"Surpresa". Boris Johnson aparece ao lado de Zelensky em Kiev para garantir que a Ucrânia "nunca mais é invadida" - TVI

"Surpresa". Boris Johnson aparece ao lado de Zelensky em Kiev para garantir que a Ucrânia "nunca mais é invadida"

Visita do primeiro-ministro britânico não tinha sido divulgada pela comunicação social. Boris Johnson terá percorrido mais de 640 quilómetros de carro até chegar a Kiev, onde prometeu sanções contra a Rússia "semana a semana"

Relacionados

O primeiro-ministro do Reino Unido e o presidente da Ucrânia encontraram-se este sábado de surpresa em Kiev, capital ucraniana. A visita de Boris Johnson foi confirmada por um porta-voz do governo britânico, que adiantou que o encontro com Volodymyr Zelensky serviu para preparar um novo pacote de ajuda militar e financeira, na sequência da guerra iniciada pela Rússia a 24 de fevereiro.

“O primeiro-ministro viajou para a Ucrânia para se encontrar com o presidente Zelensky em pessoa, numa demonstração de solidariedade com o povo ucraniano”, afirmou o porta-voz, citado pelo jornal The Guardian.

Numa publicação na rede social Twitter, a da Ucrânia no Reino Unido mostrou uma imagem do encontro, numa publicação em que se lê “surpresa”, aludindo ao facto de esta visita não ter sido divulgada anteriormente.

Mais tarde, e numa partilha que juntou uma fotografia de um aperto de mãos, Boris Johnson disse ter-se encontrado com o “amigo Zelensky” para mostrar apoio.

"Estamos a preparar um novo pacote de ajuda militar e financeira que vai testemunhar o nosso comprometimento com o país que está a lutar contra a campanha bárbara da Rússia", disse Boris Johnson, depois de ter estado com Volodymyr Zelensky.

Já com os dois responsáveis lado a lado em conferência de imprensa, Boris Johnson efetivou o seu compromisso, garantindo apoio para que "a Ucrânia nunca mais seja invadida". Para isso o primeiro-ministro britânico está disposto a aplicar sanções à Rússia "semana a semana", ao mesmo tempo que o Reino Unido vai afastar-se dos hidrocarbonetos russos, ou seja, do carvão, gás natural e petróleo.

"Juntos, com os nossos parceiros, vamos continuar a pressionar a economia russa e vamos continuar a intensificar, semana a semana, as sanções à Rússia", afirmou.

À margem do encontro, o presidente ucraniano disse que Boris Johnson é "um dos principais opositores à invasão russa, um líder nas sanções e um apoiante da Ucrânia".

"Bem-vindo a Kiev, meu amigo", disse, em declarações citadas pela CNN.

A visita de Boris Johnson à Ucrânia surge um dia depois de o Reino Unido ter anunciado um pacote de ajuda no valor de quase 100 milhões de euros em assistência militar à Ucrânia, incluindo materiais de defesa contra artilharia, tanques e meios aéreos.

O jornal The Guardian refere que o primeiro-ministro britânico se deslocou à Ucrânia num carro, tendo partido do este da Polónia, percorrendo uma rota de mais de 640 quilómetros desde a fronteira até Kiev, uma vez que a viagem de avião não garante segurança. Na chegada à capital Boris Johnson testemunhou a destruição, bem como os vestígios russos, como tanques e equipamento que ficaram para trás.

Boris Johnson surgiu com o presidente ucraniano já depois de outras figuras europeias. Também este sábado o chanceler austríaco, Karl Nehammer, esteve em Kiev, já depois de ter visitado a cidade de Bucha, onde estiveram também, no dia anterior, Ursula von der Leyen e Josep Borrell.

As visitas de altos responsáveis europeus à Ucrânia surgem depois de a Rússia ter abandonado posições perto da capital, deixando um rasto de destruição para trás, nomeadamente na já referida cidade de Bucha, onde mais de 300 corpos foram encontrados.

Continue a ler esta notícia

Relacionados

EM DESTAQUE