Um ano depois, está Vladimir Putin de pedra e cal na Rússia? - TVI

Um ano depois, está Vladimir Putin de pedra e cal na Rússia?

  • CNN
  • Nathan Hodge
  • 21 fev 2023, 08:30
Vladimir Putin marca presença na cerimónia do 80.º aniversário do cerco a Leningrado (imagem Getty)

ANÁLISE | Um ano após a invasão da Ucrânia, há pequenas rachas na fachada do domínio de Putin

Relacionados

O líder da oposição russa, Alexey Navalny, gosta muito de uma frase, “a maravilhosa Rússia do futuro”, é a sua abreviatura para um país sem o Presidente Vladimir Putin.

Mas no ano que passou desde a invasão total da Ucrânia, a Rússia regressou a um passado sombrio e repressivo.

Durante os últimos 12 meses, o governo de Putin esmagou o que restava da sociedade civil russa e presidiu à primeira mobilização militar do seu país desde a Segunda Guerra Mundial. Opositores políticos como a Navalny estão na prisão ou fora do país. E Putin deixou claro que procura reafirmar a Rússia como um império no qual a Ucrânia não tem lugar como Estado independente.

A guerra na Ucrânia traçou uma linha fluorescente sob o período do Alto Putinismo, uma década que começou com o controverso regresso de Putin à presidência em 2012. Em retrospetiva, essa época foi um prelúdio para a guerra atual: a Rússia anexou a Península da Crimeia em 2014 e apoiou separatistas armados na região do Donbass, na Ucrânia, enquanto os tecnocratas de Putin trabalharam no sentido de proteger a economia russa de sanções.

Desde a invasão de fevereiro do ano passado, Putin resistiu aos protestos e às sanções internacionais. Os meios de comunicação social independentes e grupos de direitos humanos foram rotulados como agentes estrangeiros ou encerrados por completo.

A Rússia encontra-se agora numa nova fase incerta, e é evidente que não haverá volta atrás, nem regresso ao status quo anterior para os cidadãos comuns.

Então, é o controlo do poder por Putin incontestado? Agora, voam rumores dentro do país sobre outra onda de mobilização. E, em Moscovo, começam a surgir sinais de competição na elite, mesmo quando alguns russos conseguem ver através das fendas do muro da propaganda estatal.

Polícias detêm um manifestante durante um protesto contra a invasão russa da Ucrânia em São Petersburgo, a 27 de fevereiro de 2022. Foto EPA/ANATOLY MALTSEV

A lente distorcida da história

A 2 de fevereiro, Putin visitou a cidade de Volgogrado, no sul da Rússia, para comemorar o 80º aniversário da vitória soviética no que então se chamava Estalinegrado, um ponto de viragem crucial no que os russos tratam como a Grande Guerra Patriótica.

No seu discurso num concerto de gala em Volgogrado, Putin estabeleceu uma ligação direta entre a Batalha de Estalinegrado - o momento em que a dinâmica se deslocou na Frente Oriental contra a Alemanha nazi - e a guerra na Ucrânia, advertindo que a Rússia enfrentava uma ameaça semelhante de um “Ocidente coletivo” inclinado para a sua destruição.

“Aqueles que atraem os países europeus, incluindo a Alemanha, para uma nova guerra com a Rússia - e ainda mais irresponsavelmente declaram isto como um facto consumado -, aqueles que esperam obter uma vitória sobre a Rússia no campo de batalha, aparentemente não compreendem que uma guerra moderna com a Rússia será completamente diferente para eles”, advertiu.

Invocar Estalinegrado foi uma resposta à decisão da Alemanha de enviar os tanques Leopard 2 para a Ucrânia, algo de que Putin se queixou ser “inacreditável, mas verdadeiro”. Mas a visita do Presidente a Volgogrado teve um elemento do que o conhecido cientista político russo Kirill Rogov descreveu como o “cosplay” - jogo de máscaras - que a classe dirigente russa usa para vestir as suas políticas com as vestes de um passado heróico.

