Criticar a contraofensiva é "cuspir na cara dos soldados ucranianos" - TVI

Criticar a contraofensiva é "cuspir na cara dos soldados ucranianos"

  • CNN Portugal
  • 31 ago 2023, 19:06
Dmytro Kuleba (LUSA)

No Ocidente têm surgido algumas críticas à falta de resultados da contraofensiva, numa altura em que Kiev avançou poucos quilómetros com uma manobra que começou há cerca de três meses

Relacionados

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia deixou esta quinta-feira duras palavras a quem critica os resultados da contraofensiva.

Num encontro com os seus homólogos da União Europeia em Toledo, Espanha, Dmytro Kuleba afirmou que essas críticas são semelhantes a cuspidelas na cara.

“Criticar a lentidão da contraofensiva é igual a cuspir na cara dos soldados ucranianos que sacrificam as suas vidas todos os dias, avançando e libertando um quilómetro de solo ucraniano após outro", disse.

No Ocidente têm surgido algumas críticas à falta de resultados da contraofensiva, numa altura em que Kiev avançou poucos quilómetros com uma manobra que começou há cerca de três meses.

Kuleba pediu ainda aos países que possuem F-16 nos seus inventários para se juntarem à coligação formada por Países Baixos, Dinamarca e Noruega, “não só com treinos, mas também com aviões”.

"Quando ganharmos a guerra, vou dizer publicamente que não precisamos de mais armas, mas enquanto estivermos a lutar precisamos de mais. Precisamos de tudo para vencer e restaurar a paz na Europa", argumentou o governante ucraniano.

Continue a ler esta notícia

Relacionados