Portugal vai enviar para a Ucrânia um segundo conjunto de 14 veículos blindados de transporte de pessoal M113, oito geradores de grande capacidade para produção de energia elétrica, mais munições de 120mm e mais duas toneladas de equipamento médico e sanitário.

O país eleva, assim, “para 532 toneladas o total de equipamento militar, letal e não letal” fornecido à Ucrânia desde o início da agressão levada a cabo pela Rússia, anunciou hoje a ministra da Defesa, Helena Carreiras, durante a reunião do Grupo de Contacto para a Defesa da Ucrânia, que se reuniu presencialmente esta terça-feira, em Ramstein, na Alemanha.

O ministério refere que, “com este material, que se encontra em preparação para envio, eleva-se para 532 toneladas o total de equipamento militar, letal e não letal, fornecido por Portugal à Ucrânia desde o início da agressão levada a cabo pela Rússia”.

No que respeita aos carros de combate Leopard 2, a ministra da Defesa Nacional reiterou a oferta de treino nesta tipologia de carros de combate e manifestou a disponibilidade do Governo português para identificar, de forma coordenada com os seus parceiros, formas de apoiar a Ucrânia com esta capacidade.

Sobre a reunião do Grupo de Contacto para a Defesa da Ucrânia, o comunicado refere que a ministra da Defesa Nacional, Helena Carreiras, “reafirmou o compromisso de Portugal com a defesa da soberania e integridade da Ucrânia”. Segundo a nota, o “Ministério da Defesa Nacional e o Estado-Maior-General das Forças Armadas” estão “em constante contacto com as autoridades ucranianas e analisando as solicitações de Kiev”, comprometendo-se Portugal a responder a esses pedidos “na medida das suas capacidades e disponibilidades”.

“Portugal integra a nova missão da União Europeia de assistência militar à Ucrânia, que vai proporcionar treino em áreas como a inativação de engenhos explosivos, assistência médica em combate, defesa nuclear, biológica, química e radiológica, e instrução militar. Os formadores portugueses estarão na Alemanha a partir de fevereiro”, informa-se no comunicado.

O ministério refere ainda que “Portugal mantém a disponibilidade para receber no Hospital das Forças Armadas 40 militares ucranianos feridos em combate”.

Sara de Melo Rocha