Porque o pedido de adesão da Ucrânia à NATO é um dilema tão profundo para o Ocidente - TVI

Porque o pedido de adesão da Ucrânia à NATO é um dilema tão profundo para o Ocidente

  • CNN
  • Análise de Stephen Collinson
  • 10 jul 2023, 18:00
Joe Biden e Volodymyr Zelensky em Kiev (EPA)

Enquanto alguns membros da Aliança estão otimistas quanto a um calendário antecipado para acolher Kiev, outros Estados como os EUA são mais cautelosos

Relacionados

O presidente Joe Biden afirmou, antes da importante viagem à Europa, que a Ucrânia ainda não está preparada para entrar na NATO. Mais concretamente, a Aliança ainda não está preparada para a adesão da Ucrânia, num passo histórico que pode dissuadir Moscovo, mas que também pode aumentar o risco de uma guerra entre os EUA e a Rússia.

Biden apostou no armamento da Ucrânia para repelir a invasão russa - mais recentemente com uma decisão polémica de enviar bombas de fragmentação. No entanto, numa entrevista exclusiva à CNN, enviou uma mensagem forte a Kiev, dizendo que é pouco provável que a sua campanha cada vez mais incisiva resulte numa data certa para a entrada na NATO, a sair da cimeira na Lituânia, esta semana.

Enquanto alguns membros da Europa de Leste estão otimistas quanto a um calendário antecipado para acolher a Ucrânia, outros Estados como os EUA são mais cautelosos, em parte devido ao receio de que avançar rapidamente para a adesão à NATO possa provocar o conflito direto com a Rússia que Biden está desesperado por evitar.

"Não creio que haja unanimidade na NATO quanto a trazer ou não a Ucrânia para a família agora, neste momento, no meio de uma guerra", disse Joe Biden numa entrevista a Fareed Zakaria, da CNN, transmitida no domingo. O presidente disse que a Aliança precisava de traçar um "caminho racional" para a adesão da Ucrânia, mas que ainda faltavam alguns requisitos para a adesão, incluindo a democratização.

Embora Biden tenha afirmado que discutiu longamente a questão com o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky e que, antes da guerra, se recusou a permitir que o presidente russo Vladimir Putin vetasse a eventual adesão de Kiev, os seus comentários irão desiludir a Ucrânia, que sofre uma guerra horrível, com múltiplos crimes contra a humanidade. A Ucrânia tem avisado muitas vezes que está a travar a guerra do Ocidente contra o expansionismo russo e que enfraqueceu o principal adversário da NATO na Europa, pelo que tem um argumento moral a favor das garantias de defesa de que os Estados da NATO beneficiam. Mas até Zelensky aceita que a Ucrânia não pode aderir à NATO enquanto a guerra continuar.

Ainda assim, numa entrevista à ABC News, deu a entender que não seria convidado da cimeira da NATO "por diversão" e que poderia ficar de fora, a menos que houvesse mais clareza sobre a adesão e as garantias de segurança. "Seria uma mensagem importante para dizer que a NATO não tem medo da Rússia", afirmou.

Uma decisão crucial

A decisão sobre a adesão da Ucrânia à NATO é uma das questões de segurança europeias mais cruciais desde que as vagas de expansão levaram a Aliança até às fronteiras da Rússia, num processo que, segundo os defensores, garantiu a paz pós-Guerra Fria ao dissuadir a agressão do Kremlin. No entanto, os críticos do alargamento à antiga Europa Oriental soviética argumentam que o processo humilhou Moscovo, transformou-o de novo num inimigo declarado do Ocidente e ajudou a conduzir à invasão da Ucrânia.

Uma decisão de admitir a Ucrânia estenderia a sagrada promessa da NATO de que um ataque a um membro é um ataque a todos a uma Nação que a Rússia considera, no mínimo, como parte da sua esfera de influência - mesmo que tal afirmação não tenha qualquer base no direito internacional. Isso comprometeria os futuros líderes ocidentais a entrar em guerra com a Rússia, que possui armas nucleares, e a arriscar potencialmente uma terceira guerra mundial se o Kremlin voltasse a atacar o seu vizinho.

