Um hipopótamo morreu atropelado por um carro. Mas esta história vai até Pablo Escobar - TVI

Um hipopótamo morreu atropelado por um carro. Mas esta história vai até Pablo Escobar

  • CNN Portugal
  • MCP
  • 13 abr 2023, 14:37
Hipopótamo Hacienda Nápoles (Getty)

A reprodução dos animais importados pelo narcotraficante na década de 80 está descontrolada. Desta vez, resultou num acidente rodoviário

Relacionados

A Colômbia registou o seu primeiro acidente de trânsito causado por hipopótamos. A colisão entre o animal e o veículo aconteceu na terça-feira, no município de Doradal, numa rodovia que liga as cidades de Bogotá e Medelín e resultou na morte do animal, segundo autoridades ambientais locais.

O hipopótamo em questão é um dos 150 descendentes dos quatro hipopótamos importados pelo famoso narcotraficante Pablo Escobar, que na década de 80 importou vários animais para criar um zoo privado para os seus filhos. Uma coleção de hipopótamos, tigres, girafas, elefantes, cangurus, entre outras espécies exóticas, que ficaram alojados na famosa "Hacienda Nápoles".

O problema começou a sentir-se quando Escobar foi apanhado e morto pela polícia, em 1993. Enquanto que muitos dos seus animais foram presos ou morreram, os hipopótamos foram apenas abandonados na propriedade do narcotraficante, tal eram os custos e problemas logísticos associados ao transporte destes animais. Agora, apesar da tentativa governamental de controlar a reprodução da espécie, esta tem-se multiplicado incontrolavelmente, tornando-se uma espécie invasora no país.

De acordo com o jornal Guardian, um grupo de cientistas já lançava, em 2021, o alerta de que estes hipopótamos se tornaram numa grande ameaça à biodiversidade desta região, podendo inclusive dar origem a encontros perigosos (e potencialmente mortais) com humanos. E, segundo a análise que realizaram, se a população destes animais não for controlada, em 2035 pode haver mais de 1.500 hipopótamos selvagens nesta zona da Colômbia. 

“Acredito que seja um dos maiores desafios a nível de espécies invasoras no mundo”, disse Nataly Castelblanco-Martínez, ecologista da Universidade de Quintana Roo, no México, e principal autora do estudo do grupo.

O acidente rodoviário, não só vem reafirmar o problema, como acrescentar mais uma ameaça da parte deste "invasor" para a comunidade local.

Em declarações ao Guardian, Luz Dámaris Luján, presidente da comunidade de Estacion Pita, um município a 10 kms do local do acidente, diz: “Todos estamos apavorados porque estamos cheios destes hipopótamos. Agora chegamos a um ponto em que não podemos sair à noite”, reclamou ela. “O governo precisa de se apressar e fazer qualquer coisa, estamos a ficar cansados ​​disto.”

Outro trabalho realizado por investigadores da Universidade da Califórnia, em San Diego (EUA), chegou à conclusão que os hipopótamos estão a mudar a qualidade da água desta zona, isto porque, por viverem grande parte do seu tempo dentro da água, acabam por defecar no mesmo local, influenciando a biodiversidade da região.

Se por um lado a solução mais fácil seria abater os animais, por outro, o facto de ser uma atração turística e do governo local ter proibido a caça destes animais complica a situação. O Governo já optou pela esterilização, mas trata-se de um processo dispendioso.

No mês passado, pescadores locais alertaram que provavelmente seria apenas uma questão de tempo até os moradores locais matarem os animais. 

O governador do estado de Antioquia, Aníbal Gaviria Correa, que gere o plano de exportação dos hipopótamos de Escobar, partilhou na sua conta de Twitter as imagens do acidente e pediu ao presidente, Gustavo Petro, e à ministra do meio ambiente, Susana Muhamad, que o apoiem no seu plano de emigrar os “animais majestosos”.
 


Apesar das imagens mostrarem o carro com a parte da frente desfeita, o motorista terá saído ileso. 

 

Continue a ler esta notícia

Relacionados