Putin assombra pela terceira vez consecutiva as eleições nos EUA: eis o que ele está a fazer - TVI

Putin assombra pela terceira vez consecutiva as eleições nos EUA: eis o que ele está a fazer

  • CNN
  • Stephen Collinson
  • 22 fev, 18:00
O segredo

ANÁLISE || Os sucessivos presidentes dos EUA subestimaram a Rússia, interpretaram mal as suas humilhações históricas e esforçaram-se por descobrir como mudar o rumo de Putin e conter a sua ameaça

"Rússia, Rússia, Rússia".

A frase sonante do ex-Presidente Donald Trump, que serviu para uma torrente de investigações durante a sua administração, também serve para descrever a atual crise de Moscovo que agita a política americana.

Os Estados Unidos podem ter derrotado o Kremlin na Guerra Fria e, desde então, consideram Moscovo um mero irritante - embora com armas nucleares - e estão desesperados por se concentrarem no confronto com a sua nova superpotência rival, a China.

Mas a Rússia e o seu líder, que o Presidente Joe Biden descreveu como um "louco S.O.B." [em português, as iniciais seriam F.D.P] numa angariação de fundos esta quarta-feira, não vão desaparecer.

O Presidente Vladimir Putin treinou a malevolência das suas agências de informação, o seu poder militar, a diplomacia global e a obstrução do Estado num ataque em várias frentes ao poder americano nos Estados Unidos e no estrangeiro.

Ele conquistou uma influência nefasta no centro da política americana, numa demonstração extraordinária de um adversário que penetra e explora as divisões políticas americanas. O antigo tenente-coronel do KGB, que ficou com ressentimento por ter assistido à dissolução da União Soviética a partir do seu posto avançado na Alemanha de Leste, desencadeou o caos num esforço obstinado para desacreditar e enfraquecer os Estados Unidos. Os sucessivos presidentes dos EUA subestimaram a Rússia, interpretaram mal as suas humilhações históricas e esforçaram-se por descobrir como mudar o rumo de Putin e conter a sua ameaça.

Os observadores ocidentais sublinham frequentemente que a liderança de Putin tem sido um desastre para a Rússia. Enquanto os oligarcas pilhavam os recursos naturais, os russos eram esmagados por sanções internacionais, a democracia era esmagada e milhares de soldados morriam nas suas guerras.

Mas Putin tem sido notavelmente resistente, depois de sinais anteriores de que a sua invasão da Ucrânia - há quase dois anos - foi um desastre e poderia mesmo derrubá-lo. Há agora sinais de que a reconstituição das forças armadas russas e a vontade de absorver perdas horrendas estão a virar a maré da guerra e a aumentar a perspetiva de uma vitória que transformaria Putin num perigo muito maior.

A alavancagem do poder e as incursões bem sucedidas do líder russo na política dos EUA ameaçam, entretanto, causar uma cisão entre os EUA e os aliados europeus da NATO que poderia pôr em risco a arquitetura de segurança pós-Segunda Guerra Mundial.

Estas são as formas como Putin está a intervir na política dos EUA

Putin está a promover os interesses russos contra os EUA em várias frentes.

  • Mais uma eleição nos EUA parece estar a ser vítima da interferência russa, depois de os procuradores terem acusado Alexander Smirnov, informador de longa data do FBI, de "vender ativamente novas mentiras que poderiam ter impacto nas eleições dos EUA". Em 2016, as agências de informação dos EUA concluíram que Moscovo se intrometeu nas eleições para ajudar Trump.

  • Smirnov, que foi acusado na semana passada de inventar provas falsas sobre a corrupção da família Biden na Ucrânia, disse aos investigadores após a sua prisão que o material veio da inteligência russa, disse segundo relato do processo judicial dos procuradores na terça-feira. O desenvolvimento sugere mais uma tentativa da Rússia de prejudicar um dos adversários eleitorais de Trump.

  • Os republicanos da Câmara dos Representantes chegaram a apresentar as provas de Smirnov como a peça central da sua tentativa de impugnação de Biden, que foi posta em causa pelas provas. Agora que foi desacreditada, estão a insistir que não importava. Mas Putin não pode perder. O Partido Republicano está a tentar desacreditar ainda mais o FBI - a agência responsável pela caça aos espiões russos. Mesmo que a credibilidade dos planos republicanos de destituição tenha sido destruída, a Rússia pode já ter beneficiado ao fomentar mais discórdia e divisões em Washington. "Penso que se trata de mais um brilhante êxito dos serviços secretos russos na intromissão nas nossas eleições", afirmou Douglas London, antigo chefe dos serviços de contraespionagem da CIA para o sul e sudoeste da Ásia, na CNN, na terça-feira.