“Putin chegou a Volgogrado, que foi renomeada de Estalinegrado por alguns dias por ocasião do aniversário da Batalha de Estalinegrado”, escreveu Rogov no Telegram. “O aniversário da Batalha de Estalinegrado, que é visto como um ponto de viragem na Guerra Patriótica, é, evidentemente, usado como uma grande alusão e um aquecimento patriótico antes da segunda ofensiva decisiva contra a Ucrânia que está a ser preparada”.

Há semanas que as autoridades ucranianas têm vindo a avisar que a Rússia pode estar a preparar um novo grande ataque, talvez para coincidir com o aniversário da invasão de 2022. Em setembro, Putin ordenou uma “mobilização parcial” após uma rápida e inesperada contra-ofensiva ucraniana que expulsou as forças russas da região nordeste de Kharkiv e preparou o terreno para a recaptura pela Ucrânia da cidade meridional de Kherson. Muitas dessas tropas passaram agora pelo caminho da formação, alimentando ainda mais a especulação de que a Rússia está empenhada numa guerra de desgaste e intensiva em força humana.

Observadores também notam que as forças armadas da Rússia têm vindo a adaptar-se. Embora Putin nunca tenha conseguido o desfile da vitória em Kiev que os seus generais planearam, ele nomeou um novo comandante de campo de batalha, sinalizando outra mudança de estratégia.

“Após o fracasso da blitzkrieg (2022), a Rússia adaptou-se e apostou numa longa guerra, confiando nos seus números superiores em população, em recursos, na indústria militar e na dimensão do seu território fora do alcance dos ataques inimigos”, escreveu o observador político e comentador russo Alexander Baunov recentemente no Telegram. “Esta é uma guerra de atrito que pode ser ganha sem envolver demasiadas pessoas... Sobre a estratégia de 'esperar que saiam, aumentar a pressão, apertar mais’”.

A guerra, porém, é fluida e imprevisível. Como Baunov observou, a recente decisão da Alemanha, dos Estados Unidos e de outros aliados europeus de entregar tanques de batalha principais à Ucrânia pode testar o longo jogo de Putin.

“Um regresso à guerra rápida com tanques arruína esta nova estratégia que a Rússia acaba de pôr em prática”, escreveu Baunov. “Mais pessoas podem também ser necessárias para segurar a frente, e isto é arriscado”.

Um homem caminha no seu apartamento destruído, em Kiev, em março de 2022. Foto: Efrem Lukatsky/AP

Deveria ser claro exatamente porque é que isto é arriscado: a primeira mobilização causou grandes tremores na sociedade russa. Centenas de milhares de russos votaram com os seus pés. Eclodiram protestos em regiões de minorias étnicas como o Daguestão, onde a polícia confrontou manifestantes antimobilização em múltiplas cidades. As redes sociais russas assistiram a uma onda de vídeos e queixas públicas sobre a falta de equipamento e condições terríveis para os novos recrutas mobilizados.

Putin foi capaz de resistir à agitação com o seu formidável e bem financiado aparelho de segurança, tal como foi capaz de reprimir os protestos antiguerra que eclodiram logo após a invasão de 24 de fevereiro. E, nos meses que se seguiram à mobilização, a Rússia fez alguns progressos lentos e esmagadores na região do Donbass na Ucrânia, particularmente em torno da cidade de Bakhmut, envolta em guerra.

Muitos desses avanços foram liderados por soldados do Grupo Wagner, uma empresa militar privada chefiada pelo oligarca Yevgeny Prigozhin. Muitos relatórios sobre o Wagner concentraram-se nas táticas brutais do grupo, incluindo ataques em vagas humanas e execuções sumárias de hesitantes ou desertores.

