Ucrânia avança na linha da frente e parece otimista quanto à possibilidade de continuar a romper as defesas russas - TVI

Ucrânia avança na linha da frente e parece otimista quanto à possibilidade de continuar a romper as defesas russas

  • CNN
  • Tim Lister, Olga Voitovych e Sana Noor Haq
  • 7 set 2023, 08:35
Ucrânia liberta aldeia de Robotyne, em Zaporizhzhia, e avança para Novoprokopivka

As autoridades ucranianas continuam a mostrar-se optimistas quanto à possibilidade de a segunda linha de fortificações defensivas russas na frente sul ser mais fácil de penetrar do que a primeira, à medida que as tropas de Kiev tentam atravessar uma teia de densos campos de minas numa contraofensiva arrasadora.

Os vídeos geolocalizados dos últimos dias indicam que as unidades ucranianas fizeram progressos limitados além da aldeia de Robotine, numa altura em que procuram expandir o território na região de Zaporizhzia, no sudeste do país, que recuperaram em agosto.

As forças armadas ucranianas parecem ter direcionado as suas operações para a cidade estratégica de Tokmak - a sul de Robotine - um centro logístico que as forças russas utilizam para reabastecimento e onde se encontram depósitos de combustível e munições.

Na semana passada, as forças ucranianas afirmaram ter penetrado na primeira linha de redutos russos em Zaporizhzhia.

No entanto, a área ocupada circundante está cercada por linhas complexas de defesas russas, incluindo campos minados, barreiras anti-tanque e trincheiras profundas, o que coloca grandes desafios às tropas ucranianas que tentam recuperar o território.

Na tentativa de romper a segunda linha de defesa russa, as unidades ucranianas "beneficiarão do facto de a rede de trincheiras, abrigos e sobreposições não ser tão forte como na primeira linha", disse Oleksandr Shtupun, porta-voz das forças ucranianas no sul, à televisão ucraniana na segunda-feira.

Mas Shtupun admitiu que a segunda linha "é bastante poderosa".

"Não sei porque é que toda a gente pensa que é mais fraca. De facto, a densidade dos campos de minas é menor, mas o seu número também é bastante grande. A única coisa que pode jogar a nosso favor é o facto de as trincheiras, os abrigos e as sobreposições não serem tão fortes".

O exército ucraniano disse na quarta-feira que repeliu um contra-ataque das forças russas perto de Robotine.

O Estado-Maior afirmou que as suas unidades foram bem sucedidas na consolidação das suas posições, infligindo fogo de artilharia em alvos inimigos identificados e conduzindo operações de contra-bateria.

De acordo com analistas independentes, as forças ucranianas estão a fazer progressos numa bolsa quadrada de território a sul e a leste de Robotine, em direção a Tokmak. Mas ambos os lados relataram intenso fogo de artilharia e destruição generalizada de povoações na área.

As forças russas lançaram ataques aéreos e de artilharia contra as forças ucranianas a oeste de Robotine. A oeste da aldeia vizinha de Verbove, as forças ucranianas estão a lutar intensamente contra as trincheiras russas, de acordo com o Institute for the Study of War, um grupo de reflexão com sede em Washington. As forças russas terão reforçado as suas defesas na zona com uma injeção de novas tropas.

Ambas as partes afirmaram que a aldeia de Robotine foi reduzida a ruínas.

O governador nomeado pela Rússia para as zonas ocupadas de Zaporizhzhia, Yevgeniy Balitskiy, disse na quarta-feira que a aldeia "quase já não existe".

E reconheceu que o exército russo tinha recuado da aldeia, mas disse que se tratava de uma manobra tática para terrenos mais elevados.

"Esta povoação, que permanece apenas no mapa, não é controlada por nós a partir de hoje", acrescentou.

"O inimigo está na cratera, no fundo. Por isso, se falarmos em termos de operações de combate, estamos satisfeitos com a nossa posição atual".

Os esforços de contraofensiva ucranianos produziram ganhos limitados até agora, levantando sobrancelhas entre os aliados ocidentais que doaram milhares de milhões de dólares em ajuda militar.

Na quarta-feira, o secretário de Estado norte-americano Antony Blinken chegou a Kiev, onde deverá discutir a operação com altos funcionários, incluindo o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.

Andrew Carey e Kylie Atwood, da CNN, contribuíram para a reportagem.

Continue a ler esta notícia

Mais Vistos