O custo em espiral da guerra traz uma dor económica crescente para a Rússia - TVI

O custo em espiral da guerra traz uma dor económica crescente para a Rússia

  • CNN
  • Clare Sebastian e Hanna Ziady
  • 28 ago 2023, 21:00
Forças militares da Rùssia

ANÁLISE || Rússia é um dos países menos endividados do mundo, por causa das receitas do petróleo. Mas está a aumentar os seus empréstimos para financiar o (crescente) esforço de guerra

Relacionados

"Não temos restrições de financiamento", disse o Presidente russo, Vladimir Putin, numa reunião de chefes militares em dezembro. "O país, o governo, fornecerá tudo o que o exército pedir". Dezoito meses após o início da guerra na Ucrânia, Putin parece estar a cumprir essa promessa.

Mas está a fazê-lo cada vez mais à custa de outro pacto, não dito, com o povo russo: manter a estabilidade económica no país.

Poucas semanas antes da reunião de dezembro, Putin promulgou um orçamento que reservava 4,98 biliões de rublos - cerca de 49 mil mil milhões de euros à taxa de câmbio atual - para a "defesa nacional" em 2023, um pouco mais do que a despesa do ano passado. Mas, de acordo com um documento do governo visto pela Reuters no início deste mês, essa previsão foi agora duplicada para 9,7 biliões de rublos (95 mil milhões de dólares). Isso é quase três vezes o que a Rússia gastou em defesa em 2021, antes de sua invasão em grande escala da Ucrânia em fevereiro de 2022.

É provável que esses números subestimem o total gasto no esforço de guerra da Rússia. O Instituto Internacional de Pesquisa para a Paz de Estocolmo, que acompanha os gastos militares em todo o mundo, estima que a linha de "defesa nacional" nos orçamentos oficiais da Rússia representa apenas cerca de três quartos dos gastos militares totais.

Richard Connolly, especialista em economia russa no Royal United Services Institute for Defence and Security Studies, também sugere que as despesas militares deste ano ultrapassarão largamente os 100 mil milhões de dólares (93 mil milhões de euros). E Afirmou que, antes da guerra, a Rússia gastava normalmente cerca de 3-4% do seu produto interno bruto anual na defesa, mas que agora tal pode situar-se entre 8% e 10%.

Se for tido em conta o preço dos bens e serviços na Rússia, o montante equivalente em dólares para 2023 parece ainda mais elevado, provavelmente perto dos 300 mil milhões de dólares (278 mil milhões de euros), estima Janis Kluge, associado sénior do Instituto Alemão para os Assuntos Internacionais e de Segurança.

Despesas de defesa da Rússia
O orçamento federal para 2023-2025, aprovado no ano passado, prevê 4,98 biliões de rublos para a defesa em 2023, mas um documento governamental visto pela Reuters mostra que este valor foi duplicado. E as despesas poderão ser ainda mais elevadas, dizem os especialistas à CNN.

Legenda: Despesas militares russas (triliões de rublos)
Roxo escuro: orçamento federal 
Lilás: Incluindo o montante referido pela Reuters

Nota: Os valores de 2021 e 2022 correspondem a despesas efectivas, enquanto os valores de 2023 a 2025 são estimativas.
Fontes: Ministério das Finanças da Rússia, Reuters
Gráfico: António Jarne, CNN

A generosidade do Kremlin para com as suas forças armadas já teve um custo económico muito elevado.

O défice orçamental da Rússia - a diferença entre despesas e receitas - aumentou acentuadamente desde o início da guerra, uma vez que as receitas das exportações de petróleo e gás foram afectadas pelas sanções ocidentais e por grandes descontos para os restantes compradores. A descida dos preços da energia este ano e os cortes na produção com o objetivo de os manter aumentaram a pressão.

As receitas do sector do petróleo e do gás foram 41% mais baixas no período de janeiro a julho do que no mesmo período de 2022.

Isto significa que o governo está a ter de contrair mais empréstimos. A dívida pública, atualmente em 14,9% do PIB, deverá aumentar.

"Vamos aumentar a nossa dívida, esta é uma situação desesperada. Teremos de o fazer porque a nossa despesa está a aumentar", disse a vice-ministra das Finanças, Irina Okladnikova, no mês passado. O plano é mantermo-nos dentro do "limite seguro" de 20% do PIB, acrescentou. (A Rússia continua a ser um dos países menos endividados do mundo graças, em parte, às suas receitas provenientes da energia e de outras matérias-primas).

As exportações da Rússia continuam a ser superiores ao valor das suas importações, apesar do impulso dado a estas últimas pelas elevadas despesas militares. Mas esse excedente caiu 85% no primeiro semestre do ano, em comparação com o mesmo período de 2022, colocando o país perigosamente perto de um défice.

Os países que registam este tipo de défice da "balança corrente" dependem normalmente da entrada de capitais estrangeiros. Mas isso é menos uma opção para Moscovo, devido às sanções, disse Liam Peach, economista sénior de mercados emergentes da Capital Economics, à CNN.

"A Rússia não pode contrair empréstimos no estrangeiro, está excluída dos mercados de capitais ocidentais", disse Peach.

