Os vizinhos da Rússia têm uma mensagem para Putin - TVI

Os vizinhos da Rússia têm uma mensagem para Putin

  • CNN
  • Frida Ghitis
  • 11 set 2023, 08:00
Vladimir Putin. Foto: Grigory Sysoev, Sputnik, Kremlin Pool Photo via AP

OPINIÃO || "Todos os vizinhos da Rússia estão ameaçados", disse Volodymyr Zelensky há duas semanas. A Estónia, Letónia e Lituânia parecem concordar

Frida Ghitis, antiga produtora e correspondente da CNN, é colunista de assuntos mundiais. É colaboradora semanal de opinião da CNN, colunista do The Washington Post e colunista da World Politics Review. As opiniões expressas neste comentário são da sua inteira responsabilidade.

 

Riga, Letónia (CNN) - Por detrás dos ritmos de vida enganadoramente normais nos países que fazem fronteira com a Rússia, a realidade do que o seu gigante vizinho está a fazer à Ucrânia nunca está longe.

E isto não é só porque a fronteira da Rússia está próxima, ou porque o Presidente russo sugeriu que, tal como Moscovo tinha o direito de tomar a Ucrânia, poderia justificar-se a recuperação dos Estados Bálticos - Estónia, Letónia e Lituânia - que passaram décadas sob o domínio soviético.

A ansiedade resulta, acima de tudo, do conhecimento e da memória de que Moscovo enviou os seus tanques para os territórios dos seus vizinhos muitas vezes ao longo dos anos.

Agora, os capítulos que se pensava terem sido relegados em segurança para as páginas da História assumiram o tom ameaçador da realidade.

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, foi muito direto quando [a 20 de setembro] agradeceu à Dinamarca por se ter comprometido a fornecer à Ucrânia caças F-16, que os Países Baixos também concordaram em dar à Ucrânia. "Todos os vizinhos da Rússia estão ameaçados", disse ele, "se a Ucrânia não prevalecer". Entre esses vizinhos, ele encontrará poucos que discordem.

"Se [o Presidente russo Vladimir] Putin vencer na Ucrânia, eles virão para cá", disse-me na Letónia Raivis, que trabalha como motorista em Riga, a capital, e que me pediu para não usar o seu nome completo. Ele lembra-se de ter estado nas barricadas quando era adolescente e de se ter juntado à luta pela independência há três décadas. "Agora, Putin quer fazer de novo a União Soviética", diz.

É uma crença muito generalizada. É por isso que a primeira-ministra da Estónia, Kaja Kallas, uma das mais eloquentes defensoras da necessidade de apoiar a Ucrânia, diz que a Ucrânia é a própria linha da frente da Estónia. "A Ucrânia", argumenta, "está a lutar por todos nós".

Cartazes contra a guerra em frente à embaixada russa em Tallinn, Estónia, julho de 2022. Michal Fludra / NurPhoto / Getty Images

Através das sinuosas ruas empedradas da velha Tallinn, a capital da Estónia, a paisagem gótica dos contos de fadas torna-se subitamente chocante na Pikk Tanav (ou "Long Street" em inglês). Aqui, o exterior da embaixada da Rússia tornou-se uma montra do desprezo que os estónios sentem pelo seu antigo amo. Cartazes caseiros exigem que a Rússia "pare de matar crianças", numa longa fila de mensagens, fotografias da carnificina da Ucrânia, salpicos de mãos ensanguentadas e imagens grotescas de Putin.

O desprezo está também patente em Riga, onde as autoridades deram nome a uma rua anteriormente sem nome, onde se encontra a majestosa embaixada russa em estilo Arte Nova: "Rua da Independência da Ucrânia". Quando olham para a janela, os diplomatas russos têm uma visão direta de um mar de bandeiras ucranianas, juntamente com cartazes que chamam a Rússia, entre outras coisas, de "Estado terrorista".

A bravata da Letónia é possível graças à segurança de pertencer à NATO. E a vasta resposta da NATO à invasão russa - vastos fluxos de armamento e apoio diplomático inequívoco à Ucrânia - tornou possível essa sensação de normalidade, ainda que superficial. "Ver todo o apoio que a Ucrânia recebeu da NATO acalmou-nos em relação a uma ameaça imediata", disse-me Janis Melnikovs, diretor para a Letónia da emissora católica Radio Maria, enquanto bebia um café nos arredores da cidade velha de Riga, com músicos nas proximidades a ensaiarem para as celebrações do 822º aniversário da cidade.

Mas mesmo agora, diz Melnikovs, com as preocupações económicas internas a pesar nas mentes, um ano e meio depois da guerra, e muitos, especialmente os idosos, a sofrerem com os elevados níveis de inflação que alguns associam ao apoio à Ucrânia e a um orçamento militar crescente, ainda há aqui um apoio apaixonado aos ucranianos. Este sentimento é visível em toda a região, onde as bandeiras amarelas e azuis da Ucrânia se hasteiam de edifício em edifício.

Isso também é visível na Finlândia, com os seus 800 quilómetros de fronteira com a Rússia - onde o Kremlin também lançou uma invasão entre 1939 e 1940, acabando por manter uma parte do território. Depois de décadas a procurar segurança no não-alinhamento, a invasão russa da Ucrânia convenceu Helsínquia de que a neutralidade não oferecia qualquer proteção, pelo que a Finlândia também aderiu à NATO em abril.

Cerca de 18 meses depois de as forças russas terem tentado tomar Kiev, os sinais no aeroporto de Helsínquia ainda oferecem "Informação para pessoas que fogem da Ucrânia". E no cimo da estação central de comboios ainda está hasteada a conhecida bandeira da Ucrânia.

