Reino Unido vai designar a organização russa Wagner como grupo terrorista, abrindo a porta a acções judiciais - TVI

Reino Unido vai designar a organização russa Wagner como grupo terrorista, abrindo a porta a acções judiciais

  • CNN
  • Ivana Kottasová e Niamh Kennedy
  • 7 set 2023, 18:00
População apoia os combatentes do grupo Wagner em Rostov-do-Don (AP)

A decisão coloca a organização na categoria da Al Qaeda, do ISIS e do Boko Haram.

O Reino Unido vai classificar o grupo mercenário russo Wagner como uma organização terrorista, o que abrirá a porta à investigação e acusação judicial dos seus membros e apoiantes.

A decisão - que coloca a organização na mesma categoria de organizações como a Al Qaeda, o ISIS e o Boko Haram - surge numa altura em que o grupo está enfraquecido e o governo britânico se questiona por que razão demorou tanto tempo a proibi-lo.

O chefe do Grupo Wagner, Yevgeny Prigozhin, e o comandante de campo do grupo, Dmitriy Utkin, morreram no mês passado, no que as autoridades ocidentais acreditam ter sido um acidente de avião deliberado, dois meses depois de Prigozhin ter encenado uma rebelião de curta duração contra o Kremlin, a maior ameaça ao poder do Presidente russo, Vladimir Putin, em mais de duas décadas.

A maior parte dos especialistas em segurança duvida que o Grupo Wagner consiga sobreviver na sua forma atual sem Prigozhin, mas isso não impediu o Reino Unido de agir contra o grupo.

Num comunicado desta quarta-feira, o Ministério do Interior britânico afirmou que a designação tornará "ilegal ser membro ou apoiar o Grupo Wagner" e será punível com uma pena de prisão até 14 anos. A listagem também proíbe a promoção do grupo, a organização ou realização de reuniões e a exibição do seu logótipo em público.

"São terroristas, pura e simplesmente - e esta ordem de proibição torna-o claro na legislação britânica. O Grupo Wagner tem estado envolvido em pilhagens, torturas e assassínios bárbaros. As suas operações na Ucrânia, no Médio Oriente e em África constituem uma ameaça para a segurança mundial", declarou a ministra do Interior do Reino Unido, Suella Braverman, no comunicado. A ordem ainda precisa de ser aprovada pelo parlamento.

A inclusão na lista de grupos terroristas permitirá também ao governo confiscar os bens do Grupo Wagner, o que poderá abrir caminho a que os ucranianos tentem processar o Wagner para obter uma indemnização através do sistema judicial britânico.

Em novembro, uma sociedade de advogados britânica intentou uma ação judicial contra o grupo Wagner em nome dos refugiados ucranianos que vivem na Grã-Bretanha, pedindo uma indemnização pelos danos causados pela agressão russa.

"Não é suficiente" para sancionar Wagner

O governo britânico sancionou o grupo Wagner no ano passado, descrevendo-o na altura como "mercenários russos alegadamente encarregues de assassinar o Presidente Zelensky".

Mas há meses que o Reino Unido está a ser pressionado para designar o grupo como uma organização terrorista. Um relatório parlamentar concluiu, em junho, que o governo tinha "subestimado" as actividades Wagner durante quase 10 anos e que era "notavelmente complacente" em relação ao papel dos grupos mercenários.

O relatório dizia especificamente que não bastava sancionar o Wagner e que o governo precisava de a proscrever como um grupo terrorista.

Muitos dos aliados ocidentais da Ucrânia impuseram sanções ao grupo Wagner e aos seus principais responsáveis. Mas estas sanções parecem ter tido apenas um impacto limitado nas operações do grupo mercenário na Ucrânia e em vários países de África.

O Departamento do Tesouro dos EUA designou o Wagner como "organização criminosa transnacional" em janeiro.

A administração norte-americana de Biden estava a considerar a possibilidade de designar o grupo como uma organização terrorista estrangeira, mas até agora não o fez. Um grupo bipartidário de membros do Congresso solicitou essa designação.

Em fevereiro, a União Europeia acrescentou o grupo Wagner ao seu regime global de sanções contra os direitos humanos.

A Lituânia e a Estónia classificaram o grupo como uma organização terrorista. Em maio, o parlamento francês aprovou uma resolução que instava a UE a incluir Wagner na lista de grupos terroristas da UE.

O Governo britânico espera que a inclusão de Wagner nas listas exerça uma pressão suplementar sobre o grupo, numa altura em que o seu futuro é já muito incerto.

Durante anos, o Kremlin negou a existência do grupo Wagner. Mas o Wagner conseguiu assegurar várias vitórias simbólicas para a Rússia na sua ofensiva contra a Ucrânia, especialmente nos duros combates em torno da cidade ucraniana de Bakhmut. O grupo tornou-se mais visível e o próprio Putin reconheceu recentemente que ele era financiado pelo Estado russo.

O poder do grupo Wagner começou a diminuir no final da primavera e durante o verão, à medida que o Kremlin tentava limitar a crescente influência de Prigozhin. Quando Prigozhin ordenou aos seus homens que marchassem sobre Moscovo no final de junho, o seu destino parecia estar selado. O grupo foi oficialmente exilado na Bielorrússia após o fim do curto motim e Prigozhin desapareceu mais ou menos dos olhos do público.

O Kremlin terá agora de decidir o que fazer com o grupo - se o legaliza e o integra nas forças armadas russas, ou se o deixa continuar sob outra forma. Não é claro se a designação de terrorista terá algum impacto nessa decisão.

Continue a ler esta notícia

Mais Vistos