Além disso, a Rússia também não pode recorrer à grande parte das reservas de divisas do seu banco central que estão congeladas no Ocidente. Isto significa que poderá ser forçada a reduzir as importações.

O rápido desaparecimento do excedente contribuiu para a desvalorização do rublo, de acordo com o banco central russo. A moeda perdeu mais de 30% do seu valor este ano, tendo ultrapassado os 100 rublos por dólar no início deste mês.

 

Moeda russa está mais fraca do que antes da guerra
Atualmente, são necessários mais rublos para comprar um único dólar. O banco central da Rússia aumentou a sua principal taxa de juro em 15 de agosto, um dia depois de o rublo ter ultrapassado os 100 rublos por dólar nas transacções intradiárias.

Legenda: rublos por dólar americano, níveis de fecho diário
Fonte: Refinitiv
Gráfico: Anna Cooban, CNN

O rublo ainda pode cair mais, disse Kluge, do Instituto Alemão para Assuntos Internacionais e de Segurança, à CNN.

"A última coisa que eles [o governo] querem é que os russos percam a confiança na moeda russa e que, a dada altura, comecem a trocar todos os rublos por moeda estrangeira, porque assim teríamos um círculo vicioso. E isso poderia realmente criar uma espécie de crise monetária na Rússia", disse.

Um rublo mais fraco traduz-se numa subida dos preços, afirmou o banco central russo em 15 de agosto, quando aumentou a sua principal taxa de juro em 3,5 pontos percentuais, para 12%, numa reunião de emergência marcada à pressa. Os responsáveis políticos afirmaram que a decisão - tomada um dia depois de o rublo ter atingido um mínimo de 17 meses face ao dólar - tinha como objetivo "limitar os riscos para a estabilidade dos preços".

A inflação anual dos preços no consumidor atingiu 4,3% em julho, ultrapassando o objetivo do banco central de 4%.

Poderão ser necessárias mais subidas de taxas, ou mesmo a reintrodução de controlos destinados a manter os dólares na Rússia, apesar de serem susceptíveis de abrandar o crescimento económico.

O aumento das despesas militares está, por outro lado, a impulsionar a produção industrial da Rússia e, com ela, o PIB. No mês passado, o Fundo Monetário Internacional melhorou a sua previsão de crescimento do PIB do país este ano para 1,5%, em comparação com os 0,7% previstos em abril, salientando que "um grande estímulo fiscal" estava a impulsionar a força económica da Rússia.

No entanto, "este não é o tipo de crescimento com que nos deveríamos congratular", disse Alexandra Suslina, uma economista independente que deixou a Rússia pouco depois da invasão.

"Se produzirmos um tanque, é claro que isso contribui muito para o crescimento formal do PIB. Mas esse tanque não vai arar um campo... não vai ajudar a ensinar as pessoas ou a dar-lhes tratamento médico. Isto não é um estímulo para o desenvolvimento a longo prazo", disse à CNN.

'Escolhas difíceis'

Os economistas reconhecem que a economia russa tem tido até agora um desempenho melhor do que o esperado. Suslina argumenta que a resiliência tradicional do povo russo tem servido como um "recurso extra".

"A herança soviética ensinou as pessoas a viverem literalmente na pobreza, a não contarem com nada", disse. "E estão preparadas para permanecer durante muito tempo nesse modo de sobrevivência."

Alexandra Prokopenko, académica não residente do Centro Carnegie Rússia-Eurásia, em Berlim, acrescentou que os decisores políticos e as empresas russas são igualmente hábeis a lidar com as crises.

Mas as tensões na economia estão a intensificar-se.

Embora os preços do petróleo tenham subido desde o final de junho, ainda estão muito abaixo dos picos do ano passado, que ajudaram Moscovo a suportar o impacto das sanções. As receitas das exportações de petróleo em julho foram inferiores em 4,1 mil milhões de dólares às de há um ano, de acordo com as estimativas da Agência Internacional da Energia.

"A Rússia está numa posição em que simplesmente não pode viver com um preço do petróleo muito mais baixo. A estabilidade macroeconómica depende da manutenção dos preços do petróleo nos níveis actuais", afirmou Peach da Capital Economics.

Prokopenko disse que a Rússia pode ser capaz de financiar a guerra por mais um ano ou mais, mas se ela se arrastar além disso, o governo terá que fazer "escolhas difíceis".

"As contrapartidas serão o aumento dos impostos ou a redução das despesas com infra-estruturas, como a construção de estradas e a manutenção de pontes, porque as despesas militares exigirão cada vez mais [do orçamento]", disse à CNN.

Peach concorda, afirmando que, num futuro próximo, a Rússia terá de colmatar o seu défice orçamental e poderá aumentar os impostos sobre os sectores mais rentáveis da economia, como os bancos e as empresas de energia.

"As maiores empresas russas ficarão cada vez mais sujeitas aos detentores do poder. O custo de um maior envolvimento do Estado, do isolamento do Ocidente e de um compromisso contínuo com objectivos militares será o enfraquecimento das perspectivas de crescimento e dos padrões de vida da Rússia", escreveu numa nota no mês passado.

 

Anna Cooban, Tim Lister e Olesya Dmitracova contribuíram para este artigo.

Continue a ler esta notícia

Relacionados