Três maneiras combinadas para derrotar a Rússia em 2024 (um artigo de Valery Zaluzhny) - TVI

Três maneiras combinadas para derrotar a Rússia em 2024 (um artigo de Valery Zaluzhny)

  • CNN
  • Valery Zaluzhny
  • 2 fev, 10:06
Valerii Zaluzhnyi (Getty Images)

OPINIÃO || Comandante-em-Chefe das Forças Armadas da Ucrânia, Valerii Zaluzhnyi, expõe a sua estratégia para derrotar a Rússia e os desafios que impedem o seu país de avançar militarmente

Chefe do exército ucraniano: a configuração da guerra mudou

Nota do editor: Valery Zaluzhny é Comandante-em-Chefe das Forças Armadas da Ucrânia desde 2021. Este artigo foi escrito antes do anúncio previsto da sua demissão. As opiniões expressas neste comentário são da sua exclusiva responsabilidade.

 

A Segunda Guerra Mundial terminou há quase 80 anos, mas o seu legado na definição da visão estratégica da guerra persiste até aos dias de hoje.

Quaisquer que tenham sido os notáveis avanços nos domínios da aviação, da tecnologia de mísseis e dos meios espaciais, por exemplo, o conceito de vitória permanece inalterado: destruir o inimigo e capturar ou libertar território.

E, no entanto, cada guerra é única.

E não há maior desafio para um comandante militar, na minha opinião, do que compreender - em tempo útil - como cada guerra é moldada de forma diferente.

Em primeiro lugar, pelo progresso tecnológico, que determina o desenvolvimento de armas e equipamentos.

E, em segundo lugar, pelas condições políticas internas e externas e pelo ambiente económico.

A vitória requer uma estratégia única e segue uma lógica única.

Atualmente, sabe-se que um dos principais motores desta guerra é o desenvolvimento de sistemas de armas não tripuladas.

Estes estão a proliferar a um ritmo alucinante e o âmbito das suas aplicações é cada vez maior.

Fundamentalmente, são estes sistemas não tripulados - como os drones -, juntamente com outros tipos de armas avançadas, que constituem a melhor forma de a Ucrânia evitar ser arrastada para uma guerra de posição, em que não temos vantagem.

Mas embora o domínio dessas tecnologias seja fundamental, não é o único fator que influencia a estratégia atual.

Temos de nos confrontar com uma redução do apoio militar dos nossos principais aliados, que se debatem com as suas próprias tensões políticas.

Os stocks de mísseis, interceptores de defesa aérea e munições de artilharia dos nossos parceiros estão a esgotar-se, devido à intensidade das hostilidades na Ucrânia, mas também devido a uma escassez global de cargas propulsoras.

A Rússia, tomando nota da forma como os desenvolvimentos no Médio Oriente desviaram a atenção internacional, poderá procurar provocar novos conflitos noutros locais.

A fragilidade do regime de sanções internacionais significa que a Rússia, em parceria com alguns outros, ainda é capaz de utilizar o seu complexo militar-industrial para levar a cabo uma guerra de desgaste contra nós.

Temos de reconhecer a vantagem significativa de que o inimigo goza na mobilização de recursos humanos e como isso se compara com a incapacidade das instituições estatais na Ucrânia para melhorar os níveis de efectivos das nossas forças armadas sem recorrer a medidas impopulares.

Continuamos a ser prejudicados pelas imperfeições do quadro regulamentar do nosso país, bem como pela monopolização parcial da indústria da defesa. Valerii Zaluzhnyi

Por último, continuamos a ser prejudicados pelas imperfeições do quadro regulamentar do nosso país, bem como pela monopolização parcial da indústria da defesa. Estes factores conduzem a estrangulamentos na produção - em munições, por exemplo - que aprofundam ainda mais a dependência da Ucrânia dos seus aliados em termos de fornecimentos.

A nossa experiência de combate, especialmente desde 2022, é única - mas, no interesse da vitória, temos de encontrar constantemente novas formas e novas capacidades que nos ajudem a ganhar vantagem sobre o inimigo.

Talvez a prioridade número um neste domínio seja o domínio de todo um arsenal de veículos não tripulados (relativamente) baratos, modernos e altamente eficazes e de outros meios tecnológicos.

Esses meios já permitem aos comandantes monitorizar a situação no campo de batalha em tempo real, de dia e de noite, e em todas as condições meteorológicas.

Mas não é só isso.

Eles fornecem informações em tempo real que permitem o ajustamento do fogo 24 horas por dia, sem pausa - dando-nos a capacidade de efetuar ataques de alta precisão contra alvos inimigos em posições avançadas e em profundidade.

Em suma, isto significa nada menos do que a reformulação total das operações no campo de batalha - e o abandono de um pensamento ultrapassado e estereotipado.

As novas operações podem incluir a criação de campos digitais, o controlo do ambiente radioeletrónico ou uma operação combinada que utilize drones de ataque e recursos cibernéticos.

Estas operações serão coordenadas e conduzidas sob um único conceito e plano.

De forma crucial, o objetivo nem sempre será apenas o combate.

Poderá procurar reduzir as capacidades económicas do inimigo, isolá-lo ou desgastá-lo.

As operações de ataque podem ter objectivos psicológicos.

Dito isto, para já, a prioridade continua a ser a melhoria da situação no campo de batalha.

E, neste domínio, a tecnologia tem uma superioridade incontestável sobre a tradição.

O controlo remoto destes meios significa menos soldados em perigo, reduzindo assim o nível de perdas humanas.

Oferece a oportunidade de reduzir (embora certamente não eliminar) a dependência de material pesado nas missões de combate e na condução geral das hostilidades.

E abre a possibilidade de infligir ataques súbitos e maciços contra instalações de infraestruturas críticas e centros de comunicações sem utilizar mísseis dispendiosos ou aviões tripulados.

Outras vantagens tornar-se-ão evidentes com o tempo, embora, como é óbvio, o inimigo esteja sempre à procura de formas de se defender contra essas operações e de tomar ou recuperar a iniciativa.

Assim, os sistemas de defesa também precisam de ser constantemente melhorados, tal como as contramedidas que visam a utilização de novas tecnologias pelo inimigo.

O desafio para as nossas forças armadas não pode ser subestimado.

Trata-se de criar um sistema estatal de rearmamento tecnológico completamente novo.

Tendo tudo em conta neste momento, pensamos que a criação de um sistema deste tipo pode ser concretizada em cinco meses.

Os nossos parceiros são da mesma opinião.

Este tempo será gasto na criação de uma estrutura organizacional adequada, no preenchimento e equipamento de posições, na formação e apoio, na construção de infra-estruturas de apoio e logística e no desenvolvimento de um quadro doutrinário.

Em conclusão, em 2024, temos de concentrar os nossos principais esforços em três áreas.

Criar um sistema para dotar as nossas forças armadas de meios de alta tecnologia.

Introduzir uma nova filosofia de treino e de guerra que tenha em conta as restrições dos meios e a forma como podem ser utilizados.

E dominar novas capacidades de combate o mais rapidamente possível.

Já possuímos capacidades para eliminar o inimigo e assegurar a existência de um Estado.

O nosso objetivo tem de ser aproveitar o momento - maximizar a nossa acumulação das mais recentes capacidades de combate, o que nos permitirá afetar menos recursos para infligir o máximo de danos ao inimigo, pôr fim à agressão e proteger a Ucrânia da mesma no futuro.

Continue a ler esta notícia