A CNN visitou o poço do túnel exposto perto do Hospital Al-Shifa. Eis o que vimos - TVI

A CNN visitou o poço do túnel exposto perto do Hospital Al-Shifa. Eis o que vimos

  • CNN
  • Oren Liebermann
  • 20 nov 2023, 12:08

Reportagem em Gaza

Mesmo na escuridão, a devastação total no norte de Gaza é clara como o dia. As carcaças vazias dos edifícios, iluminadas pelos últimos fragmentos de luz, sobressaem da paisagem nas estradas de terra que atravessam a Faixa de Gaza. À noite, os únicos sinais de vida são os veículos das Forças de Defesa de Israel (IDF) que percorrem a paisagem, reforçando o controlo militar sobre o sector norte.

No sábado à noite, viajámos com as IDF para Gaza para ver o novo túnel descoberto no complexo do Hospital Al-Shifa, a maior instalação médica do enclave.

Depois de atravessar a vedação fronteiriça por volta das 21:00, o nosso comboio de Humvees desligou as luzes, confiando nos óculos de visão nocturna para atravessar a Faixa de Gaza. Passaríamos as seis horas seguintes dentro de Gaza, grande parte do tempo a ir e vir do túnel.

Ao longo do nosso percurso, praticamente todos os edifícios apresentavam cicatrizes de danos provocados pela guerra. Muitas estruturas estavam completamente destruídas, enquanto outras mal se reconheciam como algo mais do que metal retorcido. Se havia vida aqui, já tinha partido há muito tempo. Os habitantes tinham-se mudado para sul ou tinham sido mortos durante as seis semanas de guerra.

Pouco depois de atravessar a fronteira com Gaza, o comboio de Humvees apagou as luzes e viajou na escuridão (Oren Liebermann/CNN)

A nossa primeira paragem foi num local na praia onde as IDF tinham montado uma área de preparação. A partir daí, fomos em veículos blindados com vários outros repórteres para o último quilómetro até ao hospital. A única visão do exterior era através de um ecrã de visão nocturna. Mas mesmo a preto e branco, o nível de destruição era chocante.

Dentro da cidade de Gaza, os restos esqueléticos de torres de apartamentos e edifícios altos enchiam as ruas da cidade, que de outra forma estariam vazias. Mesmo que pudéssemos falar com os palestinianos enquanto estivéssemos integrados nas IDF, não havia ninguém com quem falar.

A CNN fez a reportagem a partir do interior de Gaza, sempre sob escolta das IDF. Como condição para que os jornalistas pudessem participar nesta operação, os meios de comunicação social tiveram de submeter as imagens filmadas em Gaza à apreciação dos militares israelitas e concordaram em não revelar locais sensíveis e a identidade dos soldados. A CNN manteve o controlo editorial sobre o relatório final.

Quando saímos do veículo blindado, fomos envolvidos por uma escuridão total. Só nos foi permitido usar os nossos faróis vermelhos para navegar até um edifício próximo, onde esperámos até que as forças israelitas que já se encontravam no terreno protegessem a área. O poço de acesso ao túnel ficava muito perto, mas estava totalmente exposto.

O comandante responsável pelo nosso grupo, o tenente-coronel Tom, disse que este túnel era significativamente maior do que outros que tinha visto antes. "Este é um túnel grande", afirmou. "Já encontrei túneis - em 2014, na [Operação] Protective Edge, era comandante de uma companhia - e este túnel é muito maior do que um túnel normal."

Esperávamos ouvir combates quando entrássemos na cidade de Gaza. Em vez disso, ouvimos um silêncio quase total. Só uma vez, durante os cerca de 45 minutos que passámos no hospital, ouvimos o som distante de fogo de armas ligeiras - e era impossível dizer a que distância estava. No resto do tempo, o silêncio fez com que a escuridão se tornasse ainda mais opressiva.

A única visão da destruição em Gaza era através de um pequeno monitor de visão nocturna num veículo blindado de transporte de pessoal (Oren Liebermann/CNN)

Era quase meia-noite quando caminhámos os últimos metros até ao poço do túnel exposto. As IDF tinham prometido "provas concretas" de que o Hamas estava a utilizar o complexo hospitalar acima do solo como cobertura para aquilo a que chamava 'infraestrutura terrorista por baixo', incluindo um centro de comando e controlo.

Vários dias antes, as IDF tinham divulgado o que diziam ser o primeiro lote de provas, que incluía armas e munições que diziam ter encontrado dentro do próprio hospital. Mas as imagens estavam longe de provar que o Hamas tinha uma instalação por baixo e uma investigação da CNN descobriu que algumas das armas tinham sido transferidas de sítio.

A descoberta do poço do túnel no dia seguinte foi mais convincente, mostrando uma entrada para algo subterrâneo. Mas, mesmo nessa altura, não se sabia ao certo o que era ou até onde ia. É isto que todos têm tentado perceber.

De pé na borda do poço do túnel, era evidente que a estrutura em si era substancial. No topo, os restos de uma escada pendiam sobre o rebordo da abertura. No centro do poço redondo, um poste central parecia o centro de uma escada em espiral. O poço em si estendia-se mais para baixo do que conseguíamos ver, especialmente com a escassa luz dos nossos faróis.

Um vídeo divulgado pelas IDF do interior do poço mostrou o que não podíamos ver do topo da abertura. O vídeo mostra uma escada em espiral que desce para um túnel de betão. As IDF afirmam que o poço do túnel se estende para baixo cerca de 10 metros e que o túnel se estende por 55 metros. No fim do túnel há uma porta de metal com uma pequena janela.

"Precisamos de demolir a instalação subterrânea que encontrámos", disse o porta-voz das IDF, contra-almirante Daniel Hagari. "Penso que a direção do Hamas está sob grande pressão porque encontrámos esta instalação e vamos agora demoli-la. Isso vai levar tempo. Vamos fazê-lo em segurança, mas vamos fazê-lo."

Esta é, sem dúvida, a prova mais convincente que as IDF apresentaram até à data de que pode existir uma rede de túneis por baixo do hospital. Não estabelece, inequivocamente, a existência de um centro de comando sob o maior hospital de Gaza, mas é evidente que há um túnel lá em baixo. Ver o que se liga a esse túnel é absolutamente crítico.

Para Israel, o que está em jogo não podia ser mais importante. Há semanas, ou mesmo anos, que Israel afirma publicamente que o Hamas construiu infraestruturas terroristas por baixo do hospital. A capacidade de prosseguir a guerra, face às crescentes críticas internacionais, depende em grande medida do facto de Israel conseguir provar este ponto.

O Hamas tem negado repetidamente a existência de uma rede de túneis por baixo do hospital Shifa. Os responsáveis pela Saúde que falaram com a CNN disseram o mesmo, insistindo que se trata apenas de uma instalação médica.

Como raramente acontece no conflito israelo-palestiniano, esta resposta é mesmo a preto e branco. Ou existe uma série de túneis subterrâneos por baixo do hospital. Ou não existe.

Continue a ler esta notícia