Responsável de armas do filme "Rust" condenada a 18 meses de prisão por morte durante as filmagens - TVI

Responsável de armas do filme "Rust" condenada a 18 meses de prisão por morte durante as filmagens

Alec Baldwin acusado de homicídio involuntário. Pode ser condenado a 18 meses de prisão

Foram ouvidas várias testemunhas, incluindo agentes do FBI e pessoas que estavam no local quando Alec Baldwin disparou a arma

A responsável de armas do filme “Rust” foi condenada a 18 meses de prisão, depois de o tribunal ter dado Hannah Gutierrez como culpada de homicídio involuntário, num caso em que também está envolvido o ator Alec Baldwin.

Hannah Gutierrez, de 26 anos, conheceu a decisão de um júri de Santa Fé, estado do Novo México, no caso que investiga a morte de Halyna Hutchins, cinematografa do filme que morreu após um disparo de um revólver durante as filmagens.

O júri chegou à conclusão após ter ouvido várias testemunhas, incluindo algumas oculares, além de provas do FBI e análises balísticas.

Hannah Gutierrez estava acusada de ter levado munições verdadeiras para o local de filmagens, onde tal era proibido, além de não ter seguido regras básicas de protocolos de segurança.

Após ter sido conhecido o veredito a defesa pediu um novo julgamento e a libertação da mulher.

Em outubro de 2021, durante as filmagens de “Rust” no Novo México, no sudoeste dos Estados Unidos, o ator Alec Baldwin apontou uma arma que ao contrário do que era suposto continua um projétil real que matou a diretora de fotografia Halyna Hutchins e feriu o diretor Joel Souza.

Durante duas semanas, o julgamento tentou explicar como esta bala real, uma das muitas munições reais recolhidas pelos investigadores, pode ter ido parar ao set de filmagem, desafiando as regras de segurança comuns a toda a indústria cinematográfica.

Durante as audiências, os jurados viram imagens que mostravam Alec Baldwin a manusear armas de maneira perigosa, apontando-as para outros membros da equipa, sem a intervenção da armeira.

“Este caso diz respeito a falhas de segurança consistentes e intermináveis que resultaram na morte de um ser humano e quase mataram outro”, sublinhou a procuradora Kari Morrissey, durante seus argumentos finais na quarta-feira.

Segundo a procuradora, a armeira foi mais uma vez negligente na manhã da tragédia, ao não estar presente quando Alec Baldwin preparava a sua cena, deixando as vinte armas utilizadas pela produção sem vigilância.

Morrissey acusou a armeira de levar munição real para o ‘set’ e de não realizar as verificações necessárias para garantir que a munição colocada na arma era segura.

O Ministério Público também acusou a armeira de ter escondido cocaína, que consumia fora do horário de trabalho, após a tragédia. Neste ponto, os jurados consideraram-na inocente.

Para um dos advogados de defesa, Gutierrez serviu de bode expiatório para uma produção que negligenciou a segurança por razões financeiras e que a tornou uma “culpada designada”.

Jason Bowles sustentou que a armeira não tinha como saber que havia infiltração de munição real no ‘set’ e acreditava que a produção só tinha obtido munições falsas.

Alec Baldwin, reputado ator e produtor do filme, também é acusado de homicídio involuntário, com o seu julgamento a estar previsto para ocorrer em julho.

No início de fevereiro, Baldwin, que sempre afirmou que nunca puxou o gatilho do revólver que segurava, mas que este detonou devido a uma falha mecânica, declarou-se inocente.

As filmagens de "Rust" foram retomadas vários meses depois e terminaram em Montana, com o viúvo de Halyna Hutchins, Matthew, a atuar como produtor executivo.

No final de 2022, abandonou o processo cível que tinha iniciado contra Alec Baldwin no final de um acordo cujo valor não foi divulgado.

A morte de Hutchins já levou a novas precauções de segurança na indústria cinematográfica.

Continue a ler esta notícia