A Rússia está a ganhar terreno e a Ucrânia precisa de mais soldados (mas há um problema no recrutamento) - TVI

A Rússia está a ganhar terreno e a Ucrânia precisa de mais soldados (mas há um problema no recrutamento)

  • CNN
  • Andrew Carey, Daria Tarasova-Markina e Victoria Butenko
  • 22 fev, 09:00
Militares ucranianos das Forças de Assalto Aéreo preparam-se para disparar um obuseiro autopropulsado com rodas Caesar 8x8 de 155 mm numa linha da frente num local não revelado, no sul da Ucrânia (Genya Savilov/AFP/Getty Images via CNN Newsource)

Um pequeno grupo de mulheres pensou em cancelar o seu protesto quando as sirenes soaram. Mas, apesar de Kiev estar novamente sob ataque de mísseis, o protesto prosseguiu na mesma. Antonina trouxe consigo o seu filho Sasha, de três anos.

"O meu pai não vem a casa. Estamos à espera dele. Estou à espera que o meu pai volte", diz o rapazinho.

Segurando um cartaz com os dizeres "prazos justos para a desmobilização", Antonina conta que o marido estava atualmente a servir numa unidade de morteiros perto de Bakhmut, no leste da Ucrânia. Há cinco meses que não o vê e tenta explicar a sua ausência a Sasha.

"Digo ao meu filho que o pai está a trabalhar, está na tropa, está a ganhar dinheiro".

Atualmente, os períodos de mobilização são ilimitados, sem qualquer limite estatutário. O marido de Antonina foi voluntário há dois anos, logo após a invasão total da Rússia. Atualmente com 43 anos, já serviu tempo suficiente, refere à CNN.

"É difícil para o meu marido aguentar este período de tempo no terreno, evitando todos os projéteis e fazendo tudo o que tem de fazer na linha da frente", acrescenta.

A uma curta distância do local onde as mulheres se encontravam, os legisladores debatiam as reformas das regras de mobilização da Ucrânia, no interior do edifício do parlamento de Kiev, fortemente protegido. Dentro de algumas semanas, poderá ser aprovada uma nova lei que deverá abrir caminho a um aumento significativo do número de recrutas.

Antonina e o filho Sasha, de três anos, participam num protesto em Kiev, na Ucrânia, exigindo que a mobilização dos soldados tenha um limite de tempo (Daria Tarasova-Markina/CNN via CNN Newsource)

A escassez de mão de obra ucraniana na guerra com a Rússia está de novo no topo da agenda e reflete a mudança de humor no país.

Antes da contraofensiva do ano passado, a Ucrânia estava confiante. "Chegou o momento de recuperar o que é nosso", dizia um vídeo altamente produzido, publicado no canal Telegram do então comandante das Forças Armadas da Ucrânia, Valerii Zaluzhnyi.

Havia grandes expetativas de que o trabalho de fazer recuar os invasores russos, que tinha começado com tanto sucesso no verão de 2022, pudesse ser reiniciado e talvez mesmo concluído até ao final de 2023.

Mas a Ucrânia não conseguiu obter ganhos significativos, uma vez que as defesas russas se revelaram muito mais difíceis de quebrar e os drones passaram a dominar o espaço de batalha. Ao longo de 2023, a Rússia - um país com três vezes mais pessoas do que a Ucrânia - aumentou o número de tropas nos territórios ocupados em quase um terço, de acordo com um think tank baseado em Londres.

Nas últimas semanas, as notícias têm vindo a piorar para Kiev. As forças de Moscovo estão a avançar em vários locais ao longo da frente oriental e, na madrugada de sábado, os generais anunciaram que tinham retirado de Avdiivka, uma cidade industrial no sudeste do país.

A sensação atual é que não só os novos soldados precisam de se apresentar, como também precisam de ser mais em número.

"De uma forma ou de outra, todos devem servir, é nosso dever defender a nossa terra, as nossas famílias, a nossa pátria. Se não queres lutar, que tipo de cidadão és tu?", afirma um operador de drones, conhecido pelo nome de código "Mac", do leste da Ucrânia, onde está a servir na 92ª Brigada de Assalto.

Mykola, que comanda um sistema de lançamento de foguetes Grad e está também atualmente estacionado no leste, lembra que tem 59 anos, o que o coloca apenas um ano abaixo do limite de mobilização.

"Toda a Ucrânia está em guerra e todos os homens que pensam que vivem na Ucrânia têm de passar por isso. É irreversível. As pessoas aqui estão cansadas", lamenta..

