“Ele estava a gritar ... 'Corre, corre, corre, Carole, corre!'” Um rapaz de 7 anos, um músico, uma avó corajosa... Histórias dos que morreram nos incêndios de Maui - TVI

“Ele estava a gritar ... 'Corre, corre, corre, Carole, corre!'” Um rapaz de 7 anos, um músico, uma avó corajosa... Histórias dos que morreram nos incêndios de Maui

  • CNN
  • Amanda Jackson, Holly Yan, Christina Maxouris e Caroll Alvarado
  • 29 ago 2023, 08:00
Incêndios em Maui no Havai

Um rapaz de 7 anos e os seus familiares estão entre as dezenas de mortos nos incêndios florestais de Maui. Eis o que sabemos sobre algumas das 115 vidas perdidas

Os incêndios florestais apocalípticos que assolaram Maui ceifaram pelo menos 115 vidas - um número devastador que se admite que ainda venha a aumentar.

Muitas das vítimas morreram enquanto tentavam escapar às chamas - incluindo um rapaz de 7 anos e três membros da sua família que foram encontrados "num carro queimado perto da sua casa", de acordo com uma página verificada GoFundMe.

"Em nome da nossa família, damos um aloha aos nossos queridos pais, Faaso e Malui Fonua Tone, bem como à nossa querida irmã Salote Takafua e ao seu filho, Tony Takafua", afirmou a família numa declaração à Hawaii News Now, filial da CNN.

"A magnitude da nossa dor é indescritível, e as suas memórias permanecerão para sempre gravadas nos nossos corações."

Prevê-se que a tragédia em massa se intensifique à medida que as equipas de busca continuam a remexer nas cinzas das "muitas centenas de casas" destruídas pelos incêndios que começaram a 8 de agosto. Até 22 de agosto, 87% da área queimada havia sido vasculhada em busca de restos mortais, disse o governador do Havaí, Josh Green, ao Hawaii News Now.

"Cada estrutura ou área danificada pelo incêndio está a ser e será vasculhada à procura de restos mortais para que possamos recuperar os nossos entes queridos", disse o chefe da polícia de Maui, John Pelletier, durante uma conferência de imprensa a 22 de agosto. "Vamos fazer isto corretamente. Não o vamos fazer rapidamente. Não podemos ter pressa em julgar. Temos uma oportunidade".

As autoridades tinham a 22 de agosto listas com mais de mil pessoas dadas como desaparecidas, embora os investigadores ainda estejam a tentar determinar a exatidão da lista, disse Steven Merrill, agente especial responsável pelo escritório do FBI em Honolulu.

Entretanto, estão a decorrer trabalhos para identificar os mortos no incêndio, utilizando amostras de ADN fornecidas por familiares.

À medida que surgem as identidades de mais vítimas, surgem também histórias comoventes sobre as suas vidas. Estas são algumas das suas histórias:

Um avô e músico que andou em digressão com Santana

Buddy Jantoc, 79 anos, vivia num complexo residencial para idosos quando as chamas varreram Lahaina, informou a KITV, afiliada da CNN.

Buddy Jantoc, 79 anos, de Lahaina, adorava passar o tempo com a família, disse a neta. (A CNN desfocou partes desta imagem para proteger a identidade de menores.) Cortesia: Keshia Alakai/Facebook

Jantoc foi uma das duas primeiras vítimas que as autoridades do condado de Maui identificaram publicamente.

"O meu pai era mais velho, mas ele ser-nos tirado dessa maneira...", lamentou a sua neta Keshia Alaka'i à KITV. "Acho que é isso que é mais difícil de aceitar".

Jantoc cantava, tocava guitarra e bateria e até fez uma digressão com a banda de Carlos Santana, disse a sua neta. Mais recentemente, tocou música em salões locais de hula.

Alaka'i falava com o avô com frequência e vai sentir falta dos telefonemas - incluindo "os telefonemas dele para as coisas parvas", deabafou ela à KITV.

"Comprar coisas para ele, fazer encomendas online porque ele não sabia trabalhar com isso ou, sabe, lutar com o iPhone porque eu lhe tinha comprado um novo e ele não sabia trabalhar com ele", recordou com carinho.

Iola Balubar, uma instrutora de hula que actuou com Jantoc, disse à KITV que ele era "um bom homem, um bom avô".

"Qualquer tempo que ele tivesse com a sua família, ele valorizava-o", disse ela.