  • Até a morte do herói da oposição russa Alexey Navalny numa colónia prisional, na semana passada, abriu novas e amargas divisões na política dos EUA. Voltou a centrar a atenção na estranha recusa de Trump em criticar Putin. E a comparação de Trump entre a perseguição de Navalny e a sua própria situação legal não é apenas grotesca - está a causar o tipo de dano à reputação e integridade das instituições políticas e judiciais dos EUA que Putin aprecia.

  • O resultado é que a Rússia estará novamente no epicentro de uma campanha eleitoral americana que certamente aprofundará o distanciamento político norte-americano, enquanto Biden critica Trump pela sua relação com Putin. "É vergonhoso. É fraco. É perigoso. É anti-americano", disse Biden na semana passada.

  • Aconteça o que acontecer a seguir, a Rússia será fundamental para o legado de Biden. A invasão da Ucrânia em fevereiro de 2022 levou o presidente dos EUA a revigorar a NATO e a enviar milhares de milhões de dólares em armas e munições para ajudar o presidente Volodymyr Zelensky a evitar a eliminação do seu país do mapa. Biden está também a levar dois novos membros, a Suécia e a Finlândia, para a aliança, enfraquecendo ainda mais a posição estratégica da Rússia.

  • Na mais insondável das transformações recentes, o Partido Republicano - que venerava o Presidente Ronald Reagan, que suplicou ao ex-líder soviético Mikhail Gorbachev em Berlim que "deitasse abaixo este muro" - está agora a permitir o expansionismo russo. A recusa dos republicanos da Câmara dos Representantes em aprovar um novo pacote de ajuda de 60 mil milhões de dólares para a Ucrânia está a conduzir a ganhos no campo de batalha para as forças de Moscovo. E Trump, o primeiro classificado para a nomeação presidencial republicana, promete acabar rapidamente com a guerra se for eleito para outro mandato - o que provavelmente significaria recompensar a invasão ilegal de Putin e a tomada de território que se tornou o maior conflito terrestre na Europa desde o fim da Segunda Guerra Mundial.

  • O aviso de Trump de que convidaria a Rússia a invadir os aliados da NATO que não atingissem os objectivos de despesa com a defesa, entretanto, abalou a aliança ocidental e lançou dúvidas sobre o seu mantra fundamental de defesa mútua. Se Trump ganhar um segundo mandato e sair da NATO, dará a Putin a maior vitória estratégica da Rússia desde a Guerra Fria.

  • A capacidade da Rússia para criar medo e recriminações em Washington foi novamente posta a nu na semana passada, quando o presidente dos serviços secretos da Câmara dos Representantes, Mike Turner, lançou o alarme ao revelar um suposto plano de Moscovo para desenvolver uma arma espacial nuclear que poderia potencialmente paralisar um grande número de satélites comerciais e governamentais.

  • Na quarta-feira, soube-se que mais um cidadão americano está preso na Rússia. Moscovo procura normalmente utilizar os prisioneiros como moeda de troca para criminosos russos e agentes dos serviços secretos detidos no estrangeiro. Ksenia Karelina, uma cidadã americana e russa com dupla nacionalidade, foi detida sob a acusação de traição por alegadamente ter doado apenas 51 dólares a uma instituição de caridade ucraniana, disse o seu empregador na Califórnia à CNN. Outros americanos presos na Rússia incluem Paul Whelan - um antigo fuzileiro naval dos EUA, detido há mais de cinco anos e que nega as acusações de espionagem - e o repórter do Wall Street Journal Evan Gershkovich, que foi detido no ano passado sob acusações de espionagem que ele e o seu empregador contestam veementemente. As suas provações representam uma forma conveniente de Putin aumentar a pressão política sobre Biden sempre que lhe apetece.