Yevgeny Prigozhin fotografado em 2016 (Foto: Mikhail Svetlov/Getty Images)

Mas os métodos do Wagner são também um flashback até um capítulo sombrio da história soviética. Prigozhin recrutou milhares de prisioneiros com a promessa de uma amnistia ou perdão, uma prática que espelha o uso por Estaline de batalhões de condenados penais para missões desesperadas ou suicidas nos sectores mais duros da frente, utilizando ataques de vagas humanas para sobrecarregar as defesas inimigas, independentemente do custo humano.

O grupo mercenário diz já não estar a recrutar prisioneiros, mas os dispendiosos sucessos do Wagner no campo de batalha elevaram o perfil do Prigozhin. Embora o oligarca não tenha gabinete oficial do governo ou poder administrativo, a sua capacidade de apresentar resultados e a sua operação vaidosa de relações públicas aproximaram-no significativamente ao nível de Putin.

Quão próximo, exatamente, é uma questão de intenso debate. Numa entrevista com Erin Burnett da CNN, o escritor e jornalista russo Mikhail Zygar chamou às ambições de Prigozhin “o tema mais quente nas especulações em Moscovo”, observando que ele está a acumular uma atração política que lhe permitirá potencialmente desafiar Putin.

“Ele é o primeiro herói popular em muitos anos”, disse Zygar. “É um herói para a parte mais ultraconservadora - a mais, diria eu, fascista - da sociedade russa; desde que não tenhamos nenhuma parte liberal na sociedade russa, porque a maioria dos líderes dessa parte da sociedade russa partiu, ele é um rival óbvio do Presidente Putin".

Especulações recentes centraram-se sobre se os rivais dentro da elite de poder russa têm tentado cortar as asas de Prigozhin. A analista política russa Tatiana Stanovaya deu recentemente uma posição cética em relação à ascensão de Prigozhin, o que pesa nalgumas dessas considerações. Num artigo recente publicado pelo Carnegie Endowment for International Peace, ela observou que Prigozhin tem rivalidades com os ministérios do poder da Rússia e não mostra muitos resultados nas sondagens.

“Estará Prigozhin pronto para desafiar Putin?”, questionou ela num artigo recente. “Embora a resposta seja negativa, existe um 'mas' importante. É difícil permanecer equilibrado e são depois de passar por moinhos sangrentos de carne e de perder uma parte significativa do seu pessoal. Enquanto Putin for relativamente forte e capaz de manter um equilíbrio entre grupos de influência, Prigozhin está seguro. Mas a menor facilitação poderá provocar Prigozhin a desafiar o poder, mesmo que no início não diretamente a Putin. A guerra cria monstros, cuja imprudência e desespero podem tornar-se um desafio para o Estado”.

Parte do fascínio com Prigozhin tem a ver com o facto de Putin, até há um ano, gozar de um monopólio seguro do poder. As autoridades estavam bem treinadas na repressão de protestos de rua, e qualquer oposição política significativa tinha sido efetivamente neutralizada. Isso alimentou a especulação - ou talvez um desejo - de que o colapso do Putinismo pudesse ser provocado por alguma fissura no seio da elite. Os chamados siloviki (autoritários de linha dura do círculo interno de Putin) permanecem publicamente leais, mas novos reveses na Ucrânia podem criar uma potencial luta pelo poder.

Voltará a guerra a casa?

Contra esse cenário, alguns russos refugiaram-se numa espécie de apatia política. A CNN falou recentemente com vários moscovitas sobre como as suas vidas mudaram desde o ano passado, na condição de que os seus apelidos não sejam utilizados sobre os riscos de criticar publicamente o governo.

“Houve muitas mudanças (na Rússia), mas não posso realmente fazer a diferença”, disse Ira, uma mulher de 47 anos que trabalha numa publicação económica. “Tento apenas manter algum equilíbrio interno. Talvez eu seja demasiado apolítico, mas não sinto que isso (uma maior mobilização) vá acontecer”.

