Exclusivo. Chefe dos serviços secretos da Ucrânia sonha com os velhinhos A-10 americanos, que podem "ajudar a infligir uma derrota militar" à Rússia - TVI

Exclusivo. Chefe dos serviços secretos da Ucrânia sonha com os velhinhos A-10 americanos, que podem "ajudar a infligir uma derrota militar" à Rússia

  • CNN
  • Joseph Ataman, Frederik Pleitgen e Victoria Butenko
  • 1 fev, 13:00
Como chefe dos serviços secretos da Ucrânia, Kyrylo Budanov ajudou a travar a luta contra a Rússia, obtendo alguns êxitos notáveis (Vitalii Nosach/Global Images Ukraine/Getty Images)

Relacionados

A ajuda à Ucrânia está congelada no Congresso dos Estados Unidos (EUA) e Kiev poderá ter de lidar com uma presidência de Trump mais favorável a Moscovo. Mas o chefe de espionagem da Ucrânia não está a perder o sono por causa dos EUA.

"Não me preocupo muito com isso", garante Kyrylo Budanov, chefe da direção dos serviços secretos de defesa da Ucrânia, à CNN, numa entrevista exclusiva em Kiev.

Trump "é uma pessoa experiente. Caiu muitas vezes e voltou a levantar-se. E isso é uma caraterística muito séria", continua Budanov sobre o ex-presidente que não escondeu o desejo de cortar o apoio norte-americano à Ucrânia e cujos aliados no Congresso estão a opor-se aos esforços para autorizar mais ajuda.

Numa entrevista abrangente, o chefe da espionagem militar deixou clara a necessidade desesperada da Ucrânia de mais munições e armas para conter os ataques russos, ao mesmo tempo que rejeitou o risco de os EUA deixarem a Ucrânia ao abandono.

"De qualquer forma, estamos à espera de uma decisão positiva", refere Budanov, falando sobre o debate nos EUA que vai decidir a ajuda. "Dizer que [Trump] e o Partido Republicano são amantes da Federação Russa é um completo disparate."

Trump afirmou este mês nas redes sociais que preferia confiar em Putin a confiar em alguns oficiais dos serviços secretos norte-americanos e apoiou o líder russo durante a sua presidência.

Como chefe da agência de informações militares da Ucrânia, cuja força reside na recolha de informações e em ataques secretos das forças especiais, Budanov ganhou a reputação de ser um homem de poucas palavras, mas que produz resultados.

A sua agência tem obtido sucessos notáveis, incluindo ataques à Crimeia ocupada pela Rússia e ataques a aeródromos russos, infligindo danos embaraçosos ao Kremlin.

No início da sua carreira, Budanov combateu e foi ferido nas linhas da frente no leste da Ucrânia, pouco depois de a Rússia ter invadido o país do sul em 2014, entrando na região do Donbass para apoiar os independentistas.

Figura da ira do Kremlin, Budanov foi alvo de tentativas de homicídio por parte do Kremlin pelo menos 10 vezes na sua carreira, dizem os ucranianos. No final do ano passado, talvez tenham chegado perto dele. A mulher foi hospitalizada com aquilo que se suspeita ter sido um envenenamento por metais pesados, de acordo com funcionários ucranianos e ocidentais, num ataque que muitos suspeitaram ser da autoria da Rússia.

Conhecido por ter fortes laços com o presidente Zelensky, o homem de 38 anos é visto como representante de uma nova geração de líderes militares.

Ao mesmo tempo, as suas declarações e o seu perfil público cuidadosamente cultivado têm suscitado algumas críticas. Uma enigmática aparição em vídeo antes da contraofensiva, em grande parte interrompida, é agora vista como uma das várias mensagens de militares ucranianos que serviram para criar expetativas demasiado elevadas sobre o que as forças armadas poderiam alcançar.

Com os rumores de que Zelensky pode em breve demitir Valery Zaluzhny, o popular comandante que lidera o exército, Budanov é visto como um possível substituto. Mas o chefe da espionagem ucraniana não quis ser identificado com os rumores, afirmando que "pessoalmente não tenho conflitos com ninguém".

Prioridades militares

Entre ferozes ataques russos ao longo da linha da frente da Ucrânia, escassez de munições e tropas exaustas, o chefe de espionagem da Ucrânia tem uma prioridade clara: mais apoio ocidental.

"Precisamos mesmo desta ajuda", sublinha Budanov à CNN.

Os sistemas de artilharia estão no topo da lista, com a Ucrânia a precisar de um "aumento acentuado" do número de armas, continua Budanov, independentemente da sua idade e tipo, uma vez que os anos de luta afetam os canhões de longo alcance da Ucrânia.