Consenso sobre a necessidade de reformas

Os ucranianos têm-se voluntariado em grande número desde o início da invasão em grande escala da Rússia, há dois anos. Mas as longas filas que se viam nas agências de recrutamento no primeiro semestre de 2022 são coisa do passado. Existe um sistema de recrutamento para complementar as fileiras de voluntários, mas o governo há muito que se queixa de que o sistema é disfuncional, uma vez que as autoridades estatais não conseguem fazer cumprir as regras de mobilização.

Voluntários, fotografados em 25 de fevereiro de 2022, fazem fila à porta do gabinete de registo e alistamento militar da cidade para se juntarem à Força de Defesa Territorial, Ivano-Frankivsk, Ucrânia ocidental (Yurii Rylchuk/ Ukrinform/Future Publishing/Getty Images via CNN Newsource)

A elegibilidade para combater começa aos 18 anos e termina aos 60. Na Ucrânia, as mulheres podem servir tal como os homens. No entanto, o projeto só se aplica aos homens com 27 anos ou mais. As reformas em debate no parlamento incluem a redução da idade mínima para 25 anos. Este número pode ainda parecer bastante elevado, mas a demografia da Ucrânia é problemática. A elevada taxa de emigração e as baixas taxas de natalidade registadas nos anos 1990 e 2000 fazem com que a distribuição da população apresente uma acentuada contração do número de pessoas com 20 anos, em comparação com as que têm 30 ou 40 anos.

O elemento central da legislação proposta prevê que todos os homens em idade de lutar sejam obrigados a registar os dados relativos ao seu local de residência e à sua situação profissional. A ideia é que uma nova base de dados central tornará o conjunto de potenciais recrutas mais visível para as Forças Armadas, assegurando que o recrutamento seja mais transparente e mais eficaz.

O não cumprimento de uma ordem de recrutamento poderá implicar sanções mais severas, incluindo a possível suspensão da carta de condução ou de uma conta bancária, embora os funcionários reconheçam que a aplicação das medidas de execução requer atenção.

Na semana passada, a polícia ucraniana reconheceu que os casos de evasão fiscal existentes têm avançado demasiado lentamente no sistema judicial. Dos 2.600 casos admitidos nos últimos dois anos, apenas 550 foram objeto de um veredito. "Os tribunais ainda precisam de fazer mais para que as pessoas sintam que não há possibilidade de evitar a punição por este crime", disse um alto funcionário da polícia.

Ao longo das fronteiras ocidentais do país, as autoridades ucranianas continuam a deter os homens que tentam sair ilegalmente do país. A lei marcial exige que todos os militares elegíveis permaneçam na Ucrânia, embora existam excepções, nomeadamente para pais solteiros com filhos pequenos ou atletas profissionais.

Um soldado ucraniano do regimento "Tsunami" carrega um projétil de artilharia na direção de Bakhmut, enquanto a guerra entre a Rússia e a Ucrânia continua no oblast de Donetsk (Diego Herrera Carcedo/Anadolu/Getty Images via CNN Newsource)

O porta-voz do Serviço Estatal de Fronteiras da Ucrânia (SBSU), Andriy Demchenko, disse à CNN que 50 mil cidadãos ucranianos foram impedidos de sair da fronteira durante o ano de 2023, embora não tenha dito quantos deles estavam relacionados com o projeto de lei.

A página do SBSU no Facebook publica regularmente vídeos de homens detidos. Muitos são fotografados com barcos insufláveis, ou mesmo com simples anéis de borracha, apanhados depois de alegadamente terem tentado atravessar o rio para a Hungria. Outros vídeos mostram homens encontrados dentro de carros, muitas vezes enterrados debaixo de sacos, embora um tenha sido encontrado escondido dentro de uma caixa grande. Um homem foi mesmo filmado depois de ter tentado fazer-se passar por uma mulher na fronteira, segundo as autoridades.

Demchenko disse que a punição para tais infracções tende a ser uma multa de até 8.500 hryvnias (mais de 200 euros). Embora as identidades de todos os homens estejam ocultas, pelo menos uma parte da razão para a publicação dos vídeos parece ser a de envergonhar aqueles que procuram fugir.

Debate sobre números

Apesar de toda a atenção dada à reforma, há uma grande questão que se mantém: de quantos mais soldados precisa a Ucrânia?

No final do ano passado, as divergências entre o presidente Volodymyr Zelensky e o seu então chefe do exército, Zaluzhnyi, tornaram-se públicas, quando Zaluzhnyi aparentemente sugeriu um número que o presidente considerou demasiado elevado.