Um amante dos animais que morreu a proteger um cão amado

Franklin "Frankie" Trejos, 68 anos, viveu na histórica cidade de Lahaina durante três décadas antes de o inferno consumir o seu bairro, contou a sobrinha Kika Perez Grant.

O amigo de longa data e colega de quarto de Trejos disse à família que ele e Trejos tentaram salvar a sua propriedade antes que as chamas os dominassem.

Franklin 'Frankie' Trejos adorava o cachorro de seu colega de quarto, Sam, disse sua sobrinha. Cortesia de Kika Perez Grant

O colega de quarto sofreu queimaduras, mas conseguiu escapar da cena caótica. Mas Trejos não estava em lado nenhum.

Horas depois, o colega de quarto ligou novamente para a família de Trejos "para nos dizer que tinha encontrado os restos mortais do tio Frankie", disse Perez Grant. Os restos mortais de Trejos foram encontrados a quarteirões de distância de sua casa, em cima do cão do seu colega de quarto, que ele amava, disse sua sobrinha.

"O tio Frankie era um homem bondoso, um amante da natureza, um amante dos animais e amava os seus amigos e as suas famílias com todo o seu coração", disse a sobrinha.

"Adorava a aventura e era um espírito livre".

Ela procurava sempre o lado bom das pessoas

Carole Hartley era conhecida pela "sua personalidade divertida, o seu sorriso e as suas aventuras", disse a irmã. Cortesia de Donna Gardner Hartley

Carole Hartley, que vivia no centro de Lahaina, morreu enquanto tentava fugir, disse a irmã à CNN.

Quando Hartley e o seu companheiro, Charles Paxton, tentavam escapar às chamas, foram separados por um fumo negro e espesso que os envolveu, disse Donna Gardner Hartley.

Os ventos fortes do furacão Dora moviam-se rapidamente e "estavam sempre a mudar", escreveu Gardner Hartley numa publicação no Facebook.

Paxton "disse que estavam dentro de um fumo escuro (que) parecia um tornado e que não conseguiam ver nada e que não paravam de chamar o nome um do outro", escreveu ela.

"Ele estava a gritar ... 'Corre, corre, corre, Carole, corre'. Ele acabou por não a conseguir ouvir mais."

O parceiro de Hartley acabou por ser encontrado pelos seus amigos e recebeu tratamento médico por causa de queimaduras, escreveu Gardner Hartley.

Ele então organizou um grupo de busca para procurar Hartley. O grupo descobriu os seus restos mortais na propriedade do casal no fim de semana, disse Gardner Hartley à CNN.

Paxton acredita que Hartley voltou atrás para ajudar alguém antes de morrer, disse Gardner Hartley num comunicado.

Uma conta GoFundMe verificada foi criada para apoiar Paxton na sua dor.

"Esta semana temos tido os piores dias da nossa vida", disse Gardner Hartley na declaração. "É de tirar o fôlego quando você recebe a ligação de que os restos mortais de sua irmãzinha foram encontrados na sua propriedade e que eles ainda estão à espera da verificação de DNA.

Gardner Hartley lembrava-se da sua irmã como uma pessoa especial e carinhosa desde tenra idade. As duas falavam frequentemente, disse ela, e estavam sempre "a um telefonema de distância".

Hartley viveu na ilha durante 36 anos, disse a irmã.

"A minha irmã mais nova sempre procurou o lado bom das pessoas e sempre ajudou os outros", disse Gardner Hartley. "Todos os que a conheciam sentirão a falta dela pela sua personalidade divertida, pelo seu sorriso e pelas suas aventuras."

Uma avó querida que tentou fugir

Melva Benjamin, 71 anos, de Lahaina, morreu nos incêndios de Maui, segundo as autoridades do condado. Fotografia de família

A última vez que a família de Melva Benjamin teve notícias dela, a 8 de agosto, a avó de 71 anos estava a ser evacuada para um abrigo com o seu companheiro, disse a neta.

Depois de dias de busca frenética, a família soube que ela tinha morrido no incêndio, partilhou a neta Tufalei Makua no Facebook.

"É com grande tristeza e com o coração pesado que anunciamos a perda de Melva Benjamin. Fomos informados esta tarde, terça-feira, 15 de agosto de 2023, que ela morreu nos incêndios de Lahaina", escreveu Makua.

"Agradecemos o amor e o apoio que todos nos têm demonstrado durante este período difícil. Por favor, mantenham-nos nos vossos pensamentos e orações enquanto a recordamos e honramos. Adoramos-vos a todos".

