"Syrskyi vai matar-nos a todos": tropas ucranianas estão preocupadas com o novo chefe das Forças Armadas, "o carniceiro" - TVI

"Syrskyi vai matar-nos a todos": tropas ucranianas estão preocupadas com o novo chefe das Forças Armadas, "o carniceiro"

  • CNN Portugal
  • ARC
  • 11 fev, 18:51
Oleksandr Syrskyi (AP)

Este mês as Forças Armadas da Ucrânia conheceram um novo chefe, Oleksandr Syrskyi. A nomeação aconteceu na sequência do presidente Zelensky de ter afastado Valerii Zaluzhnyi, depois de meses de especulação sobre relações tensas

Relacionados

O anterior tinha uma grande popularidade, este tem fama de “carniceiro”. A reação das tropas ucranianas à nomeação do novo chefe das Forças Armadas foi de desespero. Oleksandr Syrskyi foi escolhido por Volodymyr Zelensky para substituir o respeitado general Valerii Zaluzhnyi, mas parece haver gente descontente com a decisão dentro do exército.

"O Syrskyi vai matar-nos a todos", “Estamos todos lixados”. Alguns soldados falaram com o Politico sobre a substituição do general de topo e, sob a condição de anonimato, revelaram preocupação com a substituição.

Syrskyi, o homem que garantiu a defesa de Kiev e que libertou Kharkiv, tem a reputação de ser um general de estilo soviético, tendo mesmo nascido na então União Soviética, da qual a Ucrânia fez parte até ao seu desmantelamento, em 1991. Quer isto dizer que o novo chefe das Forças Armadas ucranianas é visto como alguém que coloca as suas tropas em perigo para atingir os objetivos militares.

No ano passado, o até há pouco tempo comandante das forças terrestres ucranianas supervisionou a defesa de Bakhmut, que se prolongou por nove meses. Nesse período, as tropas da Ucrânia sofreram um elevado número de baixas contra as “ondas de carne” dos russos, contam os militares que lá estiveram. A condução destas ações militares por Syrskyi valeu-lhe a alcunha de “carniceiro”.

“A liderança do general Syrskyi está falida, a sua presença ou as ordens que emanam do seu nome são desmoralizantes e ele mina a confiança no comando em geral”, escreveu um soldado na rede social X. “A sua busca incessante de ganhos táticos esgota constantemente os nossos valiosos recursos humanos, resultando em avanços táticos como a captura de linhas de árvores ou pequenas aldeias, sem objetivos operacionais em mente”, continua.

A reação generalizada das tropas ucranianas não era a que esperava Volodymyr Zelensky quando optou pela substituição. "Quando o presidente perguntou a Zaluzhnyi quem deveria ficar e ser promovido, ele nomeou Syrskyi como um dos generais mais experientes", conta um funcionário do gabinete de Zelensky, citado pelo Político. "É um militar bom e decente, com muita experiência e uma óptima visão estratégica da guerra", constata ainda.

O novo chefe das Forças Armadas da Ucrânia apresentou os seus planos esta sexta-feira, tendo também abordado as preocupações dos soldados face à sua liderança. "A vida e a saúde dos militares sempre foram e são o principal valor do exército ucraniano", afirmou Syrskyi, sublinhando que "manter um equilíbrio entre o desempenho das tarefas de combate e a recuperação das unidades e unidades com a intensificação da formação e do treino do pessoal continua a ser mais relevante do que nunca”.

Volodymyr Zelensky com Oleksandr Syrskyi (AP)

O novo número um das Forças Armadas da Ucrânia vai ter “carta branca para as mudanças estruturais” que quiser fazer, disse um funcionário do gabinete de Zelensky. Syrskyi enfrenta, no entanto, uma maior pressão para mudar o rumo e a tática do exército, depois de Valerii Zaluzhnyi ter sido afastado pelo próprio presidente, após meses de especulação sobre relações tensas e de uma contraofensiva que acabou por falhar.

Continue a ler esta notícia

Relacionados