O presidente da Ucrânia assegura que o seu país "não perdoará" a Rússia pela invasão e bombardeamentos, depois de novos ataques que atingiram Kiev e outras cidades, provocando dezenas de feridos e pelo menos um morto.

"Ninguém vos perdoará pelo terror. Ninguém no mundo vos perdoará. A Ucrânia não perdoará", disse Volodymyr Zelensky em russo no Telegram, numa mensagem em que falam diretamente para os cidadãos russos, garantindo que não serão perdoados "aqueles que ordenam tais ataques" nem "os que os executam".

As forças russas atacaram de novo várias cidades ucranianas, disparando 20 mísseis, incluindo a partir de bombardeiros, dos quais 12 foram abatidos por defesas aéreas ucranianas, disse o chefe do Estado-Maior ucraniano, Valery Zaluzhny.

"O inimigo lançou mais de 20 mísseis de cruzeiro a partir de bombardeiros estratégicos Tu-95MS no Mar Cáspio e de sistemas de mísseis terrestres. As nossas forças de defesa aérea destruíram 12 mísseis", escreveu na rede Telegram.

Várias cidades, incluindo Kiev, foram alvo destes ataques russos, que fizeram pelo menos um morto e trinta feridos, no dia em que o presidente russo, Vladimir Putin, disse que 2022 foi um ano de "decisões difíceis e necessárias" para a Rússia, mas que permitiu ao país "alcançar a plena soberania".

A invasão russa da Ucrânia -- justificada por Putin, com a necessidade de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia -- foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com ajuda militar, económica e humanitária a Kiev e a imposição à Rússia de sanções políticas e económicas sem precedentes.

A ofensiva militar na Ucrânia começou a 24 de fevereiro e ainda perdura.

/ AG