No entanto, os apoiantes da adesão da Ucrânia à NATO argumentam que décadas de segurança e integridade territorial proporcionadas às nações do antigo Pacto de Varsóvia, como a Polónia, a Hungria e a Roménia, são, por si só, uma prova de que, uma vez sob o guarda-chuva de defesa mútua da NATO, a Ucrânia estaria finalmente a salvo de futuras incursões de Moscovo. O argumento é especialmente pertinente, uma vez que a anfitriã da cimeira, a Lituânia, tal como os seus vizinhos bálticos, Letónia e Estónia, foi anexada pela União Soviética e considerada altamente vulnerável à Rússia antes da sua entrada na NATO em 2004.

Os argumentos a favor da Ucrânia na NATO

Em termos gerais, o argumento a favor do acolhimento da Ucrânia pela NATO inclui as garantias de segurança rígidas que seriam concebidas para dissipar a sua vulnerabilidade aos ataques russos. Os apoiantes da adesão de Kiev salientam que uma vaga promessa de futura adesão - feita pela primeira vez na cimeira de Bucareste, em 2008, sem um calendário realista para a entrada - ofereceu a Putin um incentivo para invadir antes de a Ucrânia aderir.

A adesão à NATO também impulsionaria a tentativa da Ucrânia de cimentar uma democracia que era vulnerável antes da guerra e de satisfazer o desejo de muitos dos seus cidadãos de se juntarem ao Ocidente. Com a sua guerra brutal, Moscovo perdeu qualquer influência moral sobre a adesão ou não da Ucrânia. Além disso, a adição do exército mais resistente da Europa, com mais pessoal armado do que a maioria dos Estados membros, reforçaria o poder militar da NATO.

Lindsey Graham, um republicano da Carolina do Sul, e Richard Blumenthal, um democrata do Connecticut, apresentaram na semana passada uma resolução que apela a um roteiro para a adesão da Ucrânia à NATO, logo que seja possível. "Só através da adesão à NATO é que a Ucrânia pode experimentar uma verdadeira segurança face à repetida agressão russa", afirmaram os senadores num comunicado. "A sua luta tem sido uma posição contra o autoritarismo corrupto e conquistou uma paz segura e duradoura no seio da NATO."

Os argumentos contra

Há argumentos a curto e a longo prazo contra a adesão da Ucrânia à NATO. Biden avisou na sua entrevista à CNN que fazê-lo em tempo de guerra comprometeria imediatamente a Aliança a defender um novo parceiro - para provar que a defesa coletiva do grupo é significativa. "Estou a falar a sério", disse o presidente. "É um compromisso que todos nós assumimos, aconteça o que acontecer. Se a guerra está a decorrer, então estamos todos em guerra. Estamos em guerra com a Rússia, se for esse o caso."

Oferecer à Ucrânia uma data fixa para aderir após o fim da guerra pode ser contraproducente, uma vez que daria ao Kremlin uma justificação para nunca pôr fim ao conflito. Isto iria destruir as esperanças, reconhecidamente ténues, de um acordo político se as forças ucranianas acabarem por não conseguir expulsar todas as forças russas. E arriscar-se-ia a fortalecer Putin a nível interno, ao parecer justificar uma das suas razões para a invasão não provocada - a sua alegação infundada de que o Ocidente desencadeou a guerra para reclamar a Ucrânia numa tentativa de enfraquecer o poder russo.

Enquanto se dirigia para o Reino Unido na primeira etapa da sua visita à Europa, Biden recebeu apoio à sua estratégia do deputado Michael McCaul, presidente da Comissão dos Negócios Estrangeiros da Câmara dos Representantes, que disse ser "demasiado prematuro" falar da adesão imediata da Ucrânia à NATO. "Em primeiro lugar, têm de vencer a contraofensiva, em segundo lugar, fazer um cessar-fogo e depois negociar um acordo de paz. Não podemos admitir a Ucrânia na NATO imediatamente. Isso colocar-nos-ia em guerra com a Rússia", afirmou o republicano do Texas no programa "State of the Union" da CNN, no domingo.

