A rebelião foi rapidamente contida, mas a Rússia é um lugar diferente - TVI

A rebelião foi rapidamente contida, mas a Rússia é um lugar diferente

  • CNN
  • Análise de Tim Lister
  • 26 jun 2023, 22:00
Elementos do grupo Wagner nas ruas em Rostov-do-Don na Rússia (AP)

Relacionados

Os acontecimentos do fim de semana na Rússia parecem uma interrupção quase surrealista do longo conflito que se desenrola na vizinha Ucrânia. O desafio de Yevgeny Prigozhin ao Estado russo eclodiu e recuou no espaço de 24 horas, mas as consequências do seu curto motim podem repercutir-se durante muito mais tempo.

As forças Wagner de Prigozhin, apesar de toda a sua ostentação, nunca seriam capazes de fazer frente às forças de segurança russas. A marcha sobre Moscovo era composta por grupos dispersos que não tinham forma nem direção - e não tinham poder de fogo suficiente para desafiar os militares comuns.

Apesar da fanfarronice de Prigozhin, não há praticamente provas de que qualquer unidade russa tenha passado para o lado do Wagner, embora algumas possam ter optado por não os confrontar. De certa forma, foi surpreendente o facto de as colunas de Prigozhin terem chegado tão longe.

E, no entanto, a saga foi humilhante para os militares russos e, pelo menos, embaraçosa para o Kremlin. Houve o bizarro encontro gravado entre Prigozhin e dois oficiais muito graduados em Rostov-on-Don, durante o qual ele os repreendeu como se fossem adolescentes condenados a um castigo (e disse que o Ministro da Defesa Sergei Shoigu tinha fugido).

Prigozhin e os seus homens conseguiram apoderar-se do quartel-general do Distrito Militar do Sul sem um murmúrio, e muito menos um tiro. De facto, as forças russas (à exceção de um par de helicópteros sobre a cidade de Voronezh) parecem ter passado pelos acontecimentos do dia como sonâmbulos.

O breve drama obrigou o presidente Vladimir Putin, visivelmente zangado, a dirigir-se à nação na madrugada de sábado e a ameaçar Prigozhin com consequências terríveis, chegando mesmo a levantar o especro de uma guerra civil. O muito apreciado sentido de propósito nacional numa luta existencial contra o que Moscovo falsamente afirma serem neonazis ucranianos, criaturas do Ocidente, foi interrompido pelo que foi, por vezes, um dia de melodrama.

Alguns momentos, como a montagem apressada de bloqueios de estradas na periferia sul de Moscovo e a mobilização de forças especiais chechenas para avançarem sobre Rostov, fizeram lembrar a tentativa de golpe de Estado da linha dura soviética contra Mikhail Gorbachev, em 1991 - não no sentido político, mas pela natureza aleatória e incerta dos acontecimentos.

Acima de tudo, o dia expôs a natureza transacional das relações entre as elites russas. O que tinha começado como um comportamento "traiçoeiro" e um desafio criminoso ao Estado, que devia ser tratado sem piedade, terminou com um acordo de mau gosto mediado pelo ditador do lado, que deu a Prigozhin um "cartão livre de prisão" e amnistia aos amotinados que avançavam sobre Moscovo.

Putin parece mais fraco

Isto não passou despercebido em Kiev, com um conselheiro do chefe do gabinete do Presidente ucraniano, Mikhailo Podolyak, a dizer que "no final do dia, tudo volta ao normal, (Prigozhin) não é um traidor, é um herói da Rússia, etc. É um Estado falhado".

Os meios de comunicação social estatais russos esforçaram-se por mostrar que Putin esteve sempre em controlo. "Durante toda a noite, o presidente esteve em contacto com todas as estruturas de aplicação da lei", disse Pavel Zarubin, um repórter da televisão estatal no domingo.

E, na realidade, a Rússia "não está à beira de uma guerra civil ou de uma grande convulsão, mesmo que haja um nível não negligenciável de descontentamento com o estado das coisas em todo o país", conclui Thomas Graham, do grupo de reflexão do Conselho de Relações Externas.

Mas como Prigozhin teve uma escapatória horas depois de ter apostado tudo no derrube do poder militar, a sua saída de cena deixou Putin com um ar mais fraco e até um pouco ingénuo.

Durante anos, Putin tolerou e até encorajou as ambições de Prigozhin. A sua empresa militar privada Wagner foi, no início, uma forma barata de projetar o poder russo em África, de cumprir um dever básico de guarda na Síria e, mais tarde, de servir de contrapeso útil ao sistema de defesa, que o chefe dos Wagner insultou numa linguagem cada vez mais sulfúrica após o lançamento da operação na Ucrânia.

O ativismo de Prigozhin, a pilhagem das prisões russas em busca de carne para canhão, a prontidão dos seus combatentes para passarem à ofensiva e acabarem por conquistar a cidade de Bakhmut, apesar das perdas hediondas, contrastavam com a liderança quase invisível do Ministério da Defesa e com o elenco em constante mudança de generais que lideravam a "operação militar especial".