Ira disse que sentiu uma ansiedade aguda em fevereiro e março do ano passado, imediatamente após a invasão. Ela tinha acabado de comprar um apartamento e estava preocupada que o trabalho pudesse acabar e que não conseguisse pagar a sua hipoteca.

“Ficou muito pior na Primavera”, disse ela. “Agora parece que nos habituámos a uma nova realidade. Comecei a encontrar-me e a sair com amigas. Comecei a comprar muito mais vinho”.

Os restaurantes estão agora cheios, disse ela, mas acrescentou: “As caras parecem completamente diferentes. Os hipsters - sabes o que são os hipsters? - há menos hipsters".

Ira não tem filhos rapazes, por isso não tem de preocupar-se com a sua mobilização. Mas, diz ela, a sua filha de 21 anos começou a ir a kvartirniki - reuniões informais, boca-a-boca em apartamentos privados, um pouco reminiscentes das atuações subterrâneas realizadas na era soviética.

Olya, uma organizadora de eventos com 51 anos e mãe de dois adolescentes, disse que a sua família tinha optado por fazer mais férias domésticas. A Europa está em grande parte fechada a voos diretos da Rússia, e as oportunidades de viajar para o estrangeiro são mais limitadas.

“Começámos a viajar mais pelo país”, contou ela.

Olya e a sua família viajam com um grupo de amigos, mas alguns tópicos estão proibidos à discussão.

“Sabemos no nosso grupo o que todos pensam sobre isso (a guerra), mas não falamos sobre isso, caso contrário acabaremos a discutir”, disse ela.

A vida prossegue, disse Olya, embora haja uma guerra. “Não posso influenciar a situação”, disse. “Os meus amigos dizem, fazemos o que podemos, o que é possível. Não ajuda ficarmos deprimidos”.

O que está a ajudar o governo russo é a resistência inesperada de partes da economia russa, apesar das pesadas sanções ocidentais. A guerra tem sido dispendiosa para o governo - o Ministério das Finanças do país admitiu recentemente que o défice em 2022 foi superior ao esperado, em grande parte devido a um aumento de 30% nas despesas da defesa em relação ao ano anterior - mas o Fundo Monetário Internacional está a projetar um pequeno regresso ao crescimento do PIB da Rússia em 2023 de 0,3%.

Um empresário de 38 anos chamado Georgy disse à CNN que, na perspectiva dos seus negócios, as coisas parecem estar a melhorar.

“Aqueles que se adaptaram rapidamente reorganizaram-se e estão a ver crescimento”, disse ele. “Em janeiro fechámos um número invulgar de negócios, e a maior parte da nossa atividade normalmente retoma em fevereiro”.

Georgy falou com a CNN enquanto estava numa barulheira no trânsito de Moscovo, prova de que a vida na capital retomou parte do seu ritmo normal.

“Em termos da vida quotidiana, praticamente nada mudou”, disse ele, falando sobre o corte das importações ocidentais. “Se estamos a falar de peças para uma Classe G (Mercedes Benz), então pode ser mais complicado”.

Questionado sobre se o seu negócio foi afetado pelo êxodo dos russos desde o início da guerra, Georgy disse que não.

“Os que eu conheço pessoalmente e foram embora? Provavelmente umas cinco pessoas”, disse ele. “Eu tenho um círculo social patriótico”.

Georgy disse que é cético em relação aos meios de comunicação estatais, dizendo que procura outras fontes de informação. E reconheceu que, teoricamente, poderá ser convocado noutra onda de mobilização.

“A minha atitude é algo filosófica”, disse ele. “Claro, preferia não o fazer”.

Antes do último mês de fevereiro, a crescente classe média russa poderia beneficiar do contrato social de Putin: fique fora da política e gozará a vida numa Moscovo ao estilo europeu ou em São Petersburgo. Agora o acordo foi pela janela. A Rússia está mais longe do que nunca da Europa, e resta saber se o apoio a uma guerra com o final em aberto pode ser sustentado.

Continue a ler esta notícia

Relacionados