"Por isso, penso que a conversa vai ser sobre quais os acordos de segurança que podem ser estabelecidos com a Ucrânia como um pretexto para a possível ascensão da Ucrânia à NATO", disse, acrescentando: "Temos de ser cuidadosos na forma como fazemos isto."

As garantias de segurança dos EUA e da Europa à Ucrânia - para além do esforço multimilionário de armar o país para se defender da ameaça russa - mudariam o quadro estratégico da Europa Ocidental. Também seriam dadas sem qualquer garantia de que o Kremlin se tornaria mais benigno para com o Ocidente nas próximas décadas. Mas não há razão, por exemplo, para que os Estados Unidos e os seus aliados não se comprometam a oferecer à Ucrânia os meios para se defender - sem a adesão à NATO - tal como os Estados Unidos fazem com Israel e Taiwan.

O risco de um confronto com a Rússia no futuro pesa muito na mente de muitos analistas. "Os Estados Unidos não devem garantir a segurança da Ucrânia. Ponto final", disse Ben Friedman, diretor político da Defense Priorities, um think tank dedicado a promover uma visão realista da política de segurança nacional. "Não o devemos fazer agora, através da NATO ou de outro modo (através) de algum tipo de garantias de segurança bilaterais, e não o devemos fazer como parte de um acordo de paz."

Friedman argumentou que, apesar da resistência heróica da Ucrânia, as considerações mais amplas sobre os interesses de Washington devem ter prioridade. "Garantir a segurança da Ucrânia iria corroer a segurança dos EUA, aumentando o risco, obviamente, de guerra com a Rússia", disse. "Isso contém o risco, claro, de uma escalada nuclear, e por esse risco penso que os Estados Unidos não recebem basicamente nada de valor em termos de segurança."

Nem Biden, nem qualquer outro membro da sua administração apresentou argumentos ao povo americano sobre a razão pela qual, em última análise, seria do interesse de 330 milhões de americanos entrar em guerra com a Rússia para defender a Ucrânia se esta aderisse à NATO. De facto, o presidente tem apresentado um argumento oposto, implícito, sublinhando que, apesar de uma situação de guerra por procuração na Ucrânia, a sua principal preocupação é evitar um confronto direto com a Rússia. Os defensores do acolhimento da Ucrânia pela NATO argumentam muitas vezes que os eleitores americanos não obtiveram tal compromisso em relação a outros Estados da Europa de Leste formalmente comunistas, outrora na órbita da União Soviética. Mas a Ucrânia pode estar mais em risco, uma vez que tem maiores associações culturais e históricas - e, para a Rússia, está ligada à sua identidade, justificada ou não.

Uma potencial desvantagem de oferecer à Ucrânia eventuais garantias de segurança através da NATO ou de outro mecanismo seria se a vontade política de as fazer cumprir diminuísse no futuro. A incapacidade de defender tais garantias levantaria sérias dúvidas sobre o atual espírito de defesa mútua da NATO e poderia acabar por enfraquecer desastrosamente a integridade da Aliança.

Mesmo que Biden alterasse a sua posição sobre a aceleração da adesão da Ucrânia à NATO, não pode garantir que um sucessor honre as obrigações do tratado. De facto, o ex-Presidente Donald Trump tem vindo a avisar que Biden está a conduzir os EUA para uma potencial Terceira Guerra Mundial contra a Rússia e tem insistido que acabaria com a guerra na Ucrânia em 24 horas se fosse eleito para um novo mandato. Estes comentários sugerem uma maior simpatia pelos objetivos de Putin, de quem Biden se tem frequentemente aproximado.

A situação política incerta nos Estados Unidos pode ser uma das razões pelas quais Zelensky parece tão desesperado para garantir que as aspirações urgentes do seu país à NATO sejam concretizadas na cimeira desta semana.

Continue a ler esta notícia

Relacionados