Natalia tirou a família de Kherson por causa dos bombardeamentos russos. Dois dias depois, a sua casa foi destruída - TVI

Natalia tirou a família de Kherson por causa dos bombardeamentos russos. Dois dias depois, a sua casa foi destruída

  • CNN
  • Svitlana Vlasova
  • 3 nov, 08:00
Natalia Pitaichuk e os seus quatro filhos deixaram a sua casa na cidade de Beryslav, na região de Kherson, no sul da Ucrânia, dois dias antes de a casa ser destruída por um ataque russo. Foto Natalia Pitaichuk

No último mês, a situação tornou-se insuportável. "Foi como se os poderes celestiais me dissessem que era altura de levar os meus filhos"

Kiev (CNN) - Em meados de outubro, Natalia Pitaichuk pegou nos seus quatro filhos e deixou a sua casa na cidade de Beryslav, na região de Kherson, no sul da Ucrânia. Dois dias depois, a sua casa foi destruída por um ataque russo.

"Se não tivéssemos evacuado, teríamos morrido", disse à CNN. "Foi como se os poderes celestiais me dissessem que era altura de levar os meus filhos".

A decisão de partir foi difícil. Viveu durante nove meses a ocupação russa na região de Kherson; a sua casa foi revistada duas vezes e os soldados russos percorriam as ruas procurando homens em idade de combater. Ficou durante os vingativos bombardeamentos russos que se seguiram à jubilação da libertação em novembro de 2022. "Foi assustador, mas tolerável", conta.

Mas, no último mês, a situação tornou-se insuportável.

Um ataque russo teve como alvo o hospital de Beryslav, onde ela trabalhava. O pessoal do hospital amontoou-se na cave e saiu coberto de poeira depois de ter sido dada a ordem de evacuação, recorda Pitaichuk. Duas pessoas ficaram feridas nesse ataque.

"O hospital onde eu trabalhava ficou destruído, o jardim de infância ficou destruído, tudo ficou em ruínas. Por isso, decidi ir-me embora com os meus filhos. E, literalmente, dois dias depois a nossa casa foi atingida", disse.

As forças russas têm atacado a margem ocidental do rio Dnipro - na qual se situam a cidade de Kherson e Beryslav - desde que a Ucrânia recuperou o controlo da região, há um ano.

Mas os ataques russos estão a ser mais violentos do que nunca, de acordo com Oleksandr Tolokonnikov, porta-voz da Administração Militar da Região de Kherson. "Quase de hora a hora, os aviões Su-34 e Su-35 chegam para atacar e dirigem estas bombas guiadas para várias povoações", disse à CNN, referindo-se às munições da era soviética adaptadas com cargas altamente explosivas que são lançadas pelos aviões de guerra russos fora do alcance das defesas aéreas.

Durante a semana passada, pelo menos uma pessoa foi morta na parte libertada de Kherson em resultado dos ataques russos, todos os dias. "Se há um mês e meio eram 300-350 projécteis, duas a três bombas por dia, e pensávamos que era muito, agora são 750 projécteis por dia. O número de bombas aumentou muitas vezes", disse Tolokonnikov.

Os ataques incessantes podem ser uma tentativa russa de dificultar os esforços ucranianos para estabelecer uma presença do outro lado do rio Dnipro, na parte oriental da região de Kherson, ocupada pela Rússia.

A maior parte dos militares ucranianos tem estado concentrada nas linhas da frente que conduzem ao Mar de Azov, na região de Zaporizhzhia, a leste de Kherson. Mas as pequenas incursões da Ucrânia através do rio têm mantido as tropas russas ocupadas, impedindo-as de serem desviadas para reforços noutros pontos da linha da frente com 1.300 km de comprimento.

Se a Ucrânia conseguir ganhar uma posição forte através do Dnipro, os analistas dizem que isso pode significar um maior risco para os alvos na Crimeia ocupada e ainda mais pressão sobre as já tensas rotas logísticas russas.

Pessoas passam por um edifício danificado num recente ataque russo na cidade de Kherson, no sul da Ucrânia, a 29 de outubro de 2023. Roman Pilipey/AFP/Getty Images

Ihor Chornyi, um voluntário da organização "Strong Because We Are Free", tem estado a ajudar os civis a sair desde que a área foi libertada.

"Não são apenas morteiros ou bombardeamentos de tanques como antigamente, são bombas planas (guiadas) que destroem tudo quando atingem", disse Chornyi à CNN. "As crianças estão a morrer e há evacuações obrigatórias porque as aldeias estão simplesmente a ser arrasadas", afirmou.

O colapso da barragem de Nova Kakhovka, controlada pela Rússia, no rio Dnipro, em junho, matou dezenas de pessoas, destruiu aldeias e alterou as condições de combate na região. As águas das cheias travaram as ambições ucranianas de atravessar o rio durante algum tempo.

Mas à medida que as águas baixavam e se estabilizavam, a Ucrânia renovou os seus esforços. Em meados de outubro, um ataque ucraniano através do rio conseguiu infiltrar-se temporariamente em aldeias ocupadas na margem oriental - ou esquerda - do rio.

"Parece que os russos da margem esquerda estão muito preocupados com a possibilidade de os nossos corajosos soldados atravessarem o rio e começarem a libertar a margem esquerda. Desta forma, estão simplesmente a avisar e a intimidar a população e as Forças Armadas da Ucrânia de que estão prontos e que irão destruir e matar pessoas se tentarmos libertar a margem esquerda", afirmou Tolokonnikov.

Um grupo de fuzileiros navais ucranianos navega a partir da margem do rio Dnipro, na linha da frente, perto de Kherson, na Ucrânia, a 14 de outubro de 2023. Alex Babenko/AP

Desde que, a 23 de outubro, foram emitidas ordens de evacuação obrigatória para as crianças de 23 povoações da região de Kherson, cerca de 300 crianças e as suas famílias foram levadas para um local seguro, enquanto 497 crianças ainda aguardam a sua oportunidade de partir, segundo as autoridades locais.

Mas com a recente vaga de ataques, até mesmo a deslocação de pessoas para fora de perigo se tornou mais arriscada. "As missões de evacuação estão a tornar-se mais perigosas. Já tivemos situações em que reunimos pessoas, começámos a deslocá-las e fomos alvejados. Mas, graças a Deus, não nos atingiram", disse Chornyi.

A família de Pitaichuk instalou-se agora na região de Kirovohrad, no centro da Ucrânia. Após duas semanas de vida sem bombardeamentos diários na sua nova casa temporária, as crianças - cujas idades variam entre os 5 e os 14 anos - sentem-se finalmente à vontade.

Mas ainda assim, "sempre que vêem caças ucranianos ou helicópteros no céu, as crianças ficam assustadas e perguntam se vão ser bombardeadas", disse Pitaichuk.

Continue a ler esta notícia

EM DESTAQUE