Preços dos alimentos voltam a subir depois do fracasso do acordo sobre os cereais do Mar Negro - TVI

Preços dos alimentos voltam a subir depois do fracasso do acordo sobre os cereais do Mar Negro

  • CNN
  • Anna Cooban
  • 5 ago 2023, 19:00
As imagens da destruição de silos de cereais ucranianos após ataques russos (EPA/IGOR TKACHENKO)

Os preços globais dos alimentos subiram no mês passado, depois de a Rússia ter abandonado um acordo que permitia a passagem segura de navios que transportavam cereais dos portos ucranianos.

Segundo afirmou a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) na sexta-feira, o seu índice global de preços dos alimentos aumentou 1,3% em julho, em comparação com o mês anterior - registando apenas o segundo aumento num ano de declínios constantes desde que o acordo sobre os cereais foi celebrado.

O índice mensal, que acompanha uma série de produtos alimentares, ainda está em queda de quase 12% em relação a julho de 2022, mas a decisão da Rússia de se retirar do acordo apoiado pela ONU fez subir os preços dos cereais e do óleo de girassol.

O acordo foi renovado três vezes, mas a Rússia vinha ameaçando repetidamente retirar-se, argumentando que tem sido impedida de exportar os seus próprios produtos. No mês passado, o Presidente russo, Vladimir Putin, concretizou essas ameaças e afirmou que o principal objetivo do pacto - fornecer cereais aos países necessitados – “não tinha sido realizado”.

Putin disse na semana passada que a Rússia poderia substituir as exportações de cereais ucranianos para “os países africanos mais necessitados”, acrescentando que os carregamentos de cereais gratuitos para seis nações, incluindo a Somália e a Eritreia, seriam efetuados nos próximos quatro meses.

Óleos vegetais em destaque

A recuperação do Índice de Preços dos Alimentos foi impulsionada por um aumento mensal de 12% no preço dos óleos vegetais, disse a agência, impulsionado, em parte, por aumentos nos preços globais do petróleo bruto. O preço do óleo vegetal pode ser influenciado pelo petróleo bruto, uma vez que é utilizado na produção de biocombustíveis.

“Os preços internacionais do óleo de girassol recuperaram mais de 15% em relação ao mês anterior, apoiados principalmente por novas incertezas em torno dos fornecimentos exportáveis da região do Mar Negro”, afirmou a FAO num comunicado.

A Ucrânia é de longe o maior exportador de óleo de girassol, representando 46% das exportações mundiais, de acordo com as Nações Unidas.

As preocupações com a diminuição da produção de óleo de palma no Sudeste Asiático e de óleo de soja e de colza na América do Norte também impulsionaram os preços, segundo a agência.

O índice global de preços do trigo da FAO - que alimenta faz parte do seu Índice de Preços dos Alimentos mais amplo - aumentou 1,6% em julho em relação ao mês anterior, o primeiro aumento mensal em nove meses.

Os ataques russos às infraestruturas portuárias ucranianas desde o colapso do acordo sobre os cereais também fizeram subir os preços nas últimas semanas. Ambos os países contribuem significativamente para o abastecimento mundial.

Mas os preços do trigo continuam a descer 46% desde o máximo histórico em fevereiro de 2022, nos dias que se seguiram à invasão total da Ucrânia pela Rússia.

Risco de fome

A iniciativa do Mar Negro tem sido importante para estabilizar os mercados mundiais de produtos alimentares desde o início da guerra em fevereiro do ano passado, em especial para os países mais pobres que dependem mais fortemente do abastecimento de cereais da região.

Antes da guerra, a Ucrânia era o quinto maior exportador de trigo a nível mundial, representando 10% das exportações, de acordo com a Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Económicos.

A Ucrânia está também entre os três maiores exportadores mundiais de cevada, milho e óleo de colza, segundo a Gro Intelligence, empresa de dados agrícolas.

O acordo permitiu a exportação de quase 33 milhões de toneladas métricas de alimentos através dos portos ucranianos, de acordo com dados da ONU.

“Com aproximadamente 80% dos cereais da África Oriental a serem exportados da Rússia e da Ucrânia, mais de 50 milhões de pessoas em toda a África Oriental enfrentam a perspetiva de fome”, afirmou Shashwat Saraf, diretor regional de emergências para a África Oriental do Comité Internacional de Resgate, num comunicado no início de julho.

Continue a ler esta notícia