Maui é uma ilha tropical húmida. Como é que os incêndios florestais começaram? - TVI

Maui é uma ilha tropical húmida. Como é que os incêndios florestais começaram?

  • CNN
  • Ray Sanchez
  • 11 ago 2023, 00:49
Incêndio em Maui (Associated Press)

Estes são os factores que estão a dificultar o combate aos mortíferos incêndios florestais de Maui

Os incêndios de Maui espalharam-se velozmente e criaram uma caixa de pólvora letal sobrecarregando os residentes e as autoridades locais num dos incêndios florestais mais mortíferos do país.

“É muito estranho ouvir falar de incêndios florestais graves no Havai - uma ilha tropical e húmida - mas acontecimentos estranhos estão a tornar-se mais comuns com as alterações climáticas”, disse à CNN Jennifer Marlon, investigadora e professora na Escola do Ambiente de Yale, nos EUA.

Alimentados por uma combinação de ventos fortes e condições secas - e complicados pela geografia da ilha - os incêndios mataram pelo menos 36 pessoas.

“Para aqueles de nós que têm estado a trabalhar neste problema, isto faz-nos sentir mal”, disse Clay Trauernicht, especialista assistente que estuda os incêndios tropicais na Universidade do Havai em Manoa.

O incêndio florestal de Maui parece ser um dos mais mortíferos da história moderna dos Estados Unidos. O incêndio é já o segundo mais mortífero dos últimos 100 anos, a seguir ao incêndio de Camp, na Califórnia, que matou 85 pessoas em novembro de 2018, segundo o CalFire.

Trauernicht afirmou que este foi, de longe, o incêndio mais mortífero da história do Havai.

Estes são alguns dos fatores que dificultam o combate aos incêndios que mergulharam um Estado conhecido pela sua beleza natural deslumbrante numa crise sem precedentes:

Seca contribuiu para a propagação dos incêndios

A seca agravou-se no Havai durante a semana passada, provocando a propagação de incêndios, de acordo com o Monitor da Seca dos EUA divulgado na quinta-feira. As condições de seca severa no condado de Maui aumentaram de 5% na semana passada para 16%, enquanto os níveis de seca moderada a nível estadual aumentaram de 6% para 14%.

A terra e a vegetação secas podem servir de combustível para os incêndios florestais, que podem tornar-se rapidamente mortais se os ventos fortes ajudarem a lançar as chamas em direção às comunidades.

“É mais um problema de combustíveis do que um problema climático - o que significa que é um problema que podemos resolver”, disse Trauernicht numa entrevista telefónica.

“Há ações tangíveis que poderíamos tomar para reduzir o risco de algo assim acontecer no futuro”, acrescentou, referindo-se a medidas como a criação de barreiras para reduzir a vegetação propensa a incêndios e o apoio à utilização de terras agrícolas.

“Isso é uma prioridade quando os incêndios estão a arder. Mas, nessa altura, é demasiado tarde.”

Enquanto os cientistas tentam compreender plenamente a forma como a crise climática afetará o Havai, eles afirmam também que a seca se agravará com o aumento das temperaturas globais: as temperaturas mais altas aumentam a quantidade de água que a atmosfera pode absorver, o que seca a paisagem.

As condições de seca estão a tornar-se mais extremas e comuns no Havai e noutras ilhas do Pacífico, de acordo com a Quarta Avaliação Nacional do Clima dos EUA, publicada em 2018. De um modo geral, a precipitação tem vindo a diminuir no Havai ao longo do tempo, com o aumento do número de dias secos consecutivos, observam os cientistas no relatório.

E a crise climática fez com que as secas, que antes podiam ocorrer apenas uma vez por década, passassem a ser 70% mais frequentes, segundo cientistas globais em 2021.

“Combinar combustíveis abundantes com calor, seca e fortes rajadas de vento é uma receita perfeita para incêndios fora de controlo”, disse Marlon por e-mail.

“Mas é isto que as alterações climáticas estão a fazer - estão a potenciar as condições meteorológicas extremas. Este é mais um exemplo de como as alterações climáticas causadas pelo homem se parecem cada vez mais”.

Ventos relacionados com furacões alimentam condições meteorológicas de incêndios

O furacão Dora, um furacão de categoria 4, rápido e poderoso, com ventos sustentados superiores a 200 Km/h, não está a ajudar.

Enquanto a tempestade rugia a sul do Havai, um forte sistema de alta pressão manteve-se a norte, com as duas forças a combinarem-se para produzir “ventos muito fortes e prejudiciais”, de acordo com o Serviço Meteorológico Nacional.

“Estes ventos fortes, juntamente com os baixos níveis de humidade, estão a produzir condições meteorológicas perigosas para a ocorrência de incêndios” até quarta-feira à tarde, segundo o serviço meteorológico.

Os ventos fortes, as condições de seca em curso e a humidade relativa seca são “ingredientes para acender esses incêndios e atiçar as chamas”, disse o meteorologista da CNN Derek Van Dam.

