O Ministério da Defesa da Rússia anunciou esta sexta-feira a conquista de Soledar.

"Na noite de 12 de janeiro, foi concluída a 'libertação' da cidade de Soledar, o que é importante para a continuação do sucesso das operações ofensivas na direção de Donetsk", disse Igor Konashenkov, porta-voz da instituição, citado pela TASS.

"O estabelecimento de controlo total sobre Soledar torna possível cortar as rotas de abastecimento das tropas ucranianas na cidade de Artemovsk [Bakhmut], no sudoeste", continuou.

No anúncio da alegada conquista, Igor Konashenkov não mencionou o Grupo Wagner, cujo líder, Yevgeny Prigozhin, garante que os elementos desta força paramilitar são os únicos a combater na zona, e que as forças armadas russas não têm elementos no terreno.

Konashenkov salientou que a conquista da pequena cidade da região de Donetsk foi possível devido ao "constante fogo de artilharia e ataques aéreos" lançados pelas forças russas. 

"A captura de Soledar foi possível devido à destruição do inimigo pelo constante fogo de artilharia, ataques aéreos e lançamento de mísseis. Realizámos continuamente ataques direcionados às posições das forças armadas ucranianas na cidade, impedindo o reforço de efetivos e fornecimento de munições, bem como as tentativas do inimigo recuar para outras linhas de defesa", explicou.

Contudo, a informação foi negada pelo porta-voz do Comando Militar do Leste das Forças Armadas da Ucrânia, Serhiy Cherevaty. "Não, isso não é verdade. Continuam a decorrer combates na cidade", afirmou ao canal estatal RBC, não revelando mais detalhes.

Também na manhã desta sexta-feira, a vice-ministra da Defesa da Ucrânia, Hanna Malyar, afirmou que as tropas de Kiev ainda continuam a defender "corajosamente" a cidade.

"O inimigo enviou quase todas as forças principais para a direção de Donetsk e mantém uma elevada intensidade na sua ofensiva. Esta é uma fase difícil, mas vamos ganhar esta guerra. Não há dúvida", escreveu a governante no Telegram.

As informações avançadas pelos dois governos não foram confirmadas por fontes independentes.

Pedro Falardo / artigo atualizado às 11:58 com o desmentido das forças ucranianas