Putin repreendeu-o indiretamente este mês, depois de Prigozhin ter recusado uma ordem para registar (e, assim, desarmar) os Wagner no Ministério da Defesa (numa linguagem colorida que é a sua imagem de marca); mas não foram tomadas quaisquer medidas. Esta tentativa do ministério pode ter levado Prigozhin a fazer a sua drástica diligência, mas mesmo que Putin a tenha previsto, não conseguiu evitá-la. Disse que as acções do seu antigo chefe e camarada de São Petersburgo eram uma "punhalada nas costas".

A direção do Ministério da Defesa, mais concretamente Shoigu e o Chefe do Estado-Maior General Valery Gerasimov, manteve-se em silêncio e aparentemente ausente durante toda a crise. A sua reputação, já de si manchada, parece ter sofrido um novo golpe, enquanto dois generais de topo falaram - exigindo que Prigozhin pusesse fim à sua escapadela.

Um oficial ucraniano observou com alguma satisfação que "muitos oficiais superiores responsáveis pela tomada de decisões optaram por se abster de dar ordens ou de fazer movimentos decisivos, optando por esperar pelo resultado".

O brilho está a desaparecer

Poderá demorar semanas até que qualquer remodelação de pessoal se materialize em Moscovo, mas "alguém terá de assumir a culpa por não ter cortado a rebelião pela raiz". É de apostar que Putin não se vai culpar a si próprio. Haverá muito apontar de dedos dentro do Kremlin, à medida que as facções de elite procuram salvar as suas próprias posições e corroer as dos seus rivais", diz Graham do CFR.

Os acontecimentos do fim de semana parecem ter desfeito o brilho já desvanecido da omnisciência de Putin, corroído por uma série de erros de cálculo no planeamento e na execução da guerra e por uma grave subestimação da resposta do Ocidente. Como disse o secretário de Estado norte-americano Antony Blinken à CNN, no domingo, há 16 meses as forças russas esperavam conquistar Kiev "numa questão de dias".

"Agora, têm de se concentrar na defesa de Moscovo - a capital da Rússia - contra mercenários e os próprios homens de Putin".

Graham concorda.

"A dúvida vai inevitavelmente desviar a atenção dos altos dirigentes russos do esforço de guerra - e não apenas a curto prazo... O Kremlin terá de dedicar mais recursos para garantir que não surja uma ameaça semelhante no futuro", escreve.

Num Estado autoritário, a dúvida é corrosiva. Phillips O'Brien, professor de estudos estratégicos na Universidade de St. Andrews, na Escócia, diz que "para uma ditadura construída com base na ideia de poder incontestado, isto foi uma humilhação extrema e é difícil imaginar que o génio da dúvida possa voltar a entrar na garrafa".

Hanna Notte, associada sénior do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, concorda - até certo ponto.

"É concebível que a corrosão do seu governo esteja em movimento. E, mais importante, que o processo continue", escreveu Notte no Twitter. "Mas também existe a possibilidade de a imensa disfuncionalidade do sistema que observámos ontem se revelar bastante duradoura e não se tornar perigosa para #Putin."

Putin parece acreditar que pode desgastar todos os adversários - o Ocidente, a Ucrânia e, provavelmente, Prigozhin. E Notte diz que, se "a contraofensiva da Ucrânia ficar aquém das expectativas, o regime pode revelar-se menos frágil do que muitos pensavam".

Um estímulo para os ucranianos

O Kremlin pode muito bem usar a agitação para reforçar ainda mais o aparelho de opressão, a única parte do Estado russo que parece funcionar de forma relativamente eficiente.

Ainda se desconhece o efeito de arrastamento dos acontecimentos do fim de semana nas tropas russas na Ucrânia, cujo moral já é frágil. É provável que muitos se perguntem mais uma vez por que razão estão a lutar, à medida que a contraofensiva ucraniana ganha ritmo.

E, claro, o episódio é apenas um estímulo para os ucranianos. Um oficial militar ucraniano foi provocadoramente mostrado nas redes sociais a comer pipocas enquanto assistia ao desenrolar dos acontecimentos na Rússia.

Podolyak diz que "Prigozhin humilhou Putin/o Estado e mostrou que já não existe o monopólio da violência", e continua a ridicularizar o Estado russo como uma "estrutura frágil mantida pela inércia numa asa e numa oração".

É claro que se trata de uma hipérbole, mas, numa altura em que a contraofensiva ucraniana luta para ganhar força, a perspetiva (ainda que ténue) de uma ameaça interna a Putin é provavelmente um pensamento reconfortante.

Quanto a Prigozhin, visto pela última vez a apertar a mão a admiradores à saída de Rostov: desconhece-se o seu paradeiro atual. Mas, partindo do princípio que está inteiro, é provável que regresse. A sua empresa de gestão disse à CNN que ele responderia a perguntas assim que voltasse a comunicar.

"O instrumento de Prigozhin é o Telegram. Putin é famoso por não estar na Internet; aparentemente, não compreende as redes sociais. Grande erro", diz o biógrafo de Estaline, Stephen Kotkin.

Quanto ao panorama geral, o Kremlin de Putin "manteve-se, e mantém-se, viável enquanto não houver alternativa política", acrescenta Kotkin. "Agora, podemos ver até que ponto o regime é oco. Putin lançou, sem querer, um teste de resistência ao seu próprio regime".

Continue a ler esta notícia

Relacionados