A matriarca era a "espinha dorsal" da família

Donna Gomes, de Lahaina, morreu no incêndio, segundo as autoridades. A sua neta, Tehani Kuhaulu, disse ao Honolulu Star-Advertiser que Gomes era a espinha dorsal da família.

A senhora de 71 anos era uma auxiliar de segurança pública aposentada do Departamento de Polícia de Maui. Segundo a neta, ela tinha planos de visitar Las Vegas para comemorar o seu próximo aniversário.

"Ela adorava jogar póquer e apostar", disse Kuhaulu. "O seu cuidado pessoal era ir a Las Vegas, a qualquer casino."

Deixa duas filhas, sete netos e dois bisnetos.

O reformado "faz-nos sorrir todos os dias com as suas piadas"

Alfredo Galinato fazia a sua família sorrir todos os dias, disse o seu filho. Fotografia de família

Alfredo Galinato, de Lahaina, morreu nos incêndios de Maui, de acordo com as autoridades do condado. Os seus filhos falaram com a KITV e disseram que o homem de 79 anos tentou salvar a casa da família que ele construiu.

"Com todo o seu coração, sei que ele estava a tentar combater o fogo para salvar a nossa casa", disse o seu filho Joshua Galinato à KITV. "Para que possamos voltar para nossa casa como uma família inteira".

Os filhos de Galinato procuraram por ele e partilharam imagens dele nas redes sociais nos dias após o incêndio, tentando encontrar alguém que pudesse saber do seu paradeiro. Mas a família acabou por ser mais tarde contactada pelas autoridades com notícias devastadoras.

"Neste momento, sinto falta de tudo no meu pai. A sua personalidade é simplesmente engraçada. Ele faz-nos sorrir todos os dias com as suas piadas", disse Joshua. "Sinto a falta dele".

"As reuniões, vamos sentir falta disso", disse o filho de Galinato, John, à KITV. "Reuniões. Ele cuida de nós muitas vezes. Está reformado, mas ajuda toda a família. Vamos sentir falta dele, ver o seu rosto, o seu sorriso, tudo - todos os momentos."

A família criou uma conta GoFundMe verificada.

Maioria das vítimas ainda não foi identificada publicamente

A árdua tarefa de identificar os restos mortais tem sido especialmente difícil porque em grande parte eles ficaram irreconhecíveis e as impressões digitais raramente são encontradas, disse o governador.

O condado de Maui confirmou os nomes do primeiro grupo de vítimas cerca de uma semana depois de o catastrófico incêndio de Lahaina ter começado a incendiar a cidade histórica.

Entre elas estavam Benjamin, Galinato e Jantoc, além de Virginia Dofa, 90 anos, e Robert Dyckman, 74 anos. Todos os cinco viviam em Lahaina.

Outros sete residentes de Lahaina foram identificados a 20 e 21 de agosto. Eram Conchita Sagudang, 75 anos, Danilo Sagudang, 55 anos, Rodolfo Rocutan, 76 anos, Jonathan Somaoang, 76 anos, Angelita Vasquez, 88 anos, Douglas Gloege, 59 anos, e Juan Deleon, 45 anos, informaram as autoridades de Maui.

Em 22 e 23 de agosto, as autoridades identificaram mais 13 vítimas de Lahaina: Clyde Wakida, 74 anos, Todd Yamafuji, 68 anos, Antonia Molina, 64 anos, Freeman Tam Lung, 80 anos, Joseph Schilling, 67 anos, Narciso Baylosis Jr., 67 anos, Vanessa Baylosis, 67 anos, Tau Ponali, 66 anos, Valerie Kauffman, 78 anos, Salvador Coloma, 77 anos, Carlo Tobias, 54 anos, Albert Kitaguchi, 62 anos, e Lynn Manibog, 74 anos, segundo as autoridades do condado de Maui.

Os funcionários do condado forneceram inicialmente uma idade incorrecta para Freeman Tam Lung. Ele tem 80 anos, de acordo com um comunicado de imprensa.

Theresa Cook, 72 anos, residente na Califórnia, também foi identificada como uma das vítimas em 22 de agosto.

A ministra das Relações Exteriores do México, Alicia Barcena, disse que dois cidadãos mexicanos morreram nos incêndios florestais de Maui.

“O pessoal consular está a prestar assistência e acompanhamento às suas famílias”, afirmou. “Expressamos nossas mais profundas condolências nesta trágica situação”.

Continue a ler esta notícia