“O problema é que este vento - semelhante, digamos, aos ventos de Santa Ana no sul da Califórnia - é que seca e aquece à medida que desce as montanhas, e cria estas condições muito secas, semelhantes às da madeira”, disse ele.

O furacão Lane em 2018 também foi associado a grandes incêndios em Maui e Oahu, observou Abby Frazier, climatologista e geógrafa da Clark University em Massachusetts.

“Os incêndios florestais são um problema maior no Havai do que muitas pessoas possam imaginar”, disse Frazier por e-mail a partir do Havai, onde tem estado a trabalhar num projeto de investigação em Oahu.

“Durante a estação das chuvas, os combustíveis são acumulados e depois secam durante a estação seca”, acrescentou. “Quando combinamos estes combustíveis secos com os ventos fortes e a baixa humidade que temos neste momento devido ao furacão Dora, temos um clima de incêndio extremamente perigoso”.

Outro fator agravante é o El Niño, disse Frazier. O padrão climático tem origem no Oceano Pacífico ao longo do equador e afeta o clima em todo o mundo.

“Isto significa uma atividade de furacões superior à habitual no Pacífico central este verão”, escreveu.

“Embora tenhamos tendência para ver condições mais húmidas durante os verões do El Niño (o que acumula combustíveis para os incêndios), o Havai deve esperar condições de seca neste inverno, o que secará os combustíveis e, normalmente, conduzirá a um início mais precoce da nossa época de incêndios no próximo ano.”

A forma como a terra é utilizada mudou

As espécies de plantas não nativas cobrem agora quase um quarto da área total do Havai, e as gramíneas e arbustos invasores tornam-se altamente inflamáveis na estação seca, disse Trauernicht.

O Havai também perdeu grandes plantações e ranchos, com as gramíneas propensas ao fogo a tomarem conta das terras em pousio, disse.

“Quando as plantações estavam ativas, os bombeiros apareciam no local... as pessoas estavam lá a abrir os portões, todas as estradas eram mantidas, havia infraestruturas e equipamento de água. E tinham o apoio das pessoas que trabalhavam nessas plantações”, disse Trauernicht.

"Como isso mudou, e o uso da terra mudou. Agora é tudo por conta dos bombeiros”.

O Havai também tem sofrido alterações drásticas nos padrões de precipitação.

A área ardida anualmente no Havai representa atualmente cerca de 1% da área total do estado - comparável e muitas vezes superior aos 12 estados ocidentais do continente onde os incêndios são mais comuns, de acordo com Trauernicht e a Pacific Fire Exchange.

Geografia e recursos limitados dificultam o combate aos incêndios

A geografia do Havai - uma cadeia de ilhas no Pacífico - e os recursos limitados de combate a incêndios também complicam os esforços.

O pessoal da Divisão de Florestas e Vida Selvagem do Estado é constituído principalmente por gestores de recursos naturais, silvicultores, biólogos e técnicos - e não por bombeiros florestais a tempo inteiro, de acordo com o site na Internet da agência.

“O oeste de Maui é um exemplo perfeito - uma rodovia atravessa o lugar inteiro”, disse Trauernicht à CNN. “Os nossos recursos estão limitados ao que existe na ilha. Os recursos (...) vão ser dispersos”.

Menos de 300 bombeiros responderam ao segundo maior incêndio do estado, na Ilha Grande em 2021, disse Trauernicht.

“Se compararmos isso com o continente, teria havido provavelmente alguns milhares de bombeiros”, disse ele.

“Isto dá-nos uma ideia do tipo de ... limitações que temos aqui. Neste incêndio, garanto-vos, todos os que estão disponíveis para responder estão a responder. Não temos realmente a capacidade de trazer recursos de outros estados. Isso não está a acontecer”.

Na quinta-feira, entretanto, os incêndios florestais já tinham matado pelo menos 36 pessoas na ilha, em comparação com as seis mortes registadas apenas um dia antes.

“Penso que isto vai ser muito pior do que tudo o que já vimos, infelizmente”, disse Trauernicht.

Apesar dos avisos, muitos foram aparentemente apanhados de surpresa.

“O Serviço Nacional de Meteorologia emitiu uma espécie de aviso. Tivemos alguns dias de avanço sobre as condições climatéricas”, disse Trauernicht.

“Antecipámos os ventos fortes e as condições de seca. Mas a gestão dos combustíveis à escala que precisamos, são ações que têm de ser tomadas, no mínimo, meses antes destes incêndios e destas condições.”

São necessários esforços de planeamento e prevenção a longo prazo para combater o crescimento de gramíneas e arbustos invasores, disse Trauernicht.

“Isto é algo que temos vindo a dizer há décadas”, afirmou. “Podemos criar paisagens muito menos suscetíveis de arder, muito menos sensíveis a estas flutuações do clima ou do tempo que criam condições tão perigosas.

“Devemos isso a estas pessoas que estão a lutar contra isto neste momento.”

 

Brandon Miller, Holly Yan, Rachel Ramirez, Eric Zerkel, Derek Van Dam, Allison Chinchar, Robert Shackelford, Amanda Jackson, Jamiel Lynch e Chris Boyette contribuíram para este artigo.

Continue a ler esta notícia