As munições também são vitais, pois "os obuses são um dos fatores mais decisivos nesta guerra".

"Não tanto pela qualidade, mas pela quantidade", acrescenta. A Ucrânia nunca conseguiu superar o poder de fogo russo, mesmo depois de Moscovo ter recorrido à Coreia do Norte para manter o fluxo de munições.

A CNN tem visto armas de fabrico ocidental serem fornecidas com cartuchos de fumo em vez de munições altamente explosivas nas unidades ucranianas da linha da frente, à medida que a escassez atinge o campo de batalha.

Mas a Ucrânia está a aguentar-se no ar acima das linhas da frente, garante o chefe dos espiões. Com a Rússia a aprender continuamente com as experiências de combate, a tendência é para uma utilização ainda maior de drones não tripulados nos campos de batalha da Ucrânia e acima deles.

"É precisamente nos sistemas não tripulados que somos mais ou menos iguais", explica Budanov. As redes sociais ucranianas estão repletas de imagens das tropas da linha da frente que mostram drones a espiar, atacar e até capturar tropas russas, embora Moscovo utilize muitas das mesmas táticas.

Kiev também intensificou os ataques de longo alcance contra alvos no interior da Rússia, tendo sido registadas explosões em infraestruturas situadas fora das grandes cidades, longe da fronteira ucraniana. As autoridades russas afirmaram ter frustrado dezenas de ataques ucranianos com drones e mísseis desde o início do ano.

No entanto, numa altura em que as esperanças há muito acalentadas pela Ucrânia em relação aos caças F-16 se concretizam - com os pilotos de Kiev já a treinarem nas aeronaves - Budanov faz eco do mais recente pedido da Ucrânia.

O responsável quer ver aviões de ataque terrestre como o A-10 norte-americano nas mãos dos ucranianos. "É isso que pode realmente ajudar a infligir uma derrota militar" à Rússia, diz sobre o avião envelhecido.

Apesar de ter décadas, o jato - famoso pela sua destreza contra os blindados iraquianos na primeira Guerra do Golfo - continua a ser elogiado pelos pilotos e pelas tropas norte-americanas, mesmo quando o Congresso dos Estados Unidos procura retirá-lo do arsenal da Força Aérea.

Novos jatos podem ser uma hipótese remota com a ajuda à Ucrânia envolvida num compromisso maior sobre a política de imigração dos EUA, a que Trump e os seus aliados no Congresso se têm oposto.

Olhar para o futuro

Budanov estima que haja mais de meio milhão de tropas russas nos territórios ucranianos ocupados, mas não vê grande potencial de movimento nas linhas da frente a curto prazo.

Mas sugeriu que os ataques às infraestruturas russas podem aumentar. Embora se recuse a reconhecer o envolvimento ucraniano em ataques com drones na Rússia, o líder da espionagem refere que essas operações são "bastante possíveis".

"Hipoteticamente, existe um plano segundo o qual tudo isto acontece", admite. "E acredito que este plano inclui todas as principais infraestruturas críticas e instalações de infraestruturas militares da Federação Russa".

Agora, os civis russos, continua, "veem finalmente a imagem real [da guerra]. Veem depósitos de petróleo a arder, edifícios destruídos em fábricas e instalações fabris, etc. Tudo isto é benéfico".

Na quarta-feira, Ucrânia e Rússia trocaram centenas de prisioneiros de guerra, na primeira troca após a queda de um avião de transporte russo IL-76, que Moscovo alegou ter sido abatido por Kiev, sendo que a aeronave transportava, segundo a Rússia, 65 prisioneiros de guerra ucranianos.

Em resposta, Budanov diz à CNN que a Rússia não tinha fornecido provas suficientes para apoiar as suas alegações.

"Se tudo é como eles dizem, então a primeira coisa que deviam ter feito era mostrar uma imagem macabra. Digamos, o campo coberto de cadáveres. E mostrá-la ao mundo inteiro", afirma. As imagens dos meios de comunicação estatais russos do local do acidente, geolocalizadas pela CNN, mostravam apenas um pequeno número de corpos à volta dos destroços.

Budanov mostrou-se resoluto na sua confiança numa vitória total da Ucrânia sobre a Rússia, apesar das preocupações públicas sobre o cansaço das tropas ucranianas, a vantagem da Rússia na produção militar interna e a falta de movimento nas linhas da frente.

Os próximos seis meses serão interessantes, antecipa, com esse período a assistir ao fim da atual pressão russa ao longo das linhas da frente.

Para Budanov, a guerra só terminará de uma forma: "O estabelecimento da justiça - é assim que terminará", conclui, "com a devolução do que foi perdido".

Continue a ler esta notícia

Relacionados