Filho de Biden acusado de posse ilegal de arma de fogo - TVI

Filho de Biden acusado de posse ilegal de arma de fogo

  • CNN
  • Marshall Cohen, Kara Scannell e Hannah Rabinowitz
  • 14 set 2023, 18:55
Hunter Biden (AP)

Filho do presidente dos Estados Unidos está também acusado de mentir num formulário federal

Relacionados

O filho do presidente Joe Biden, Hunter Biden, foi acusado da posse ilegal de uma arma de fogo e de prestação de falsas declarações num formulário federal para a obtenção de armas de fogo.

Hunter Biden tinha anteriormente chegado a um acordo com o conselheiro especial David Weiss para que não houvesse acusações, mas esse acordo caiu durante o verão.

Os problemas legais de Hunter Biden relacionados com armas estão relacionados com uma arma de fogo que comprou em outubro de 2018. Durante a compra de um revólver numa loja de armas no estado do Delaware, mentiu num formulário federal quando jurou que não estava a consumir nem era viciado em drogas ilegais - apesar de estar a lutar contra o vício em crack na altura da compra.

É um crime federal mentir no formulário da Agência de Álcool, Tabaco, Armas de Fogo e Explosivos (ATF) ou possuir uma arma de fogo enquanto consumidor de drogas. Os procuradores disseram anteriormente que o prazo de prescrição para algumas destas infrações expira em outubro.

O advogado de Hunter Biden, Abbe Lowell, afirmou anteriormente que o acordo anterior com os procuradores sobre as armas "impede a apresentação de quaisquer acusações adicionais" e que o seu cliente "tem cumprido as condições de libertação previstas nesse acordo". Os procuradores dizem que esse acordo nunca entrou em vigor.

Weiss tem liderado a investigação de Hunter Biden desde o final de 2018. Ao longo dos anos, a sua equipa investigou potenciais crimes de evasão fiscal, lobbying estrangeiro ilegal, branqueamento de capitais e outros, em grande parte relacionados com os negócios de Hunter Biden no estrangeiro.

A investigação parecia estar a terminar em junho, quando Weiss anunciou um acordo em duas vertentes, em que Hunter Biden se declararia culpado de dois delitos fiscais federais e entraria num "acordo de desvio", em que a acusação de porte de arma seria retirada em dois anos se Hunter Biden passasse em testes de consumo de drogas e se mantivesse longe de problemas legais.

Mas, numa impressionante audiência no tribunal em julho, os acordos caíram por terra. As duas partes tentaram renegociar um acordo, mas as conversações chegaram a um impasse e o Procurador-Geral Merrick Garland elevou Weiss ao estatuto de conselheiro especial em agosto.

Para além do caso das armas, Weiss está ainda a ponderar a possibilidade de acusar Hunter Biden de crimes fiscais. No mês passado, Weiss afirmou num processo judicial que "um julgamento está agora em ordem" sobre os delitos fiscais e que "poderá apresentar acusações fiscais" possivelmente na Califórnia ou em Washington D.C.

Continue a ler esta notícia

Relacionados