Blogger militar russo morre poucos dias depois de falar em enormes perdas da Rússia em Avdiivka - TVI

Blogger militar russo morre poucos dias depois de falar em enormes perdas da Rússia em Avdiivka

  • CNN
  • Vasco Cotovio e Christian Edwards
  • 22 fev, 15:12
Destruição em Avdiivka (AP)

Andrey Morozov, um proeminente blogger militar russo pró-guerra, terá morrido por suicídio, poucos dias depois de ter relatado que a Rússia sofreu enormes perdas durante o assalto de meses à cidade ucraniana de Avdiivka.

Morozov, conhecido como "Murz" no Telegram, era um comentador ultranacionalista e um defensor declarado da guerra da Rússia na Ucrânia, tendo lutado ao lado dos separatistas apoiados pela Rússia no leste da Ucrânia em 2014 e durante a invasão total em 2022.

Escrevendo no domingo para os 120 mil seguidores no Telegram, Morozov disse que Moscovo perdeu cerca de 16 mil soldados e 300 veículos blindados desde que lançou o ataque a Avdiivka em outubro, o que forçou as tropas ucranianas a recuar da cidade na semana passada. Depois de a publicação ter sido alvo de duras críticas por parte dos propagandistas russos, Morozov disse que tinha sido forçado a apagá-la, mas não especificou quem tinha dado a ordem.

Vários bloggers militares pró-russos bem informados e meios de comunicação social estatais russos noticiaram que Morozov tinha morrido por suicídio. O seu advogado e amigo, Maxim Pashkov, confirmou a morte e disse que tinha falado com Morozov no dia anterior.

"Falámos com ele à noite, duas ou três horas antes do que aconteceu. Concordámos em cancelar tudo de manhã", escreveu Pashkov na quarta-feira no Telegram. "Eras um verdadeiro amigo".

Morozov tinha escrito uma série de mensagens na manhã de quarta-feira anunciando a aparente intenção de se suicidar. Apelou aos leitores para que não lamentassem a perda e pediu para ser enterrado na chamada República Popular de Lugansk (LPR) - o nome russo para a região ucraniana de Lugansk, cuja anexação por Moscovo é considerada ilegal pela maior parte da comunidade internacional.

Em parte devido ao motim do antigo chefe do Grupo Wagner, Yevgeny Prigozhin, no ano passado, o Kremlin tem vindo a reprimir os bloggers militares, como Morozov, que anteriormente gozavam de alguma liberdade para analisar e, por vezes, criticar a forma como o Ministério da Defesa está a travar a guerra na Ucrânia.

Igor Girkin, outro blogger russo pró-guerra, foi condenado no mês passado a quatro anos de prisão por um tribunal de Moscovo, depois de ter sido acusado de extremismo. Girkin desempenhou um papel crucial na anexação da Crimeia pela Rússia e no abate do voo MH17 da Malaysia Airlines em 2014, mas foi detido em julho depois de se ter tornado cada vez mais crítico do presidente russo, Vladimir Putin, e dos percalços do seu exército na Ucrânia.

O verdadeiro número de baixas da Rússia permanece envolto em secretismo, mas as autoridades ocidentais acreditam que a Rússia teve mais de 300 mil soldados mortos ou feridos nos campos de batalha da Ucrânia desde que a invasão em grande escala começou há quase dois anos.

Uma fonte familiarizada com uma avaliação desclassificada dos serviços secretos dos EUA, fornecida em dezembro ao Congresso, disse à CNN que a Rússia perdeu uns impressionantes 87% do número total de tropas terrestres no ativo que tinha antes de lançar a invasão da Ucrânia e dois terços dos seus tanques anteriores à invasão. Moscovo conseguiu compensar algumas destas perdas aumentando o tamanho do exército e a produção interna de veículos blindados.

A CNN viu provas de que a Rússia sofreu pesadas baixas durante a ofensiva em Avdiivka, mas não pode verificar as estimativas publicadas por Morozov.

A retirada ucraniana de Avdiivka marcou o primeiro ganho territorial significativo da Rússia em meses, conquistado em parte através da diminuição do fornecimento de armas e munições à Ucrânia, devido ao facto de o Congresso dos EUA não ter aprovado um pacote de ajuda de 60 mil milhões de dólares (mais de 50 mil milhões de euros).

Nas suas últimas mensagens, Morozov queixou-se de que estava a ser intimidado por causa do seu relatório e que lhe foi ordenado que apagasse a publicação por alguém que descreveu como "Camarada Coronel".

"O seu comando obrigou-o a dar esta ordem, baseando-se na boa e velha responsabilidade coletiva do exército. Se ele não o remover, não forneceremos mantimentos", escreveu Morozov. Nas suas últimas mensagens, queixou-se da falta de armas para as tropas russas na frente e partilhou também o seu testamento.

Continue a ler esta notícia