Mas é nos pequenos Estados bálticos que o trauma das incursões de Estaline e da subsequente subjugação ao Kremlin permanece em bruto.

O Hotel Viru, em Talin, foi outrora utilizado por agentes do KGB. Atualmente, os turistas podem visitar os antigos escritórios "congelados" no tempo. Toomas Tuul / Focus / Universal Images Group Editorial / Getty Images

Durante a era soviética, o último andar do Hotel Viru, em Talin, estava interdito a todos, exceto aos agentes do KGB, que o utilizavam para espiar os hóspedes estrangeiros e o pessoal local. Em 1991, os agentes fugiram e deixaram para trás equipamento de vigilância, transmissores e microfones escondidos em cinzeiros e candeeiros.

Há anos que Margit Raud orienta visitas guiadas a estes escritórios congelados no tempo. Até há pouco tempo, diz ela, toda a gente os via como uma curiosidade histórica, uma farsa. Agora, diz ela, desde que a Rússia invadiu a Ucrânia, tudo assumiu um novo grau de seriedade.

Como acontece com a maioria das famílias dos países bálticos, Margit tem histórias. A avó foi presa e deportada pelo regime estalinista durante uma dúzia de anos por causa de uma infração trivial; a mãe foi criada sem ela. Anos mais tarde, Margit juntou-se à revolução para libertar a Estónia.

Também a Letónia tem a sua própria recordação da mão sinistra do KGB. A chamada Casa da Esquina, na Rua Brivibas 61, em Riga, pode parecer apenas mais uma da espetacular coleção de edifícios ornamentados de Riga. Mas, em nítido contraste com a sua beleza, este é um repositório de repressão e brutalidade. Era para aqui que os suspeitos de "atividade contra-revolucionária" - que podia incluir escrever poesia ou não denunciar actividades supostamente contra-revolucionárias dos seus vizinhos, colegas de trabalho, amigos e familiares - eram levados para interrogatório, tortura e até execução.

Tal como na Estónia, o ataque da Rússia à Ucrânia no século XXI trouxe ecos da subjugação da Letónia pela Rússia no século XX.

Os bálticos não se sentem muito confortados por terem provado que estavam certos nas suas previsões e estão a oferecer muito mais do que apoio moral e acenar com bandeiras". Frida Ghitis

Durante anos, os líderes bálticos tentaram avisar os seus aliados da NATO de que a Rússia constituía uma ameaça. Já em 2007, a Estónia foi um dos primeiros países a ser alvo de um ataque informático maciço. As autoridades estónias tinham retirado um monumento de 1947 que homenageava o exército soviético como libertador de Talin na Segunda Guerra Mundial. A decisão suscitou protestos dos falantes de russo e, em pouco tempo, a Internet da Estónia ficou misteriosamente paralisada.

Os serviços públicos, os bancos, os jornais, tudo parou, alguns durante semanas, na sequência de um ataque de endereços IP baseados na Rússia. Foi a antevisão de um novo tipo de guerra. Não foi encontrado nenhum culpado definitivo, mas embora a Rússia negue o seu envolvimento, os incidentes de pirataria informática subsequentes do Kremlin tiraram peso a essas negações.

Muitos viram a crise como um aviso do Kremlin. E quando as forças russas entraram na República da Geórgia, em 2008, e mais tarde invadiram e anexaram a Península da Crimeia à Ucrânia, em 2014, fizeram soar os alarmes. Mas nem todos deram ouvidos aos seus avisos.

Os bálticos não se sentem muito confortados por terem provado que estavam certos nas suas previsões e estão a oferecer muito mais do que apoio moral e acenar com bandeiras.

Os três principais contribuintes para a defesa da Ucrânia desde a invasão russa, em percentagem do PIB, são a Estónia, a Letónia e a Lituânia. Proporcionalmente, a ajuda da Estónia é quatro vezes superior à dos EUA. Além disso, estão a aumentar drasticamente as suas próprias despesas com a defesa

À medida que a guerra se arrasta, os custos estão a fazer-se sentir. Tem havido tensões com a grande minoria de língua russa. A língua é uma questão importante nos antigos territórios soviéticos, uma vez que os soviéticos deslocaram deliberadamente centenas de milhares de falantes de russo para diluir as identidades nacionais, e Putin tem explorado as tensões, utilizando-as para adquirir influência e justificar intervenções militares.

O Báltico também se tornou o lar de dezenas de milhares de refugiados ucranianos, que observam nervosamente os desenvolvimentos no seu país - e nos EUA. Galina Domenikovska, 53 anos, vende amêndoas numa banca de rua em Talin. Quando lhe disse que vinha dos Estados Unidos, olhou para o céu e juntou as mãos. "O melhor país, maravilhoso", disse-me num inglês quebrado. E escreveu uma mensagem no seu telemóvel e traduziu-a, agradecendo aos americanos o apoio à Ucrânia. Em seguida, digitou outra para o Presidente Joe Biden, desejando-lhe saúde e vida longa.

Quando lhe perguntei sobre o ex-Presidente Donald Trump, ela estremeceu e disse-me que tem medo que ele volte ao cargo.

A invasão em grande escala da Ucrânia pela Rússia despertou velhos medos e deu novo fôlego ao empenho pela autodeterminação numa região que pensava já ter vencido essas batalhas e afastado os fantasmas da História.

A verdadeira normalidade, um sentimento permanente de segurança, que os vizinhos da Rússia descobriram, terá de esperar até que a paz regresse a uma Ucrânia segura.

Continue a ler esta notícia