Embora Zaluzhnyi, que entretanto foi demitido, tenha negado que tivesse pedido especificamente 500 mil novas tropas, o número ficou colado ao debate público e Zelensky contestou-o publicamente, dizendo aos jornalistas numa conferência de imprensa que "este é um número muito sério. É uma questão de pessoas, de justiça, de capacidades de defesa. É também uma questão financeira".

Num artigo de opinião para a CNN, publicado dois dias antes de ser substituído, o general de topo deixou clara a sua frustração, chamando a atenção para "a incapacidade das instituições estatais na Ucrânia para melhorar os níveis de efetivos das nossas forças armadas sem recorrer a medidas impopulares".

O antigo ministro da Defesa, Andriy Zagorodnyuk, considera que é essencial uma maior mobilização. "Talvez não meio milhão, mas ainda assim centenas de milhar", disse, acrescentando que deveria ser "baseada na estratégia - o que vamos fazer, em vez de 'oh, precisamos de mais pessoas'".

É uma mensagem que Zelensky parece ter transmitido também ao seu novo comandante, Oleksandr Syrskyi, de que só considerará um pedido firme de novos recrutas quando vir um plano para a guerra até ao fim do ano.

Publicamente, o presidente continua a enquadrar a mobilização em torno de uma ideia de justiça.

"É uma questão de equidade no recrutamento", disse a Christiane Amanpour, da CNN, na Conferência de Segurança de Munique. "A questão mais importante é a rotação das pessoas que estão muito cansadas na linha da frente... a mobilização depende de quantos temos na frente, de quantas reservas temos".

O gabinete do presidente considera que se trata tanto de mudanças no interior das forças armadas como de um aumento do número total de efetivos. De acordo com um assessor de Zelensky, dos quase um milhão de ucranianos mobilizados, apenas 200 a 300 mil serviram na linha da frente. Os restantes, apontou o responsável, "estão muito longe da guerra", acrescentando que cabe ao novo chefe do exército mudar essa situação antes de se dirigir a Zelensky e pedir um aumento do recrutamento.

Zagorodnyuk, o antigo ministro da Defesa, apesar de ter o cuidado de não dizer que pensa que há demasiadas pessoas a evitar o serviço na linha da frente, concorda que é necessária uma reforma no seio das Forças Armadas.

"O aparelho burocrático das forças armadas está um pouco inflacionado. Há demasiados comandos, demasiadas unidades administrativas, etc.", explica.

Seja qual for o número que o Sysrkyi venha a apresentar, não serão apenas os fatores militares e sociais que pesarão na mente de Zelensky. O pagamento dos soldados é dispendioso. Numa conferência de imprensa em dezembro, o presidente disse que eram precisos seis contribuintes para sustentar um soldado.

Militares ucranianos das Forças de Assalto Aéreo preparam-se para disparar um obuseiro autopropulsado com rodas Caesar 8x8 de 155 mm numa linha da frente num local não revelado, no sul da Ucrânia (Genya Savilov/AFP/Getty Images via CNN Newsource)

Em termos mais gerais, a economia da Ucrânia também precisa de ter mão de obra suficiente para continuar a funcionar.

"Sempre que se retira uma pessoa do organigrama de uma empresa para ir cumprir o serviço militar, cria-se uma perturbação. E há um número a partir do qual, segundo os estudos, a economia entra em colapso irreversível", sublinha à CNN Tymofiy Mylovanov, diretor da Escola de Economia de Kiev e antigo ministro do governo.

Segundo Mylovanov, a adição de 500 mil recrutas adicionais deixaria a economia muito longe desse ponto. Mas com apenas seis milhões de homens na força de trabalho a mobilização não é uma alavanca que qualquer governo possa continuar a puxar indefinidamente.

Para além das considerações financeiras, o economista considera que os recentes avanços da Rússia em Avdiivka e noutros locais podem facilitar a mobilização, aumentando o sentido de responsabilidade de cada ucraniano para se juntar ao esforço de guerra, apesar das dificuldades e perigos conhecidos.

"É importante o que a família pensa", conclui. "Não se trata apenas de uma decisão individual."

De volta ao protesto em frente ao parlamento, as mulheres que pedem justiça na mobilização esperam que, se as famílias tiverem voz ativa, isso signifique que alguns homens possam regressar a casa em breve, tal como outros estão a partir para combater pela primeira vez.

Continue a ler esta notícia