  • Geopoliticamente, a Rússia está cada vez mais a encontrar interesses comuns e sinergias militares com outros adversários dos EUA, como a China, a Coreia do Norte e o Irão. A cooperação está longe de ser a aliança formal que Washington há muito teme. Mas esta frente unida de autocracias está empenhada em desafiar o poder global dos EUA. Putin formalizou recentemente os seus laços de amizade com o tirano norte-coreano Kim Jong Un, presenteando-o com uma nova limusina.

Biden tentou em tempos salvar as relações EUA-Rússia

Biden é apenas o mais recente presidente a ser confrontado com uma dor de cabeça de segurança nacional por causa de Putin.

Mas nem sempre foi assim. No início do seu mandato, Putin procurou a cooperação. Foi um dos primeiros líderes mundiais a telefonar ao Presidente George W. Bush após os ataques de 11 de setembro de 2001. Bush olhou uma vez para os olhos de Putin e disse que tinha "uma sensação da sua alma" - um dos muitos erros catastróficos de avaliação do líder russo pelos presidentes do século XXI. O Presidente Barack Obama tentou "restabelecer" as relações com Moscovo. Mas depois de um período como primeiro-ministro, Putin regressou à presidência e tornou-se cada vez mais hostil em relação ao Ocidente. O líder russo ficou particularmente irritado com a operação liderada pelos EUA para derrubar o líder líbio Muammar Kadhafi em 2011. Os críticos de Obama dizem agora que ele fez muito pouco para responder à anexação da Crimeia da Ucrânia por Putin em 2014 e preparou o caminho para a invasão total da Rússia há dois anos.

Trump chegou ao cargo assombrado por alegações de que a sua equipa colaborou com os esforços da Rússia para prejudicar a candidata democrata de 2016, Hillary Clinton. A investigação do conselheiro especial Robert Mueller não encontrou provas de conspiração entre a campanha de Trump e a Rússia. Mas o conselheiro especial detalhou múltiplos contactos entre os dois e escreveu que a campanha de Trump acreditava que beneficiaria de informações roubadas e divulgadas pelos russos. É impossível dizer se a Rússia ajudou Trump a ganhar. Mas as consequências subsequentes azedaram para sempre o novo presidente em relação às agências de inteligência dos EUA, que ele considerava como um "Estado Profundo" hostil, e levaram-no a queimar a sua credibilidade entre os seus milhões de apoiantes. Este acirramento do antagonismo interno e os danos causados às instituições americanas vão ao encontro dos objectivos da Rússia. E o espetáculo de Trump, enquanto presidente numa cimeira em Helsínquia, ao lado de Putin e a destruir as agências de informação dos EUA por causa das suas alegações de interferência nas eleições continua a ser um dos momentos mais espantosos da história das relações EUA-Rússia.

Quando Biden assumiu o cargo, fez uma tentativa de reduzir o veneno das relações com Moscovo, encontrando-se com Putin em Genebra, num eco das antigas cimeiras da Guerra Fria. Abordando as conversações com um profundo ceticismo, Biden procurou travar os ataques russos à cibersegurança e reabrir as negociações sobre o desarmamento nuclear, ao mesmo tempo que tentava reduzir os riscos de uma guerra acidental.

"Descobriremos nos próximos seis meses a um ano se realmente temos ou não um diálogo estratégico que importa", disse Biden após a reunião em junho de 2021.

Não foi muito mais do que seis meses depois que ele recebeu a resposta, quando Putin invadiu a Ucrânia, um vizinho soberano e democrático, o que levou ao que efetivamente se tornou uma guerra por procuração entre Biden e um líder do Kremlin que disse ver o conflito como parte de um confronto mais amplo com os Estados Unidos e o Ocidente.

Os esforços de Putin para enfraquecer o poder dos EUA só têm aumentado desde então.

A utilização pela Rússia de agências de espionagem para injetar propaganda e discórdia na política dos EUA através das redes sociais, e mais diretamente pelas agências de informação, foi descrita por Mueller no seu relatório final como um esforço "concebido para provocar e amplificar a discórdia política e social nos Estados Unidos".

Ironicamente, esses esforços utilizam duas das grandes inovações dos Estados Unidos - o seu sistema político aberto, contraditório e democrático, e a tecnologia informática que deu poder à Internet - numa tentativa de o derrubar.

E, como os últimos dias demonstraram, o líder russo pode sempre contar com um recurso inestimável - o reflexo dos políticos americanos de se virarem uns contra os outros de forma a tornar a sua ameaça ainda mais forte.

Continue a ler esta notícia