Xi e Putin reúnem-se em Pequim enquanto as tensões com os EUA se agravam - TVI

Xi e Putin reúnem-se em Pequim enquanto as tensões com os EUA se agravam

  • CNN
  • Simone McCarthy
  • 17 out 2023, 08:52
Xi Jinping e Vladimir Putin

Demonstração de solidariedade entre líderes acontece numa altura em que as divisões com o Ocidente se acentuam.

Pequim (CNN) - Quando o Presidente russo, Vladimir Putin, e o líder chinês, Xi Jinping, se encontraram em Pequim para a abertura dos Jogos Olímpicos de inverno de 2022, delinearam com confiança a sua visão de uma nova ordem internacional que já não é dominada pelos Estados Unidos e pelos seus aliados democráticos.

Agora, quase dois anos depois, e com as linhas de fratura geopolíticas a endurecerem a nível mundial, os dois autocratas mais poderosos do mundo preparam-se para se voltarem a encontrar na capital chinesa.

A reunião decorre sob a sombra de um conflito, com a invasão da Ucrânia pela Rússia - lançada apenas três semanas após o último encontro dos líderes em Pequim - e a guerra de Israel contra o Hamas, que ameaça agora escalar a nível regional.

Tanto Pequim como Moscovo criticaram as acções de Israel em resposta a um ataque de choque do grupo militante palestiniano Hamas, na semana passada, e apelaram a um cessar-fogo, na mais recente demonstração dos esforços das duas potências para intensificar a sua liderança alternativa à dos Estados Unidos, que afirma o direito de retaliação de Israel.

É provável que Xi e Putin discutam a situação durante uma reunião esta semana, quando Putin chegar como convidado de honra no Fórum da Iniciativa Cinturão e Rota em Pequim - uma viagem ao estrangeiro excecionalmente rara para o líder diplomaticamente isolado.

Os chefes de Estado, representantes e delegações de mais de 140 países deverão participar no evento diplomático de dois dias, que se inicia na terça-feira, e que assinala os 10 anos do início do financiamento das infraestruturas globais de Xi, dando ao líder chinês a oportunidade de projetar as crescentes ambições globais de Pequim.

Uma viagem rara

Putin, que raramente deixou o bloco das antigas nações soviéticas desde que lançou a sua guerra, é evitado pelo Ocidente e procurado por um tribunal internacional por alegados crimes de guerra. Os especialistas dizem que Putin também não está disposto a viajar para qualquer sítio onde sinta que a sua segurança pessoal não pode ser absolutamente assegurada. Na semana passada, fez a sua primeira viagem conhecida do ano fora do território controlado pela Rússia, com uma visita ao Quirguizistão.

Mas apesar da mudança de circunstâncias de Putin desde a sua última visita a Pequim, os dois líderes estão cada vez mais alinhados na apresentação de uma visão do mundo alternativa à oferecida pelo Ocidente - à medida que procuram trazer mais países para os seus esforços para alterar um equilíbrio global de poder que consideram estar contra eles.

Putin e Xi encontraram-se 40 vezes na última década

Numa entrevista à emissora estatal chinesa antes do evento, Putin elogiou Xi, chamando ao Presidente chinês "firme, calmo, pragmático e fiável - um verdadeiro líder mundial", e saudando a sua "abordagem única de lidar com outros países", que não mostrou qualquer imposição ou coerção, mas antes ofereceu oportunidades aos outros.

Putin e Xi, que referem frequentemente a sua estreita amizade, encontraram-se 40 vezes na última década, incluindo duas vezes desde o início da guerra na Ucrânia. Durante o seu anterior encontro em Pequim, os dois homens publicaram uma declaração conjunta de 5.000 palavras declarando uma amizade "sem limites" e sublinhando o seu profundo alinhamento contra o Ocidente.

A participação no fórum será uma oportunidade significativa para Putin "conseguir exposição internacional (...) e mostrar que a Rússia ainda tem um amigo forte na China", disse Li Mingjiang, professor associado de relações internacionais na Universidade Tecnológica de Nanyang, em Singapura.

"E para a China, ter um ator internacional importante como Putin a participar na cimeira da BRI é também politicamente importante", acrescentou. O fórum, que é o evento mais importante do ano diplomático de Xi, deverá incluir líderes de países em desenvolvimento e de rendimento médio menos influentes.

O líder chinês Xi Jinping inspecciona a guarda de honra no Aeroporto Vnukovo de Moscovo em 20 de março de 2023. Xie Huanchi/Xinhua via Getty Images

Já não há limites?

