Rússia prepara lei que trava fuga de mobilizados para a guerra: convocatórias por email, proibição de viajar, conduzir, registar casa e até de pedir crédito - TVI

Rússia prepara lei que trava fuga de mobilizados para a guerra: convocatórias por email, proibição de viajar, conduzir, registar casa e até de pedir crédito

  • CNN
  • Rob Picheta e Anna Chernova
  • 12 abr 2023, 20:27
Vladimir Putin

Crescem os receios na Rússia de uma nova vaga de mobilização para a guerra na Ucrânia. Moscovo nega.

Putin prepara-se para tornar mais difícil aos russos evitarem uma convocatória militar

Vladimir Putin estará prestes a assinar uma lei para canalizar o recrutamento militar na Rússia, num movimento que alimenta os receios de outra vaga de mobilização para a guerra de Moscovo na Ucrânia.

A lei permitirá a entrega eletrónica de documentos de convocatória militar, além das cartas tradicionais, e proibirá os comprometidos com o serviço militar de viajarem para o estrangeiro.

Autoridades russas negaram as sugestões de que o projeto de lei lança as bases para uma nova vaga de mobilização - o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse aos jornalistas que se destina apenas a “resolver a confusão” que se seguiu à controversa ordem de mobilização parcial de setembro, que foi assolada por polémicas e levou milhares de russos a fugir.

Mas as novas regras rigorosas tornam mais difícil aos homens russos evitar uma convocatória, no caso de ela ser feita, e cidadãos russos falaram à CNN sobre as suas preocupações com o plano.

“Agora será muito mais fácil mobilizarem-me, dada a forma como a vida se tornou digitalizada em Moscovo”, disse à CNN Alexey, um advogado de 41 anos de Moscovo. Embora não esteja dentro da faixa etária oficial de mobilização, ele não espera que o Kremlin se atenha às suas próprias diretrizes ao convocar recrutas.

“Não tenho ilusões quanto às garantias das autoridades, que insistem que estas emendas foram aprovadas exclusivamente para melhorar a contabilidade do projeto e nada têm a ver com a segunda vaga de mobilização”, disse ele. “Não acredito numa só palavra disto”.

Polícia de choque detém manifestante num protesto contra a mobilização em Moscovo, a 21 de setembro de 2022. / AP Photo Alexander Zemlianichenko

“Creio que a mobilização nunca terminou. Começou e continua até hoje”, acrescentou. “Podemos olhar para esta evolução como sendo a preparação do Estado para intensificar a mobilização. Para tornar possível notificar e mobilizar um grande número de recrutas num curto período de tempo”.

Segundo a lei, o Kremlin considerará os russos notificados a partir do momento em que receberem uma convocatória, mesmo que não tenham visto a convocatória, e depois proibi-los-á de sair da Rússia sete dias depois.

As pessoas que não compareçam a uma convocatória militar dentro de 20 dias sem um motivo válido enfrentarão restrições, tais como não poderem registar um veículo e conduzi-lo, não poderem registar um apartamento, não poderem registar-se como empresário individual ou como trabalhador por conta própria, ou serem impedidas de obter um empréstimo.

O projeto de lei passou na terça-feira pela sua terceira leitura na câmara baixa do Parlamento da Rússia, e foi aprovado esta quarta-feira pela câmara alta, o Conselho da Federação. A sua formalidade final é ser assinada por Putin.

“Não tenho confiança nas autoridades”

Questionado durante uma chamada regular com jornalistas se o Kremlin está preocupado que a proposta de lei, se aprovada, possa desencadear outra vaga de êxodo em massa de russos, o porta-voz Dmitry Peskov respondeu: "Absolutamente, não. Não tem nada a ver com mobilização, tem a ver com registo militar”.

Mas a mudança poderá lançar as bases para uma expansão mais harmoniosa das tentativas da Rússia de recrutamento.

“Não tenho confiança nas autoridades de hoje na Rússia. Temo pelo meu filho ainda mais do que pela minha própria vida”, disse Alexey, cujo filho se enquadra na faixa etária oficial para o recrutamento.

A CNN falou também com Olga, uma mulher de 48 anos que teme que o seu filho, de 16, seja enviado para combater nos próximos anos, perturbando os seus planos para o ensino superior.

“Sinto-me muito mal com esta guerra. E o mesmo se aplica a todas as outras guerras e quaisquer mortes pela força, independentemente da causa”, disse ela. “Preferia que as guerras fossem travadas apenas por militares profissionais ou voluntários”.

“Se (a guerra) se arrastar e se intensificar, e se houver uma verdadeira segunda vaga de mobilização, então penso que alguns tentarão partir (da Rússia), é claro”, acrescentou.

O Ministério da Defesa da Rússia recruta rotineiramente homens para o serviço militar obrigatório duas vezes por ano, na Primavera e no Outono. O recrutamento da Primavera deste ano aplicar-se-á a 147 mil cidadãos com idades compreendidas entre os 18 e os 27 anos e terá lugar de 1 de abril a 15 de julho, de acordo com um documento oficial publicado pelo governo.

Atualmente, os documentos de alistamento na Rússia devem ser entregues em mão pelo gabinete local de alistamento militar ou através de um empregador. A nova lei faz uma citação eletrónica - carregada para um portal governamental chamado Gosususlugi – tornada igual ao método tradicional, e não leva em conta se foi lida.

“Não há uma segunda vaga”, disse Peskov após ter sido mais pressionado para responder aos rumores de uma nova tentativa de mobilização em massa. O projeto de lei foi meramente concebido para tornar o processo “moderno, eficiente e conveniente para os cidadãos”, disse Peskov numa conferência de imprensa mais tarde, na quarta-feira.

Essa rara admissão de falha surge após um esforço inicial em setembro que foi assolado pelo caos, uma vez que muitos russos se dirigiram para a fronteira para evitar serem enviados para combate. Também irromperam protestos em regiões de minorias étnicas, e alguns gabinetes de alistamento militar foram incendiados. O anúncio original também desencadeou raras manifestações anti-guerra em toda a Rússia.

Autoridades oficiais disseram que o alvo do projeto de recrutamento de 300 mil pessoas tinha sido atingido até finais de outubro, e que a campanha tinha chegado ao fim.

Embora o Kremlin tenha sido rápido a minimizar o significado da mudança, as suas provisões e o seu timing são convenientes para umas forças armadas atoladas num impasse na sua campanha terrestre no leste da Ucrânia, após meses de combate de atrito que sangrou a sua força humana e armamento.

Oficiais ocidentais disseram na semana passada à CNN que acreditam que a Rússia tem um problema em gerar "mão de obra militar treinada".

"[A Rússia] reconheceu que precisava de mais 400 mil soldados e isso não é apenas para o conflito [na Ucrânia], mas também para cumprir novas formações que vão ser colocadas na nova fronteira com a NATO e a Finlândia", disseram os funcionários num briefing na quarta-feira, respondendo a uma pergunta da CNN.

“Como vão conseguir isso não é claro neste momento”, acrescentaram os responsáveis oficiais, observando que uma nova vaga de convocatórias colocaria riscos para Moscovo. “Se a população pode sustentar outra vaga de mobilização e se o Kremlin quer realmente testar a resiliência da população não é claro neste momento, mas o facto de não o terem feito indicar-nos-á que têm algumas preocupações a esse respeito”.

 

Vasco Cotovio e Max Foster, da CNN, contribuíram para este artigo.

Continue a ler esta notícia