Porque é que Viktor Bout é tão importante para Putin? - TVI

Porque é que Viktor Bout é tão importante para Putin?

  • CNN
  • Nick Paton Walsh
  • 9 dez 2022, 11:29
Viktor Bout (CNN)

ANÁLISE | A troca de prisioneiros entre a Rússia e os EUA, vista pelo Editor de Segurança Internacional da CNN

É a mais desigual das trocas na mais improvável das alturas, mas talvez a intensa pressão deste momento seja a razão pela qual a troca de uma estrela de basquetebol americana por um negociante de armas russo acabou por acontecer agora.

À superfície, Brittney Griner, que já regressou aos Estados Unidos, e Viktor Bout são acusados de crimes ridiculamente diferentes. Griner foi condenada a cumprir pena numa colónia penal russa por posse de um único grama de óleo de canábis. Bout é alegadamente o mais prolífico traficante de armas das últimas décadas, alimentando conflitos em África e não só - sendo condenado num tribunal americano por conspiração para matar americanos.

Mas as circunstâncias e a pressão política de ambos os lados inverteram este desequilíbrio. Griner ganhou um significado para os americanos - com base nas suas alegações de inocência e na sua flagrante apreensão como um peão geopolítico na véspera da invasão russa da Ucrânia -, o que mandatou a administração Biden para iniciar negociações com o Kremlin no pior momento das relações EUA-Rússia desde pelo menos o fim da Guerra Fria.

Já a desmesurada importância de Bout para a Rússia tem sido o maior quebra-cabeças. Como pode um homem ser tão valioso para Moscovo, que passa décadas à procura da sua libertação, seja a que nível for, e ser apenas um inocente e infeliz piloto e comerciante global, como ele tem afirmado? Quem é este homem que nega tudo?

Entrevistei Bout em 2009, após meses de negociações, enquanto ele estava preso em Banguecoque. Ele é um poliglota loquaz, encantador e pode fazer rapsódias infinitas sobre a lista de personagens políticos globais com quem tem relações pessoais.

Vi vídeos de Bout no Congo e em toda a África, onde esteve bastante próximo dos conflitos que ali se verificaram. É acusado, por vários analistas e investigações da ONU, de canalizar armas ligeiras naquele continente durante os anos 90 e início dos anos 2000, o que ele negou. Houve até acusações de que armou até a Al-Qaeda, o que ele também negou. Há poucas coisas de que ele não tenha sido acusado de fazer, e poucas coisas que ele não tenha negado. Tornou-se uma espécie de papão, e o foco de um filme protagonizado por Nicolas Cage chamado “Lord of War”.

Essa é a história da carreira: a reputação como homem que ficou conhecido como o "Mercador da Morte". A razão porque passou 14 anos na prisão, e foi extraditado para os Estados Unidos, foi um golpe complexo da Agência de Luta contra a Droga (DEA) dos EUA, no qual ele foi enganado para concordar em fornecer armas a agentes dos EUA que fingiam ser terroristas colombianos - armas que, no golpe, eram destinadas a matar americanos. É estranho que, depois de todos os crimes de que Bout foi acusado, aquele pelo qual cumpriu pena de prisão tenha sido uma conspiração - uma conspiração, e não um ato.

Claro que ele é um piloto e um empresário. Era um tradutor militar com um passado soviético. Mas há alegações de que trabalhou nos serviços secretos russos e de que se tornou um trunfo para eles no fornecimento de armas em todo o mundo, para reforçar os objetivos geopolíticos de Moscovo. Também houve sugestões de que ele tinha servido ao lado de russos seniores que são agora próximos do Presidente Vladimir Putin. Isto poderá ter explicado a intensidade com que os americanos o procuraram. Ele nunca foi um zé-ninguém.

Houve sempre uma mística curiosa em torno de Bout e da sua “comitiva”. Sim, ele era inocente, de tudo, dizia ele. Mas também sim, ele tinha tido uma vida interessante. Havia sempre o piscar de olhos que frequentemente se obtém quando alguém sabe que há mais numa história do que é dito abertamente.

A maior surpresa hoje é como esta troca aconteceu durante a invasão russa e a brutalização da Ucrânia. Isso diz duas coisas: que Moscovo e Washington são capazes de fazer negócios mesmo quando bombas russas matam civis ucranianos inocentes, e os Estados Unidos fornecem armas à Ucrânia que matam soldados russos, e que as potências nucleares podem trabalhar noutras questões espinhosas enquanto as balas voam. Isto é uma coisa boa para todos no planeta. Significa que prevalecem algumas cabeças frias, e que os interesses básicos ganham.

Isto também mostra alguma fraqueza do lado de Putin. Numa altura em que ostenta a retórica nuclear contra o Ocidente como um falcão, ele está também a concordar num acordo diplomático de alto nível para recuperar uma figura de importância complexa e de grande dimensão para a elite da Rússia, a comunidade de inteligência e o orgulho nacional.

Este é um homem de que muitos russos comuns podem ter ouvido falar, e ele é certamente de importância mitológica para a elite russa. Ele não é alguém que Moscovo - parafraseando o slogan feio da invasão russa em que centenas de corpos de soldados permaneceram espalhados pelo campo de batalha – queira “deixar para trás”.

Estas são as mesmas pessoas com quem Putin quer agora puxar o lustro. O acordo pode também ter sido mais em serviço próprio: muitos acreditam que, quando Bout serviu em África, teve laços estreitos com membros da elite russa agora próxima de Putin (embora Bout tenha negado isto também). Foi por isso que os EUA gastaram tanto tempo e dinheiro para o deter? Será que pensavam que ele se iria transformar? Talvez nunca o saibamos.

Sim, é uma vitória para Putin, mas que vem à custa de expor a sua fraqueza e a sua necessidade de manter a elite militar em que ele confia.

Continue a ler esta notícia