A invasão russa da Ucrânia pôs à prova a crescente relação China-Rússia como nenhum outro acontecimento na história recente, colocando Pequim sob forte escrutínio das nações ocidentais pelos seus laços estreitos com o seu vizinho do norte e levantando questões sobre se Xi tinha conhecimento prévio do plano de Putin.

Desde então, Pequim tem reivindicado a sua neutralidade no conflito e apelado à paz, tendo nos últimos meses intensificado os esforços para ser vista como um potencial mediador de paz, uma vez que as preocupações com os seus laços estreitos com a Rússia têm vindo a afetar ainda mais as suas relações com a Europa e os Estados Unidos.

Mas a segunda maior economia do mundo também se tornou uma tábua de salvação para uma Rússia sujeita a sanções, que está agora dependente dela para a aquisição de bens e energia, e os dois países aprofundaram as suas interacções numa série de áreas desde o início da guerra.

No ano passado, a Rússia e a China registaram um recorde comercial, que continuou a crescer em 2023. Segundo os especialistas, expandiram a cooperação em matéria de segurança através de mais exercícios militares conjuntos e de um diálogo oficial robusto, e continuaram a aprofundar os laços diplomáticos - incluindo os de Putin e Xi, que no início deste ano escolheu uma visita de Estado a Moscovo como a primeira viagem ao estrangeiro simbolicamente significativa do seu terceiro mandato como Presidente da China.

"A China tenta, retórica e simbolicamente, colocar uma certa distância entre si e a Rússia, quando se trata de falar com o público ocidental", disse Alex Gabuev, diretor do Centro Carnegie Rússia Eurasia, em Berlim.

Mas, mesmo que oficialmente não seja apelidada de "parceria sem limites", a relação entre a China e a Rússia tornou-se, em termos reais, mais sólida, robusta e profunda.

Uma fragata naval chinesa participa de exercícios navais conjuntos com navios de guerra russos no Mar da China Oriental em dezembro de 2022, nesta foto divulgada pela agência de notícias estatal Xinhua. Xu Wei/Xinhua/AP

Um impulso para a paz?

A realização do fórum em Pequim, num momento em que Israel dá sinais de que poderá lançar uma invasão terrestre na Faixa de Gaza, governada pelo Hamas, representa uma oportunidade para Putin desviar as atenções globais da guerra na Ucrânia, segundo os analistas.

Espera-se que Moscovo apresente uma resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas apelando a um cessar-fogo, sem nomear o Hamas, com o seu enviado da ONU a comparar, na sexta-feira, o bombardeamento dia após dia de Gaza, controlada pelo Hamas, com o cerco brutal de Leninegrado durante a Segunda Guerra Mundial.

No outro extremo do espetro histórico, o Presidente dos EUA, Joe Biden, descreveu este fim de semana o ataque do Hamas como o pior massacre de judeus desde o Holocausto.

A China afirmou que irá enviar o seu enviado ao Médio Oriente para incentivar as conversações e condenou "todos os actos que prejudicam os civis", mas não dirigiu explicitamente essa condenação ao Hamas, nem nomeou o grupo nas suas declarações.

Durante uma série de contactos diplomáticos nos últimos dias, o ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Yi, afirmou que as acções de Israel "ultrapassaram o âmbito da autodefesa".

As declarações de ambos os países contrastam com as dos EUA, que deixaram claro o seu firme apoio a Israel - e sinalizaram que não sentem que este seja o momento apropriado para um cessar-fogo.

Espera-se que Xi e Putin discutam o conflito na sua próxima reunião - onde a guerra da Rússia na Ucrânia também deverá ser mencionada.

Também neste conflito, a China tem tentado posicionar-se como um potencial mediador.

Mas quando se trata do interesse da China em pressionar o líder russo a pôr fim à sua invasão, Xi poderá ser cauteloso em não dar qualquer passo que possa prejudicar as relações.

A China está a assistir a uma potencial alteração das posições mundiais sobre o conflito, com sinais de mudança de atitude, pelo menos nalgumas partes da Europa, e as próximas eleições nos Estados Unidos, no próximo ano, podem provocar uma mudança significativa no nível de apoio dos EUA à Ucrânia.

"Até agora, não vemos qualquer sinal de que a China esteja interessada em usar a sua vantagem (para pressionar a Rússia)", disse Li em Singapura.

"Os decisores políticos chineses não querem ver o mais pequeno nível de desconfiança entre Pequim e Moscovo."

Continue a ler esta notícia