grupo paranoico e vingativo que governa a Rússia.

Continue a ler esta notícia

Relacionados